• Sáb. Jul 13th, 2024

Opinião: A Índia se tornará um aliado formal dos EUA sob o Modi 3.0?

Notícias mais recentes e de última hora na NDTV

Manter o Dr. S. Jaishankar como ministro das Relações Exteriores sinaliza claramente a continuidade dos objetivos da política externa da Índia sob o Modi 3.0. Mas poderia O primeiro-ministro Narendra Modi sucesso no arena de política externa perecer no altar da política de coligação?

A sabedoria colectiva sugere que, apesar de um mandato reduzido, é pouco provável que a prossecução da política externa da Índia sob o Modi 3.0 seja afectada. Há unanimidade entre políticos e especialistas de que o mantra do governo Modi de “consenso estratégico” e de busca do multilateralismo continuará a impulsionar a Índia no sentido de se tornar uma força global, bem como a terceira maior economia do mundo (depois dos EUA e da China) até 2027.

Assistir | O que acrescentará peso à política externa da Índia?

O consenso geral parece ser que a política externa de Modi já catapultou a Índia para a cena global. Até agora, as suas acções reflectiram uma abordagem diferenciada para manter uma política externa independente que seja do interesse nacional da Índia. A Índia pode ainda não ser uma grande potência, mas é uma grande potência emergente, como sugeriu recentemente o cientista político americano John Mearsheimer. No terceiro mandato de Modi, a Índia esforçar-se-á certamente por ir além do estatuto de grande potência emergente.

Se for pouco provável que a nova realidade de um governo de coligação prejudique os objectivos de política externa de Modi, será que a partir de agora será um caminho tranquilo para ele?

Os desafios para continuar

Durante o último mandato de Modi, a Índia enfrentou todos os tipos de pressão para se tornar um aliado formal dos EUA. Mas ele se esquivou louvavelmente Ofensiva de charme do presidente Joe Biden. Biden estendeu a Modi uma visita de Estado, acompanhada de boas-vindas de herói na Casa Branca. Foi um dos melhores momentos da longa carreira política de Modi, mas em vez de o tratar como um triunfo pessoal (lembra-se que lhe foi negada a entrada pelos EUA durante anos após a violência em Gujarat em 2002?), ele viu-o como um reconhecimento por um ascensão da Índia.

A parceria Modi-Jaishankar manteve-se firme em evitar alianças estritas com qualquer grande potência. Em vez disso, a dupla tentou equilibrar as relações entre potências globais concorrentes, o que pode ser observado nas interacções da Índia com os EUA, a Rússia e a China, bem como no seu acto de equilíbrio entre Israel e os países do Médio Oriente.

Nos próximos anos, os desafios tornar-se-ão ainda maiores para o governo Modi, porque se espera que a ascensão da China e o ressurgimento da Rússia continuem a minar a ordem global liberal dominada pelos EUA. A guerra na Ucrânia tem-se arrastado sem fim à vista, e é por isso que os EUA estão desesperados para trazer potências como a Índia para a sua órbita de influência. Se a Índia se tornasse um aliado formal dos EUA, seria um grande estímulo para o presidente Biden.

Por outro lado, é óbvio que Presidente Putin não gostaria de perder um velho e confiável amigo na Índia, que depende fortemente dele para as suas necessidades de defesa e energia.

A Índia se tornará um aliado formal dos EUA sob o Modi 3.0?

Muitos académicos, decisores políticos e analistas nos EUA continuam a argumentar veementemente que tornar-se um aliado formal dos EUA é mais benéfico para a Índia e que a ajudará a atingir o seu objectivo de se tornar uma grande potência global. Muitos na Índia também acreditam que é do interesse nacional do país dar as mãos ao país mais poderoso do planeta. Então, se é de facto do interesse nacional da Índia, porque não? Afinal, a Índia e os EUA já fazem parte do grupo Quad, juntamente com o Japão e a Austrália.

Não há dúvida de que o argumento a favor de uma aliança Índia-EUA é muito poderoso e repleto de benefícios. A Índia enfrenta as crescentes ambições económicas e militares da China. Então, poderá Modi sentir-se compelido a celebrar um acordo abrangente com os EUA e obter uma cooperação económica mais gratificante e uma protecção de segurança abrangente contra qualquer futura agressão chinesa? Tendo em conta os recentes incidentes de escaramuças fronteiriças e o facto de a China ser um vizinho imediato, Índia enfrenta uma ameaça maior à segurança da China do que qualquer outro dos seus vizinhos. Portanto, aparentemente, faz sentido ficar sob a cobertura de segurança dos EUA.

Os defensores de tal argumento dizem que a Índia precisa de investimentos, tecnologia e chips semicondutores para as suas indústrias. Também precisa de armas avançadas para os seus militares. Eles acreditam que os EUA também podem ajudar a Índia a tornar-se membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. Acima de tudo, dizem que ambos os países partilham valores democráticos. Dizem que se a Índia se tornasse aliada dos EUA, ganharia muito mais com a aliança do que os EUA.

Muitos também argumentam que a aliança poderia estar nos moldes da OTAN. A relação de segurança entre os EUA e a União Europeia está ancorada na NATO, criada em 1949 para proteger a Europa contra a União Soviética Comunista. Esta aliança militar não só garante a defesa da Europa, mas também promove uma estreita relação política entre os EUA e os Estados-Membros da UE.

Em troca, os países da UE apoiam as posições dos EUA nos assuntos globais. É por isso que a UE apoiou a invasão americana do Iraque e apoiou Israel sem questionar grande parte da sua acção em Gaza. Com efeito, muitos países membros da UE têm de exercer com cautela a sua política externa independente, especialmente sobre uma questão em que os EUA têm um interesse estratégico. Eles têm que seguir a linha americana.

Aqueles que não são a favor de que a Índia se torne aliada dos EUA dizem que se a Índia seguir esse caminho, terá de sacrificar a sua autonomia de política externa, e isso não é negociável para a dupla Modi-Jaishankar. Por exemplo, se a Índia tivesse sido aliada dos EUA em 2003, teria de fazer uma escolha difícil entre apoiar a invasão do Iraque pelos EUA e manter-se firme na solidariedade com um velho amigo árabe. As Filipinas e a Tailândia são aliadas dos EUA no Leste Asiático. Mas será que isso os ajudou a acalmar as suas preocupações com a China? A Coreia do Sul é um aliado americano, mas os seus cidadãos passam noites sem dormir sempre que as tensões com a Coreia do Norte aumentam.

Enraizado na realidade

Em última análise, a Índia colabora plenamente com os EUA quando se trata de gerir a rápida ascensão da China como potência global. Mas aqui, mais uma vez, a política da Índia em relação à China baseia-se principalmente na sua própria realidade. O conflito no Vale de Galwan prejudicou gravemente as relações entre a Índia e a China, embora o comércio bilateral continue a crescer.

Mais uma vez, a Rússia tem sido amiga da Índia em todas as condições e muitas vezes não parece querer nada em troca do seu profundo compromisso com a Índia. Os EUA e outras potências ocidentais estão cautelosos com os laços estreitos da Índia com a Rússia. Eles pediram repetidamente à Índia que condenasse a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Falando sobre a política de Modi para o Golfo, os seus compromissos com os países do Golfo e com a Ásia Ocidental têm sido um grande sucesso. Na questão Israel-Gaza, espera-se que a autonomia estratégica da Índia continue. Os laços da Índia com Israel tornaram-se mais fortes sob Modi, com uma maior cooperação em defesa, tecnologia e agricultura. Eles se tornarão ainda mais fortes num futuro próximo. Simultaneamente, a Índia manteve fortes laços com os países árabes, especialmente no Golfo, que são cruciais para a segurança energética e para a grande população expatriada indiana. O Ocidente vê o equilíbrio da Índia de forma positiva, reconhecendo a importância estratégica de manter relações tanto com Israel como com o mundo árabe. Este equilíbrio é visto como uma prova da elegância diplomática da Índia.

Alguns decisores políticos acreditam que, se a Índia alberga verdadeiramente a ambição de se tornar uma potência global, não pode permanecer um espectador mudo em tempos de grandes crises globais. Por exemplo, quando os EUA, sob o presidente Trump, perderam a confiança dos palestinianos como mediador neutro, alguns argumentaram que era uma oportunidade para a Índia oferecer a sua mediação e tentar trazer os palestinianos e Israel para a mesa de negociações. Afinal de contas, a Índia goza de imensa boa vontade tanto entre os israelitas como entre os palestinianos.

Dão agora o exemplo da China, que conseguiu reunir com sucesso os inimigos jurados da Arábia Saudita e do Irão e conquistou o direito de ser um mediador sério.

É possível que vejamos uma política externa mais assertiva no terceiro mandato de Modi, em que a posição da Índia sobre grandes questões globais será melhor articulada. Mas esperar que a Índia faça a mediação entre as partes em conflito pode ainda ser um passo longe demais.

(Syed Zubair Ahmed é um jornalista indiano sênior baseado em Londres, com três décadas de experiência com a mídia ocidental)

Isenção de responsabilidade: estas são as opiniões pessoais do autor

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *