• Sáb. Jul 13th, 2024

Duas semanas desde o veredicto de culpa de Trump em Nova Iorque: o que aprendemos?

Byadmin

Jun 13, 2024

Washington DC – Já se passaram duas semanas desde que Donald Trump se tornou o primeiro ex-presidente dos Estados Unidos condenado por acusações criminais. Mas as sondagens mostram que o veredicto extraordinário foi em grande parte recebido com uma retumbante monotonia.

Em 30 de maio, Trump foi considerado culpado de 34 acusações criminais de falsificação de registros comerciais, no que os promotores descreveram como uma tentativa de ocultar um pagamento secreto a uma estrela pornô.

Mas os especialistas dizem que a resposta pública ao veredicto tem sido mais uma onda do que uma onda gigantesca – e isso é um reflexo do momento político único em que os EUA se encontram.

Trump busca a reeleição em novembro e está em uma disputa acirrada contra o atual presidente Joe Biden. Mas a sua campanha foi apoiada por um forte apoio entre os republicanos, que se uniram em grande parte sob a sua liderança.

Allan Lichtman, professor de história na American University, atribuiu a reação silenciosa após o veredicto histórico de maio ao Partido Republicano – e à mídia – normalizando o que deveria ser notável.

“Nunca, nos mais de 230 anos de história americana, tivemos um ex-presidente, ou mesmo um candidato presidencial de um partido importante, acusado de um crime, muito menos condenado por crimes múltiplos”, disse Lichtman à Al Jazeera.

“Este é um evento cataclísmico sem precedentes e, pelo menos até agora, não parece ter grande impacto na opinião das pessoas sobre Donald Trump.”

‘Silencie o dinheiro’ vs ‘esquema para fraudar’

De acordo com Lichtman, a resposta moderada foi, em muitos aspectos, o culminar do esforço de anos de Trump para construir uma percepção tanto de impunidade política como de perseguição.

Trump se gabou em 2016 de que poderia atirar em alguém na Quinta Avenida de Nova Iorque e ainda assim “não perder nenhum eleitor”. Ele finalmente venceu a corrida presidencial daquele ano.

No entanto, durante anos, ele também promoveu – sem provas – a alegação de que é alvo de uma “caça às bruxas” política coordenada, destinada a mantê-lo fora do poder.

Lichtman acrescentou que a cobertura do julgamento pela mídia também contribuiu para a reação pública bege.

O julgamento, que teve lugar na cidade de Nova Iorque, baseou-se no argumento da acusação de que Trump encobriu o pagamento secreto para proteger as suas hipóteses nas eleições presidenciais de 2016.

Trump negou as acusações. Mas os promotores afirmaram que ele usou meios ilegais para ocultar informações do eleitorado americano.

O facto de os meios de comunicação social se terem referido ao julgamento como o caso do “dinheiro secreto” contribuiu para a falta de indignação, disse Lichtman. Ele acredita que o veredicto teria ressoado mais se a mídia tivesse enquadrado o caso como uma questão de “fraude perpetrada contra o povo americano”.

“Trump tocou a mídia como um violino”, explicou Lichtman. “Então, não vamos esquecer que, virtualmente, para uma pessoa, todo o Partido Republicano acreditou em suas mentiras de que ele foi condenado por um sistema fraudulento em um julgamento falso.”

Um teste decisivo para os eleitores

Essa foi uma mensagem que Trump e a sua campanha ajudaram a consolidar à medida que o veredicto de Nova Iorque se aproximava.

Em entrevista coletiva após ser considerado culpado, o ex-presidente procurou vincular diretamente sua condenação ao governo Biden, sem fornecer provas para a alegação.

“Tudo isso é feito por Biden e seu povo”, disse Trump em entrevista coletiva. “Estamos lidando com um governo corrupto. Temos um país corrupto.”

Pouco depois, ele levantou novamente o espectro da violência política caso fosse preso.

“Não tenho certeza se o público aceitaria isso”, disse Trump à Fox News. “Você sabe, em um certo ponto, há um ponto de ruptura.”

No início desta semana, a sua campanha chegou a enviar um e-mail intitulado “Haul out the Guillotine”, uma referência à Revolução Francesa.

Por sua vez, Biden – através de comunicações de campanha e da Casa Branca – retratou a convicção da prova de um sistema de justiça saudável e imparcial.

O julgamento de Nova Iorque está longe de ser o fim dos problemas jurídicos de Trump. Ele enfrenta acusações estaduais e federais separadas relacionadas aos esforços para subverter sua derrota nas eleições de 2020 para Biden, bem como uma quarta acusação na Flórida por supostamente acumular documentos confidenciais.

Mas nenhum dos outros casos deverá ser concluído antes da corrida presidencial de 5 de novembro.

Isto significa que o julgamento de Nova Iorque oferece o primeiro – e talvez o único – teste decisivo sobre como uma condenação criminal será vista pelos quase 160 milhões de eleitores registados nos EUA.

Consequências silenciadas nas pesquisas

Desde o veredicto, há evidências de que a estratégia de Trump ajudou a energizar os seus apoiantes. Sua campanha afirmou ter arrecadado US$ 141 milhões em maio, incluindo dois milhões de pequenas doações em dinheiro.

Mais de um terço dessas doações foram feitas online nas 24 horas após o veredicto, de acordo com a campanha de Trump, embora os registos oficiais de angariação de fundos para o período ainda não tenham sido divulgados.

Depois, houve uma série de sondagens que mostraram uma resposta amplamente ambivalente à perspectiva de eleger um criminoso condenado como presidente.

Uma pesquisa Reuters-Ipsos realizada imediatamente após o veredicto encontrado que apenas 10% dos republicanos registados relataram que eram menos propensos a votar em Trump após a condenação.

Entretanto, 56 por cento dos republicanos disseram que o caso não teria efeito no seu voto. Outros 35 por cento indicaram que isso os tornaria mais propensos a votar em Trump.

O impacto do veredicto foi mais pronunciado entre os eleitores independentes, um grupo demográfico cobiçado na política dos EUA.

Aproximadamente 25 por cento dos eleitores independentes inquiridos afirmaram que a condenação de Trump tornou-os menos propensos a apoiá-lo em Novembro, em comparação com 18 por cento que afirmaram ser mais propensos a votar nele.

No entanto, a maioria do grupo – 56 por cento – disse que a condenação não teria impacto na sua decisão.

Ainda assim, duas semanas após o veredicto, a maioria das principais pesquisas e meteorologistas mostram Biden e Trump lado a lado na corrida presidencial, embora várias organizações líderes – incluindo FiveThirtyEight e Morning Consult – coloquem Biden à frente com uma ligeira vantagem.

Esta semana, a CBS News e o YouGov divulgaram outra pesquisa mostrando os candidatos praticamente empatados nos estados decisivos de Arizona, Geórgia, Michigan, Nevada, Carolina do Norte, Pensilvânia e Wisconsin.

No entanto, tal como antes, a maioria dos eleitores inquiridos disse que a condenação em Nova Iorque não foi um factor na forma como votariam em Novembro.

Michael Fauntroy, diretor fundador do Race, Politics and Policy Center da George Mason University, disse à Al Jazeera que a cascata de pesquisas pós-veredicto demonstra uma coisa: “Trump foi ferido, mas não mortalmente”.

O sentimento público refletirá na votação?

Mas ainda faltam mais de quatro meses para as eleições de 5 de Novembro. Isso poderia ajudar ou prejudicar Trump.

Os especialistas observam que a capacidade de atenção do público é curta – e já outras notícias de grande repercussão desviaram o foco do veredicto de Nova Iorque.

Eles incluem a condenação do filho de Biden, Hunter Biden, sob a acusação de ter mentido em um formulário federal de verificação de antecedentes de armas de fogo. O veredicto representa a primeira vez que o filho de um presidente em exercício foi considerado culpado de acusações criminais.

A campanha de Trump procurou apresentar a condenação como prova do que chama de “família criminosa Biden”. Mas o veredicto também pode revelar-se uma faca de dois gumes, com alguns observadores a salientar que o caso pode neutralizar a afirmação de Trump de que o poder judicial está corrompido por preconceitos políticos.

Afinal, o caso Hunter Biden foi processado pelo Departamento de Justiça, que está sob a responsabilidade da Casa Branca de Biden. E o presidente descartou perdoar o filho.

Depois, há a próxima audiência de sentença de Trump, em 11 de julho. Espera-se que a severidade da pena tenha impacto na opinião dos eleitores.

Fauntroy alertou que a eventual sentença pode tornar a condenação de Trump mais rígida e mais difícil de navegar para sua campanha.

“A sentença pode muito bem acelerar a preocupação dos republicanos”, disse ele. “E se ele for preso? E se ele pegar prisão domiciliar? E se ele pegar 30 dias de prisão domiciliar? E se ele receber 1.000 horas de serviço comunitário?”

A sentença de Trump, explicou Fauntroy, “poderia ser potencialmente muito problemática para ele”.

Mesmo ligeiras flutuações nas sondagens também podem significar problemas para Trump. Qualquer queda no apoio poderá fazer a diferença numa eleição que deverá virar no fio da navalha.

“Poderia ter um impacto pequeno e imediato, mas um grande impacto final”, disse Fauntroy, “se o número de republicanos que são repelidos por isso permanecer como está agora”.

E talvez haja uma razão maior para a inquietação que paira sobre o campo de Trump, acrescentou.

Diversos pesquisas, incluindo os conduzidos pela Morning Consult e ABC News/Ipsos, concluíram que a maioria dos americanos considera que o veredicto de culpa estava correto. Fauntroy explicou que isso mostra uma vulnerabilidade persistente que poderia mais tarde ser ativada pelos oponentes de Trump.

“No momento, é um pouco negativo para Trump”, disse Fauntroy, “mas potencialmente muito ruim daqui para frente”.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *