• Dom. Jul 14th, 2024

DIANA ZAHEER EM SEU PROJETO COLABORATIVO ENFRENTANDO O CRÍTICO INTERNO

Byadmin

Jun 13, 2024
DIANA ZAHEER EM SEU PROJETO COLABORATIVO ENFRENTANDO O CRÍTICO INTERNO

Diana Zaheer é um professor espiritual altamente respeitado e especialista na área do trabalho interior. Com impressionantes 30 anos de vasta experiência, Diana dedicou sua vida a capacitar indivíduos à medida que embarcam em suas próprias jornadas de autodescoberta e crescimento pessoal. Seu último lançamento neste nobre empreendimento é uma faixa falada intitulada “Judgement City”.

“Judgment City” é um projeto colaborativo único que combina arte, música e transformação pessoal para explorar o tema do julgamento interno. O projeto apresenta uma narrativa inspirada em contos de fadas que examina a voz interior crítica. Diana Zaheer trabalhou com músico Paróquia Lincoln (ex Cage The Elephant), que compôs uma partitura reflexiva, e artista Marina Loeb, cuja animação deu vida à história. Esses elementos criam uma experiência multissensorial projetada para convidar à autoexploração e desafiar a autocrítica. Ao apresentar o julgamento de uma forma criativa e sem julgamentos, “Judgment City” visa capacitar os ouvintes a fazerem amizade com o seu crítico interior e a recuperarem o seu valor. O projeto representa uma mistura inovadora de disciplinas artísticas unidas na busca pela transformação pessoal.

No centro da abordagem de Diana Zaheer está uma combinação hábil de sabedoria espiritual antiga com percepções e entendimentos modernos. Sua missão é orientar as pessoas a viver vidas mais plenas e autênticas. O trabalho de cura de Diana baseia-se em ensinamentos e práticas de uma ampla gama de tradições e culturas, imbuindo-o de uma qualidade maternal e nutritiva distinta. Ao usar o termo “Inner Harbor®”, Diana descreve eloquentemente o espaço interior sagrado que reside dentro de cada pessoa – um espaço que ela procura ajudar seus alunos a acessar e abraçar enquanto navegam no caminho da transformação pessoal.

Tivemos a oportunidade de conversar com Diana Zaheer e nos aprofundar na inspiração e no processo por trás de “Judgment City”. Na entrevista a seguir, Diana compartilha seus insights sobre a intersecção entre criatividade e trabalho interior, bem como suas esperanças de como este projeto irá capacitar os ouvintes a desafiar padrões prejudiciais de autocrítica e recuperar seu valor inerente.

Com 30 anos de experiência como Professor Espiritual, quais são algumas das coisas que chamam a sua atenção imediatamente na maioria das pessoas? Aquelas coisas que você gostaria que mais pessoas soubessem?

Essa é uma bela pergunta. Eu amo pessoas. Nem sempre amo o que fazemos conosco e uns com os outros, mas amo verdadeiramente o potencial humano dentro de cada um de nós. Vejo esse potencial em todos, não importa quão profundamente esteja enterrado em nossa história, em nossas crenças errôneas ou em comportamentos prejudiciais.

Gostaria que mais pessoas conhecessem a sua bondade inata, e a conhecessem diretamente, não apenas como um conceito ou algo que alguém lhes disse. Quando sentimos nossa bondade inata como um encontro direto, vivenciamos nossas vidas e o momento presente de maneira diferente, com mais possibilidades. Nós suavizamos em relação a nós mesmos. Abrimos portas para o aprendizado e a mudança.

Gostaria que mais pessoas soubessem que estamos em uma jornada. Não é fácil ter uma vida humana, mas é extraordinária e cheia de potencial.

“Judgment City” parece um trabalho desafiador de montar, é menos um videoclipe e mais um filme muito breve onde cada parte teve que se encaixar perfeitamente uma na outra. Como você conseguiu isso trabalhando com Marina Loeb e Lincoln Parish?

“Judgment City” é um projeto do coração. Teve cuidados especiais desde o início. Quando Lincoln e eu gravamos as músicas para o “Meditações de venda livre” álbum em Nashville no ano passado, dedicamos mais tempo e cuidado com a faixa “Judgment City”. Todas as músicas ganharam forma como meditações espontâneas no estúdio de Lincoln, mas essa música precisava de atenção especial. Como todos nós temos uma voz interna que pode julgar, criticar e comparar, eu não queria que essa música incomodasse ninguém. Eu não queria dizer às pessoas algo que pudesse causar mais julgamento. Lincoln e eu sentamos na varanda dos fundos, olhamos para a natureza e relaxamos. Então a ideia me veio. Precisávamos de um conto de fadas para essa música. Todo mundo adora histórias. Então escrevi um conto de fadas sobre “Cidade do Julgamento”, estrelando todos nós como personagens principais da jornada.

Lincoln e Marina adicionaram sua magia a esse conto de fadas. Lincoln é um compositor, músico e produtor espetacular. Ele está presente em cada momento de criatividade no estúdio e deixa que isso guie seu processo criativo. A música que ele criou para “Judgment City” captura o clima sombrio e o desafio contínuo desta parte do nosso relacionamento com nossas mentes.

Marina é uma artista de tirar o fôlego. Adoro sua criatividade e a maneira como sua mente processa a experiência interior. Eu disse a ela que estava procurando alguém para animar algumas músicas do álbum. Ela generosamente se ofereceu para animá-los, e eu não pude acreditar na minha sorte! Sua arte convincente para “Judgment City” e a maneira como ela anima esse conto de fadas adicionaram os ingredientes finais necessários a este projeto.

É claro que esta não é a primeira vez que você trabalha com eles. Como é esse esforço colaborativo?

Colaborar com criativos é a melhor experiência de todas. Há um impulso acontecendo, que leva a criação a lugares que você nunca imaginou. Cada pessoa compartilha seus dons, algo único e pessoal. Sinto-me muito grato por trabalhar com pessoas tão talentosas e inspiradoras.

Nossa colaboração continuará ao longo deste ano à medida que lançarmos mais animações para músicas de Meditações de venda livre. O próximo, “Lullaby”, estreia neste verão. Essa animação relaxante será a peça central de uma série de meditações para dormir, que também serão lançadas neste verão.

Como você vê a interseção entre arte, música e transformação pessoal acontecendo em “Judgment City”? O que você espera que os ouvintes tirem dessa experiência multissensorial?

A combinação de arte, música e transformação pessoal dá ao projeto todo o seu poder. Cada um destes elementos é excelente por si só. Mas juntos eles criam algo emocional, intelectual e energeticamente envolvente. Existe uma alquimia.

O conceito de “julgamento” é frequentemente associado a estruturas religiosas ou espirituais. Como é que a noção de “Cidade do Julgamento” transcende as conotações religiosas tradicionais e, em vez disso, convida a uma exploração mais universal do eu?

Esta é uma experiência humana, não específica de qualquer sistema de crenças ou tradição. Todo ser humano desenvolve uma personalidade, e parte dessa personalidade inclui essa estrutura mental. Podemos chamá-lo de crítico interno ou de voz crítica. Freud chamou isso de superego. Faz parte de ter uma vida humana. Não precisamos julgar isso ou criar mais conflitos internos sobre isso. Precisamos entender isso. Precisamos aprender sobre nossas próprias mentes, para que possamos trabalhar em harmonia com elas, operando com mais espaço, mais curiosidade e compaixão.

Num mundo que muitas vezes incentiva a autocrítica severa de maneiras inesperadas e a validação externa, que papel você vê a “Cidade do Julgamento” desempenhando na capacitação dos ouvintes para desafiar padrões prejudiciais de julgamento e recuperar seu valor e dignidade inerentes?

Aprender a ver o que é verdade em cada momento é nosso aliado aqui. Esta animação nos pede para considerar o que é verdade. Isso nos abre para considerar novas perspectivas sobre o julgamento. Claro, essa é uma pergunta útil em qualquer situação de nossas vidas. Em termos de aprendizagem sobre julgamento, ficamos fortalecidos quando conhecemos a parte de nós que aparece para julgar, criticar e comparar. Podemos nos familiarizar com essa parte de nós mesmos e ver o que funciona por trás dela. Por que apareceu agora? Quero funcionar a partir dessa parte de mim ou de outra coisa? Estas são perguntas genuínas, úteis e compassivas. Desenvolvemos mais escolhas e liberdade interior. Podemos nos tornar amigos de nossas próprias mentes. Podemos sentir nossa bondade natural e indestrutível por dentro.

Como tem sido a recepção dessas meditações guiadas por palavras faladas?

A recepção tem sido muito positiva. As pessoas parecem surpresas e intrigadas. Acho que as pessoas ficam mais abertas à autorreflexão com convites criativos como esses.

Qual o primeiro passo a dar para sair da “Cidade do Julgamento”?

Observe que estamos na “Cidade do Julgamento”. Seja corajoso o suficiente para reconhecer isso, e então poderemos ficar curiosos para saber o porquê. É aí que o aprendizado pode começar.

CONECTE-SE COM DIANA ZAHEER:

REDE | YOUTUBE | INSTAGRAM | TIK TOK



Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *