• Seg. Jul 22nd, 2024

Anúncio da Coca-Cola em Bangladesh provoca reação por ‘negar laços com Israel’

Byadmin

Jun 12, 2024

Daca, Bangladesh – (EN) Um anúncio de 60 segundos da Coca-Cola no Bangladesh causou uma tempestade de críticas ao gigante das bebidas pela sua tentativa de se distanciar de Israel no meio da guerra em Gaza.

Desde 7 de Outubro, quando começou o ataque de Israel à Faixa de Gaza, dezenas de empresas, incluindo a Coca-Cola, registaram um declínio nas vendas em países de maioria muçulmana, com os consumidores a pedirem um boicote às empresas que se acredita terem ligações com o governo israelita. e militar.

Relatos da mídia local dizem que as vendas da Coca-Cola diminuíram cerca de 23% em Bangladesh desde a guerra em Gaza. Nos últimos meses, a empresa intensificou sua campanha publicitária no país – desde anúncios de página inteira em jornais até colocações de destaque em sites de notícias.

Na sua mais recente tentativa de aumentar as vendas, a empresa divulgou no domingo um anúncio na televisão e nas redes sociais, com o objetivo de dissipar a “desinformação” de que a Coca-Cola é um produto israelita, argumentando que a bebida “é apreciada há 138 anos por pessoas”. em 190 países”.

O anúncio em bengali abre em um dia quente em um mercado, com um jovem se aproximando de um lojista de meia-idade enquanto este assiste em seu celular uma música do Coke Studio, uma série de música popular que a empresa de cola promove em vários países do sul da Ásia. telefone.

“Como você está, Sohail? Devo te dar um [bottle of] Coca?” pergunta o lojista, virando um ventilador de mesa para seu cliente suado. O homem responde: “Não, Bablu bhai [brother]não estou mais bebendo essas coisas.

Quando o lojista pergunta por quê, o jovem diz: “Essa coisa é ‘daquele lugar’.” Ele não menciona o “lugar” – mas logo fica claro que ele está se referindo a Israel.

O lojista, através de uma conversa com o homem e seus amigos, explica-lhes que a Coca-Cola não é “daquele lugar” e que as afirmações que a associam a “aquele lugar” são desinformação.

O lojista diz: “Escutem, gente, a Coca não é ‘daquele lugar’. Nos últimos 138 anos, pessoas em 190 países têm bebido Coca-Cola. Bebem-no na Turquia, Espanha e Dubai. Até a Palestina tem uma fábrica de Coca-Cola.”

Aliviado, Sohail pede uma garrafa de Coca-Cola.

‘Tentativa ridícula’

O comercial foi exibido pela primeira vez em Bangladesh durante a partida de críquete Índia-Paquistão que faz parte da Copa do Mundo Twenty20, atualmente em andamento nos Estados Unidos, onde a Coca-Cola também tem sede, e no Caribe.

Assim que foi transmitido, a indignação começou a aparecer online e offline, com muitos bangladeshianos a condenarem a “insensibilidade” e a imprecisão do anúncio.

“Se o festival de terror tivesse uma face literal, seria este anúncio”, disse Jumanah Parisa, estudante da Universidade Brac, na capital Dhaka, “Se este anúncio não prejudicar as vendas da Coca-Cola, não sei o que afetará”.

Hasan Habib, um empresário da área de Mirpur, em Dhaka, disse que boicotou a Coca-Cola desde o ataque devastador de Israel a Gaza. “Esta tentativa ridícula de retratar que a Coca-Cola não tem nada a ver com Israel apenas consolida a minha posição de continuar a boicotá-la”, disse ele.

Um elemento particularmente criticado no anúncio é a afirmação de que “até a Palestina tem uma fábrica de Coca-Cola”.

Na verdade, a fábrica da Coca-Cola está localizada em Atarot, na Cisjordânia ocupada, um assentamento israelense considerado ilegal sob o direito internacional.

“Esta é uma declaração totalmente insensível e falsa”, disse Nadia Tabassum Khan, pesquisadora de mercado em Dhaka. “É um insulto aos milhões de palestinos que há muito vêm perdendo terras devido à ocupação forçada de Israel”.

Na quarta-feira, uma loja de calçados online em Bangladesh publicou um anúncio em protesto, mostrando uma garrafa de Coca-Cola sendo chutada por um homem que calçava os sapatos.

[Courtesy: Facebook page of ZIS, an online shoe shop in Bangladesh]

Abdul Al Nayan, gerente de marketing da ZIS, disse à Al Jazeera que eles fizeram o anúncio para expressar solidariedade ao movimento de boicote à Coca-Cola.

“Como profissional de marketing, aproveitei a oportunidade para formular o anúncio do nosso produto com base em um assunto popular e mais discutido”, disse ele. “Além disso, como muçulmano, condeno veementemente a Coca-Cola e a sua representação falhada de que não têm qualquer ligação com Israel.”

Omar Nasif Abdullah, professor de marketing na Universidade Norte-Sul de Bangladesh, disse à Al Jazeera que o anúncio da Coca-Cola mostra que a empresa “não conseguiu ler o pulso das pessoas”.

“A nova campanha de relações públicas está repleta de mensagens e abordagens erradas”, disse ele. “E no mundo cruel do marketing, esse é um erro imperdoável.”

À medida que a reação aumentava, a Coca-Cola removeu na terça-feira o comercial de suas páginas no YouTube e no Facebook por cerca de cinco horas, sem qualquer explicação. À noite, o anúncio foi colocado de volta silenciosamente, mas a seção de comentários em ambas as plataformas foi desativada devido ao fluxo de mensagens iradas.

Na TV, porém, os comerciais continuam.

A Al Jazeera contactou vários responsáveis ​​da Coca-Cola no Bangladesh para obter comentários sobre a indignação provocada pelo seu anúncio, mas não obteve qualquer resposta.

Pressão económica

A controvérsia em torno da empresa faz parte de uma reação mais ampla que tem enfrentado globalmente devido à guerra em Gaza.

“A Coca-Cola, vista como uma marca americana por excelência, está sendo alvo da crença de que a pressão econômica forçará Washington – o maior aliado de Tel Aviv – a intervir na questão palestina”, disse Zahed Ur Rahman, analista político baseado em Dhaka, à Al Jazeera. .

Rahman disse que existe uma noção generalizada entre as pessoas comuns em Bangladesh de que a Coca-Cola “financia diretamente algumas das entidades israelenses”.

Em Fevereiro deste ano, a Coca-Cola vendeu as suas operações de engarrafamento no Bangladesh a uma associada turca, a Coca-Cola Icecek. A empresa sediada nos EUA negou que a medida tenha algo a ver com a queda nas vendas.

Mas Rahman sente que o envolvimento de “uma empresa de outra nação muçulmana e os subsequentes esforços de relações públicas” poderia ser uma tentativa da Coca-Cola de recuperar a sua posição de mercado no Bangladesh.

Entretanto, o Bangladesh registou um aumento nas vendas de Mojo, uma marca de cola local anteriormente obscura que, nas últimas duas décadas, não teve uma quota de mercado significativa, mas que agora é vista por muitos como a sua alternativa à Coca-Cola.

O popular ator Saraf Ahmed Jibon, que interpreta o lojista no anúncio, escreveu em sua página no Facebook que a Coca-Cola o contratou para dirigir e atuar no comercial.

“Simplesmente apresentei as informações e dados fornecidos pela agência deles. Este projeto foi apenas uma parte do meu trabalho profissional… Não apoiei Israel de forma alguma e nunca o farei. Meu coração está sempre do lado da justiça e da humanidade”, postou o ator de 41 anos.

Mas muitos no Bangladesh não ficaram convencidos.

Faiz Ahmad Taiyeb, um proeminente autor e colunista, criticou a justificativa do ator, comentando abaixo da postagem de Jibon no Facebook que “os atores devem verificar a exatidão factual de um roteiro antes de participar de um anúncio”.

“Então você está justificando a venda de sua humanidade por dinheiro?” escreveu outro usuário do Facebook.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *