• Sex. Jul 12th, 2024

A Europa ficou atrás dos EUA e da China. Ele pode alcançar?

Byadmin

Jun 5, 2024

A quota da Europa na economia global é encolhendoe aumentam os receios de que o continente já não consiga acompanhar os Estados Unidos e a China.

“Somos demasiado pequenos”, disse Enrico Letta, antigo primeiro-ministro italiano que recentemente proferiu um discurso relatório sobre o futuro do mercado único para a União Europeia.

“Não somos muito ambiciosos”, disse Nicolai Tangen, chefe do fundo soberano da Noruega, o maior do mundo, Os tempos financeiros. “Os americanos simplesmente trabalham mais.”

“As empresas europeias precisam de recuperar a autoconfiança”, Associação Europeia de Câmaras de Comércio declarado.

O lista de razões para o que foi chamado de “crise de competitividade” continua: A União Europeia tem demasiadas regulamentações e a sua liderança em Bruxelas tem muito pouco poder. Os mercados financeiros estão demasiado fragmentados; os investimentos públicos e privados são demasiado baixos; as empresas são demasiado pequenas para competir à escala global.

“Nossa organização, tomada de decisão e financiamento são projetados para ‘o mundo de ontem’ – pré-Covid, pré-Ucrânia, pré-conflagração no Oriente Médio, pré-retorno da rivalidade entre grandes potências”, disse Mário Draghium antigo presidente do Banco Central Europeu que dirige um estudo sobre a competitividade da Europa.

A energia barata da Rússia, as exportações baratas da China e a dependência fundamental da protecção militar por parte dos Estados Unidos já não podem ser tidas como garantidas.

Ao mesmo tempo, Pequim e Washington estão a canalizar centenas de milhares de milhões de dólares para expandir as suas próprias indústrias de semicondutores, energia alternativa e automóveis eléctricos, e derrubar o regime de comércio livre mundial.

O investimento privado também está atrasado. As grandes empresas, por exemplo, investiram 60% menos em 2022 do que as suas congéneres americanas e cresceram a dois terços do ritmo, de acordo com um relatório do Instituto Global McKinsey. Quanto ao rendimento per capita, é em média 27% inferior ao dos Estados Unidos. E o crescimento da produtividade é mais lento do que o de outras grandes economias, enquanto os preços da energia são muito mais elevados.

O relatório de Draghi só será divulgado depois de os eleitores dos 27 estados da União Europeia irem às urnas esta semana para elegerem os seus representantes parlamentares.

Mas ele já declarou que é necessária uma “mudança radical”. Na sua opinião, isso significa um enorme aumento nas despesas conjuntas, uma revisão do financiamento e das regulamentações desordenadas da Europa e uma consolidação das empresas mais pequenas.

Os desafios inerentes de fazer com que mais de duas dezenas de países actuem como uma unidade única agravaram-se face ao rápido avanço tecnológico, aos crescentes conflitos internacionais e ao aumento da utilização de políticas nacionais para orientar os negócios. Imagine se todos os estados da América tivessem soberania nacional e houvesse apenas um poder federal limitado para arrecadar dinheiro para financiar coisas como as forças armadas.

A Europa já tomou algumas medidas para acompanhar. No ano passado, a União Europeia aprovou uma Plano Industrial do Acordo Verde para acelerar a transição energética e, esta Primavera, propôs pela primeira vez uma política de defesa industrial. Mas estes esforços foram ofuscados pelos recursos que os Estados Unidos e a China estão a empregar.

O bloco “prevê-se que fique muito aquém das suas ambiciosas metas de transição energética para energias renováveis, capacidade de tecnologia limpa e investimentos na cadeia de abastecimento nacional”, afirmou a empresa de investigação Rystad Energy numa análise esta semana.

Na opinião de Draghi, o investimento público e privado na União Europeia precisa de aumentar em mais meio bilião de euros por ano (542 mil milhões de dólares) apenas nas transições digital e verde para acompanhar o ritmo.

Tanto o seu relatório como o de Letta foram encomendados pela Comissão Europeia, o órgão executivo da União Europeia, para ajudar a orientar os decisores políticos quando se reunirem no outono para elaborar o próximo relatório do bloco. plano estratégico de cinco anos.

Ainda existe um contingente considerável na Europa — e noutros lugares — que prefere mercados abertos e desconfia de intervenções governamentais. Mas muitos dos altos funcionários da Europa, mandarins políticos e líderes de negócios estão cada vez mais conversando sobre a necessidade de uma acção colectiva mais agressiva.

Sem reunir o financiamento público e criar um mercado único de capitaisargumentam, a Europa não será capaz de fazer o tipo de investimentos em defesa, energia, supercomputação e muito mais que são necessários para competir eficazmente.

E sem consolidar as empresas mais pequenas, não poderá igualar as economias de escala disponíveis para as gigantescas empresas estrangeiras que estão melhor posicionadas para absorver quota de mercado e lucros.

A Europa, por exemplo, tem pelo menos 34 grandes redes móveis, disse Draghi, enquanto a China tem quatro e os Estados Unidos três.

Letta disse que experimentou em primeira mão as deficiências competitivas peculiares da Europa quando passou seis meses visitando 65 cidades europeias para pesquisar o seu relatório. Era impossível viajar “de comboio de alta velocidade entre capitais europeias”, disse ele. “Esta é uma contradição profunda, emblemática dos problemas do Mercado Único.”

As soluções propostas, porém, podem ir contra a tendência política. Muitos líderes e eleitores em todo o continente estão profundamente preocupados com o emprego, os padrões de vida e o poder de compra.

Mas têm receio de dar a Bruxelas mais controlo e poder financeiro. E muitas vezes relutam em assistir à fusão de marcas nacionais com rivais ou ao desaparecimento de práticas comerciais e regras administrativas familiares. Criar um novo pântano de burocracia é outra preocupação.

Agricultores furiosos em França e na Bélgica bloquearam estradas e despejaram camiões de estrume este ano para protestar contra a proliferação de regulamentos ambientais da UE que regem a utilização de pesticidas e fertilizantes, calendários de plantação, zoneamento e muito mais.

Culpar Bruxelas é também uma táctica conveniente para os partidos políticos de extrema-direita que procuram explorar as ansiedades económicas. O partido anti-imigrante Reunião Nacional em França chamou a União Europeia de “inimiga do povo”.

No momento, pesquisas estão a mostrar que se espera que os partidos de direita conquistem mais assentos no Parlamento Europeu, deixando o corpo legislativo ainda mais fraturado.

A nível nacional, os líderes governamentais podem proteger as suas prerrogativas. Durante a última década, a União Europeia tentou criar um mercado de capitais único para facilitar o investimento além-fronteiras.

Mas muitas nações mais pequenas, incluindo a Irlanda, a Roménia e a Suécia, opuseram-se a ceder o poder a Bruxelas ou a alterar as suas leis, preocupadas em colocar as suas indústrias financeiras nacionais em desvantagem.

As organizações da sociedade civil também estão preocupadas com a concentração de poder. No mês passado, 13 grupos na Europa escreveram um carta aberta alertando que uma maior consolidação do mercado prejudicaria os consumidores, os trabalhadores e as pequenas empresas e daria demasiada influência às empresas gigantes, provocando a subida dos preços. E temem que outras prioridades económicas, sociais e ambientais sejam postas de lado.

Há mais de uma década que a Europa tem estado ficando para trás em diversas medidas de competitividade, incluindo investimentos de capital, investigação e desenvolvimento e crescimento da produtividade. Mas é líder mundial na redução de emissões, na limitação da desigualdade de rendimentos e na expansão da mobilidade social, de acordo com McKinsey.

E algumas das disparidades económicas com os Estados Unidos são resultado de uma escolha. Metade da diferença no produto interno bruto per capita entre a Europa e os Estados Unidos resulta da opção dos europeus por trabalhar menos horas, em média, ao longo da vida.

Tais escolhas podem ser um luxo que os europeus já não terão se quiserem manter os seus padrões de vida, alertam outros. As políticas que regem a energia, os mercados e o setor bancário são muito díspares, disse Simone Tagliapietrapesquisador sênior da Bruegel, uma organização de pesquisa em Bruxelas.

“Se continuarmos a ter 27 mercados que não estão bem integrados”, disse ele, “não poderemos competir com os chineses ou com os americanos”.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *