• Sex. Jul 12th, 2024

Absorção de aditivos de desgaste de pneus por vegetais cultivados para consumo humano

Byadmin

Jun 5, 2024
Substâncias químicas de pneus de automóveis chegam à agricultura através da atmosfera

As substâncias químicas dos pneus dos automóveis chegam à agricultura através da deposição atmosférica, da irrigação com águas residuais tratadas e da utilização de lamas de esgoto como fertilizante. Lá eles são absorvidos pelas plantas e podem entrar na cadeia alimentar. C: Pexels/Kai Pilger

A irrigação com águas residuais tratadas e lodo de esgoto traz aditivos de pneus para os vegetais folhosos

Os pneus dos carros contêm centenas de aditivos químicos que podem vazar deles. É assim que acabam nas culturas e posteriormente na cadeia alimentar. Pesquisadores do Centro de Microbiologia e Ciência de Sistemas Ambientais da Universidade de Viena e da Universidade Hebraica de Jerusalém detectaram pela primeira vez esses resíduos químicos em vegetais folhosos. Embora as concentrações fossem baixas, as evidências eram claras, uma descoberta que também é conhecida para resíduos de medicamentos em alimentos vegetais. O estudo foi publicado na revista de renome internacional Frontiers in Environmental Science.

A presença de resíduos de medicamentos em frutas e vegetais vendidos comercialmente já foi investigada cientificamente diversas vezes. No entanto, as substâncias químicas provenientes do desgaste dos pneus, os chamados aditivos, também entram na cadeia alimentar. Isto foi agora demonstrado num novo estudo realizado por uma equipa de investigação internacional liderada por Thilo Hofmann no Centro de Microbiologia e Ciência de Sistemas Ambientais da Universidade de Viena (CeMESS) em colaboração com uma equipa da Universidade Hebraica de Jerusalém liderada por Benny Chefetz. Legumes da Suíça e de Israel foram examinados. Algumas destas substâncias e os seus produtos de transformação podem potencialmente representar riscos ecológicos e toxicológicos.

Os pneus dos automóveis consistem numa mistura complexa de materiais que melhoram o seu desempenho e durabilidade. Estes incluem 5-15% de aditivos químicos, que compreendem centenas de substâncias, por exemplo antioxidantes, antiozonantes, agentes vulcanizantes, agentes antienvelhecimento e muito mais, para permitir o desempenho de alta tecnologia de um pneu moderno. “A toxicidade das partículas de desgaste dos pneus e da estrada está relacionada com os seus aditivos orgânicos e produtos de transformação associados”, explica Anya Sherman, doutoranda no CeMESS e primeira autora do estudo recentemente publicado.

Os compostos extraídos dos pneus dos automóveis chegam à agricultura através da deposição atmosférica, da irrigação com águas residuais tratadas e do uso de lodo de esgoto como fertilizante. “Lá eles podem ser absorvidos pelas plantas e assim chegar também aos humanos”, acrescenta Thilo Hofmann, chefe do grupo de pesquisa.

Resíduos de desgaste de pneus em hortaliças folhosas do supermercado e do campo

Por fim, os pesquisadores extrapolaram os valores medidos dos vegetais para a ingestão dessas substâncias na dieta. “Calculamos a ingestão diária com base no que as pessoas na Suíça e em Israel comem”, diz Sherman. As concentrações dos aditivos para pneus em vegetais folhosos são geralmente baixas e são, por exemplo, 238 nanogramas ng/kg para benzotiazol (BTZ), ou 0,4 ng/kg para 6PPD, uma substância cujo produto de transformação 6PPD quinona é conhecido por ser altamente tóxico para espécies aquáticas como o salmão prateado. Dependendo da dieta, isto leva a uma ingestão diária por pessoa de 12 a 1.296 ng para BTZ, ou 0,06 a 2,6 ng para 6PPD. Isto é comparável em magnitude aos resíduos de medicamentos, que também entram na cadeia alimentar. De acordo com Thilo Hofmann, o estudo mostra resultados claros: “Embora as concentrações e a ingestão diária sejam felizmente relativamente baixas, os aditivos dos pneus dos automóveis ainda são encontrados nos alimentos. Segundo Hofmann, os próximos passos agora devem ser investigar os aspectos ambientais e de saúde humana.

Da rua, para a planta, para o corpo

Já em 2023, os cientistas conseguiram demonstrar que os aditivos dos pneus dos automóveis podem, em princípio, ser absorvidos pelas plantas. “No entanto, a questão era se isso só acontece em nosso estudo mecanicista de laboratório ou também em campo”, explica a primeira autora, Anya Sherman. No presente estudo, os cientistas ambientais vienenses e israelitas analisaram se as plantas de alface absorvem os produtos químicos libertados pelos pneus dos automóveis em condições naturais de cultivo. “Examinamos amostras reais de supermercados na Suíça e hortaliças de Israel”, diz Thilo Hofmann, explicando os antecedentes do estudo publicado na semana passada.

A equipe internacional de pesquisadores utilizou espectrometria de massa de alta resolução para analisar as amostras de um total de dezesseis compostos associados a pneus. Os países de origem dos vegetais folhosos nas amostras suíças do supermercado foram Itália, Espanha e Suíça. Nas amostras israelenses, foram cultivados vegetais de Israel diretamente após a colheita.

Publicação original:

“Absorção de compostos derivados de pneus em vegetais folhosos e implicações para a exposição alimentar humana”, Anya Sherman, Luzian E. Hämmerle, Evyatar Ben Mordechay, Benny Chefetz, Thorsten Hüffer, Thilo Hofmann; Fronteiras na Ciência Ambiental (2024)
DOI: 10.3389/fenvs.2024.1384506

Mais informações sobre pesquisas atuais na Universidade de Viena podem ser encontradas na revista científica Rudolphina da Universidade de Viena, na seção geral Natureza, Clima e Cosmos.

Foto:

Fig. 1: O “Setup Lab” mostra a primeira etapa do processamento da amostra. As amostras foram compradas em supermercados na Suíça e depois enviadas congeladas para os cientistas. Eles foram primeiro liofilizados (para remover a água) e depois extraídos em laboratório, antes de serem medidos com cromatografia líquida e espectrometria de massa. C: Anya Sherman / Centro de Microbiologia e Ciência de Sistemas Ambientais

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *