• Qui. Jul 18th, 2024

Ele não tinha ideia de que era húngaro. Agora ele está jogando pela Hungria.

Byadmin

Jun 12, 2024

Sentando-se para uma entrevista de rotina pré-jogo com a equipe interna de mídia de Barnsley, alguns anos atrás, Callum Styles decidiu que havia algo que ele iria colocar na conversa.

Era, no léxico do repórter de futebol, um apelo do tipo venha e me pegue.

Mas este, em outubro de 2020, foi diferente. Em vez de piscar os olhos para os pretendentes no mercado de transferências, Styles, um jovem meio-campista inglês promissor, queria deixar claro que era elegível para jogar futebol internacional pela Hungria ou pela Ucrânia – “apenas divulgando”, lembra ele. O Atlético“e esperando que algo aconteça”.

Durante semanas, nada aconteceu. “E então… você sabe como tudo se espalha hoje em dia pelas redes sociais?” ele diz. “Foi basicamente assim que aconteceu. Pegou fogo.”

A história foi divulgada por um site de esportes em Budapeste. A Federação Húngara entrou em contato com Barnsley e foi colocada em contato com o agente de Styles, que verificou a história e deu mais detalhes sobre a ascendência do jogador. A Hungria começou a monitorizá-lo – inicialmente remotamente, devido às restrições de viagem da Covid-19 – e depois, devidamente impressionada, começou a explorar mais.

Styles imaginou que o primeiro passo seria uma convocação para os sub-21 da Hungria. Mas assim que os vários obstáculos administrativos foram resolvidos, ele foi convocado diretamente para a seleção principal, fazendo sua estreia internacional contra a Sérvia, em Budapeste, em março de 2022. Três meses depois, ele fez parte de uma seleção húngara que derrotou a Inglaterra por 4 a 0 nas Nações. League – “um momento único em que você meio que tem que se beliscar depois e ficar tipo, ‘Uau, isso realmente aconteceu?’.”


Callum Styles disputa com Conor Gallagher durante a vitória da Hungria em Molineux (Shaun Botterill/Getty Images)

Agora com 24 anos, tendo passado a última temporada emprestado ao Sunderland, ele soma 22 internacionalizações pela Hungria. Tudo, disse ele, funcionou muito bem. Ele está firmemente na disputa para iniciar o jogo de estreia contra a Suíça, em Colônia, no sábado, depois de superar uma lesão no último amistoso contra Israel no sábado passado (vitória por 3 a 0).

Ele adora jogar pela Hungria. Ele não pode esperar pelos euros. Mas ele não vai fingir que cresceu comendo goulash e ouvindo histórias de Ferenc Puskas enquanto as rapsódias de Franz Liszt tocavam ao fundo.

Pelo contrário, cresceu sem saber de quaisquer ligações ao país que hoje se orgulha de representar.

vá mais fundo

VÁ MAIS FUNDO

The Radar – Os 50 jogadores do Athletic para observar no Euro 2024


Crescendo em Middleton, Grande Manchester, Styles sabia que os pais de sua mãe, Jan e Magdolna, eram originalmente de algum lugar da Europa Oriental. Mas ele não sabia onde.

“Quando criança, eu realmente não olhava para nada disso”, diz ele. “Eu estava apenas brincando e curtindo a vida. Você está brincando com seus brinquedos ou saindo com seus amigos. Nenhuma dessas conversas realmente aconteceu até mais tarde.

“Eu sempre ia à casa da minha avó porque ela morava perto da casa da minha mãe e do meu pai. Eu ia duas vezes por semana e ela sempre cozinhava uma canja de frango com macarrão. Mas ela faleceu quando eu estava no final da escola primária.”

Ele foi um jogador de futebol profissional no final da adolescência, deixando uma forte impressão no time principal do Barnsley, quando começou a descobrir mais sobre como Jan e Magdolna se mudaram da Ucrânia e da Hungria para o Reino Unido, respectivamente, “com vinte e poucos anos”. Os detalhes do passado de Jan na Ucrânia eram vagos – “não conseguimos encontrar o seu antigo passaporte” – mas sabia-se mais sobre Magdolna.

Styles e sua namorada queriam visitar a Hungria durante as férias internacionais em março de 2020. Mas esse plano foi prejudicado pela pandemia. Quando finalmente chegou a Budapeste, dois anos depois, na sua primeira vez em solo húngaro, foi para se juntar à seleção nacional.

No início foi assustador, principalmente porque ele não falava uma palavra de húngaro (algo que ele começou a corrigir no Duolingo). Mas seus novos companheiros o acolheram desde o início. Eles não esperavam que ele conhecesse o hino nacional – ele agora pode cantá-lo – mas ficaram impressionados quando, durante uma cerimônia de iniciação, ele cantou Candy Shop de 50 Cent.

Ele não foi o único jogador da equipe que se classificou com dupla nacionalidade; O extremo do Hertha Berlin, Palko Dardai, nasceu na Alemanha, filho do antigo internacional húngaro Pal Dardai, que jogou e treinou o Hertha); O defesa do RB Leipzig, Willi Orban, nasceu na Alemanha, mas tinha pai húngaro; O lateral-direito do Le Havre, Loic Nego, jogou pela França, sua terra natal, de sub-16 a sub-20, mas tornou-se cidadão húngaro depois de mais de cinco anos jogando lá; e o lateral do Bournemouth, Milos Kerkez, nasceu na Sérvia, mas, como Styles, tinha uma avó húngara.

“E nosso empresário (Marco Rossi) é italiano”, diz Styles. “Ele explicou-me o acolhimento que recebeu, apesar de não ser húngaro nem ter raízes húngaras. E muitas reuniões são em inglês, o que me ajudou muito. Os rapazes conversam comigo e são muito receptivos.

“Mas ir ao país pela primeira vez foi uma experiência linda. Fazer minha estreia tornou tudo ainda melhor. A adaptação foi muito mais fácil do que pensei que seria. Me senti em casa imediatamente.”

vá mais fundo

VÁ MAIS FUNDO

Guia da equipe Hungria Euro 2024: bases sólidas e causa mágica de esperança de Szoboszlai


Durante grande parte do passado recente, um jogador que descobrisse que era elegível para jogar pela Hungria ainda teria poucas ou nenhumas hipóteses de competir num grande torneio.

Um dos gigantes do futebol mundial no período dos “magiares mágicos” das décadas de 1950 e 1960, a participação da Hungria no Campeonato do Mundo de 1986 foi a última num grande torneio em três décadas.

Mas este será o terceiro Campeonato Europeu consecutivo. A qualificação foi facilitada pela expansão da competição para 24 equipas, mas a melhoria de desempenho da Hungria é inegável. Eles venceram o grupo de qualificação sem perder um jogo. No total, estiveram 14 jogos sem perder, até serem derrotados por 2-1 pela República da Irlanda no penúltimo jogo de preparação.

Quando a UEFA lançou a sua competição da Liga das Nações em 2018, a Hungria estava na terceira divisão com, entre outros, a Estónia e a Lituânia. Na campanha mais recente, terminou em segundo lugar num grupo da primeira divisão, vencendo fora a Alemanha (1-0) e derrotando a Inglaterra em casa (1-0) e fora (4-0). A qualificação para a Euro foi garantida com um empate nos acréscimos na Bulgária. Eles voaram de volta para Budapeste, foram para o centro da cidade e festejaram a noite toda – tanto jogadores quanto torcedores. “Louco”, lembrou Styles.

“Estamos indo muito bem como equipe, melhorando jogo após jogo, ano após ano”, diz ele. “Quando vencemos a Inglaterra, foi um pouco como ‘Uau’. O técnico (Rossi) mudou muito. Houve muita evolução desde que ele começou. Sinto que somos uma boa equipe.”

A estrela do time é o meio-campista do Liverpool, Dominik Szoboszlai. “Ele é um jogador de classe mundial, um líder”, diz Styles. “No acampamento, ele está com bastante frio. Mas em campo ele traz aquela porcentagem extra, aquele fator X que você às vezes precisa quando o jogo está um pouco parado e você precisa de alguém para criar um pouco de mágica e forçar uma vitória por 1 a 0 ou algo assim.

“Mas somos uma equipe. Não vamos nos deixar levar, mas devemos estar tranquilos e confiantes porque mostramos que podemos enfrentar times de ponta. Obviamente, com a pressão do Euro, esses jogos podem oscilar para qualquer lado, mas temos uma equipa muito boa. Esperamos que possamos progredir.”

vá mais fundo

VÁ MAIS FUNDO

Guia do Grupo A do Euro 2024: o estreito número 10 da Alemanha, a decidida Hungria e os lances de bola parada da Escócia


Styles estará na vitrine da Alemanha, buscando aproveitar um período de empréstimo positivo no Sunderland, garantindo uma transferência permanente do Barnsley – que perdeu para o Bolton Wanderers nas semifinais do play-off da League One – neste verão.

Ele gostou de sua passagem pelo Sunderland, mas não tem certeza de seus planos, pois ainda não nomeou um novo técnico. Se não for o Sunderland, ele espera voltar ao campeonato com outro clube.


Callum Styles passou a última temporada no Sunderland, mas seu futuro a longo prazo é incerto (George Wood/Getty Images)

Mas as aspirações do clube estão suspensas. “Meu foco é no futebol internacional: na Euro e em fazer o meu melhor pela Hungria”, diz ele. “O resto cuidará de si mesmo.”

Seus pais, sua namorada e vários amigos também viajarão para a Alemanha. Estão todos aprendendo o hino nacional? “Eles já sabem disso”, diz ele. “Estamos cantando.”

Uma de suas tias, que mora na Hungria, assistiu a alguns jogos em casa, mas ele não tem certeza se ela conseguirá chegar à Alemanha. Ele espera que sim. De qualquer forma, Styles está ansioso pela experiência – tanto em um nível pessoal mais profundo quanto profissionalmente.

Uma bandeira de conveniência? Inicialmente talvez, mas ele abraçou a sua segunda nacionalidade. Quando veste a camisa da Hungria, pensa na avó e pergunta-se o que ela teria pensado se ele vestisse as cores do seu país.

“É especial para o lado materno da família me ver representando nossa linhagem”, diz ele. “É uma honra jogar pela Hungria. Está no meu DNA.”

vá mais fundo

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *