• Ter. Mar 5th, 2024

Milhares nas ruas por “políticas concretas” contra o aumento do custo de vida

Byadmin

Fev 26, 2023

Milhares de pessoas lotaram as ruas de Lisboa na luta contra o aumento do custo de vida. Exigir ao Governo que limite os preços dos bens essenciais e aumentos salariais.

Milhares de pessoas lotaram a Rua de São Bento, em Lisboa, este sábado, fizeram eco da reivindicação por “uma vida justa” e reuniram-se na Assembleia da República, onde exigiram “fazer parte da decisão” e “políticas concretas” para responder à crise.

Exigir ao Governo que limite os preços dos bens essenciais e aumentos salariais.

“Oh, Costa, ouve, queremos uma vida justa”, gritaram os milhares de participantes no protesto, dirigindo esta mensagem ao primeiro-ministro, António Costa (PS), sublinhando que “a luta continua”, “a luta é coletiva ” e “a voz do povo é a voz suprema”.

Promovida pelo movimento cívico Vida Justa, a manifestação teve início pelas 15h00 no largo Marquês de Pombal, onde se reuniram centenas de pessoas. :00 ao parlamento com “cerca de 10.000 pessoas”, segundo dados da organização.

“Todos e todas, por uma vida justa” foi a frase que guiou o percurso da manifestação, que contou com a presença de pessoas de todas as idades, incluindo famílias, provenientes de várias zonas da Grande Lisboa, e que contou com a presença de deputados do BE, PCP e Livre na Assembleia da República.

Entre os vários cartazes erguidos no protesto, um era segurado por uma idosa em cadeira de rodas: “Fui obrigada a sair na rua e gritar”. O direito à moradia foi um dos principais problemas apontados ao longo do protesto: “A casa é cara, queremos uma vida justa”.

Os manifestantes estiveram em frente à Assembleia da República até cerca das 18h00, mas tiveram de sair após essa hora para dar lugar ao protesto dos professores e trabalhadores não docentes, organizado pelo Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (Stop) , que teve início às 14h00 junto ao Palácio da Justiça.

O manifesto do movimento cívico Vida Justa, que está em fase de recolha de assinaturas, adverte que “todos os dias os preços sobem, as despejos de casas aumentam e os salários são dados para menos dias do mês”.

“As pessoas estão a escolher entre aquecer as suas casas ou comer”, lê-se no documento, no qual os subscritores exigem um programa de crise que “defenda quem trabalha”, que sejam regulados os preços da energia e dos produtos alimentares essenciais, juros dos empréstimos bancários congelados, despejos proibidos, além de reajustes salariais acima da inflação e medidas de apoio ao comércio e pequenos negócios.

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *