• Seg. Jul 15th, 2024

A ciência da procrastinação

Byadmin

Jun 13, 2024
Pesquisadores desenvolvem uma compreensão matemática dos mecanismos da procrastina

Os pesquisadores desenvolvem uma compreensão matemática dos mecanismos de procrastinação.

A procrastinação, o adiamento deliberado mas prejudicial de tarefas, tem muitas formas. Sahiti Chebolu, do Instituto Max Planck de Cibernética Biológica, usa uma estrutura matemática precisa para compreender seus diferentes padrões e suas razões subjacentes. Seus insights podem ajudar a adaptar estratégias individuais para resolver o problema.

-Por que não fiz isso quando ainda tinha tempo?- – Seja para declarar impostos, cumprir prazos no trabalho ou limpar o apartamento antes de uma visita familiar, a maioria de nós já se perguntou por que tendemos a adiar certos tarefas, mesmo diante de consequências desagradáveis. Por que tomamos decisões que nos são prejudiciais – contra o nosso melhor conhecimento? Este é precisamente o enigma da procrastinação. A procrastinação, o atraso deliberado mas, em última análise, prejudicial de tarefas, não só prejudica a produtividade, como também tem sido associada a uma série de problemas de saúde mental. Portanto, certamente vale a pena perguntar por que esse fenômeno tão comentado nos domina tanto – e o que ele realmente é.

-A procrastinação é um termo genérico para diferentes comportamentos,- diz o neurocientista computacional Sahiti Chebolu, do Instituto Max Planck de Cibernética Biológica. -Se quisermos compreendê-lo, precisamos diferenciar seus vários tipos.- Um padrão comum é que falhamos em nossas próprias decisões: podemos, por exemplo, reservar uma noite para a declaração de imposto de renda, mas quando chegar a hora venha assistir a um filme. Outra coisa acontece quando não nos comprometemos com um prazo: podemos estar à espera das condições certas. Os possíveis padrões de procrastinação são inúmeros: desde começar tarde até abandonar uma tarefa a meio, Chebolu classificou-os todos e identificou possíveis explicações para cada um: avaliar mal o tempo necessário ou proteger o ego de um potencial fracasso são apenas dois deles.

O cérebro míope

Essa classificação pode realmente ajudá-lo a realizar as tarefas? Chebolu está convencido de que uma compreensão matematicamente precisa do mecanismo em jogo é o primeiro passo para o resolver. Ela enquadra a procrastinação como uma série de decisões temporais. O que acontece exactamente, por exemplo, quando agendamos a nossa declaração fiscal para sexta-feira à noite, mas depois sucumbimos às tentações de um serviço de streaming? Uma maneira de pensar na tomada de decisões é que nosso cérebro soma todas as recompensas e penalidades que esperamos obter com os comportamentos alternativos: assistir a um filme ou preencher a papelada chata. Naturalmente, ele escolhe o curso de ação que promete ser mais agradável em geral.

Mas será que a diversão de uma noite de cinema supera o desânimo diante de uma pesada penalidade por não arquivamento? Há um detalhe importante: as consequências num futuro distante são menos ponderadas pelo cérebro na sua soma de resultados positivos e negativos. Até certo ponto, isso é normal e até útil; afinal, o futuro mais distante está necessariamente repleto de incertezas. -Somente quando damos valor excessivo às experiências do presente e não o suficiente às que estão mais à frente,- explica Chebolu, -tal política de tomada de decisão torna-se rapidamente desadaptativa.-

Apenas preguiçoso?

Tanto para a teoria. Para estudar a procrastinação na vida real, Chebolu investigou grandes conjuntos de dados fornecidos pela Universidade de Nova York. Os dados mostraram um registro de alunos que foram obrigados a participar de um determinado número de horas de experimentos ao longo de um semestre. Alguns se livram da tarefa imediatamente; outros distribuíram-no uniformemente ao longo de várias semanas – e, com certeza, outros ainda o ignoraram até ser quase tarde demais. Chebolu fez simulações para reproduzir seu comportamento. Quais explicações, ela perguntou, seriam mais capazes de explicar os diferentes padrões de procrastinação?

Pode ser tentador atribuir a culpa à preferência do nosso cérebro por atividades imediatamente gratificantes. Mas há definitivamente mais em jogo: para cada padrão de como os estudantes de Nova Iorque adiaram a sua tarefa, Chebolu encontrou múltiplas explicações possíveis. -A incerteza é outro fator importante na procrastinação,- ela enfatiza. Isso pode ser a falha em prever quanto tempo precisaremos para desenterrar todos os recibos de despesas dedutíveis. Mas a incerteza também pode significar falta de confiança nas nossas próprias capacidades ou duvidar se a tarefa nos ajuda a atingir os nossos objetivos.

Chebolu está confiante de que compreender a procrastinação como uma série de decisões temporais e detectar onde e por que geralmente tomamos o caminho errado pode informar as intervenções: se você descobrir, por exemplo, que seu cérebro é um pouco tendencioso demais para a gratificação instantânea, dando a si mesmo pouca atenção. recompensas de longo prazo podem ajudar. Aqueles que tendem a subestimar o tempo necessário para seu trabalho pesado podem tentar estabelecer metas com prazo determinado. E se você estiver abandonando suas tarefas rapidamente, evite ambientes que distraiam.

Não importa em que categoria de procrastinação você se enquadra (e é quase certo que às vezes cai em algumas delas): não, você não é apenas preguiçoso. Reconhecer isso e perdoar-se por ter procrastinado no passado é um bom primeiro passo para aumentar a produtividade.

Anais da Reunião Anual da Sociedade de Ciência Cognitiva46, 2024, https://escholarship.org/uc/item/2mg517js

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *