• Sex. Jul 12th, 2024

Líderes do G7 concordam com empréstimo de US$ 50 bilhões para a Ucrânia na cúpula anual

Byadmin

Jun 13, 2024

Os países do G7 chegaram a acordo sobre um acordo de 50 mil milhões de dólares para financiar a Ucrânia através de lucros sobre activos russos congelados, disse a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni.

“Confirmo-vos que chegámos a um acordo político para fornecer apoio financeiro adicional à Ucrânia de aproximadamente 50 mil milhões de dólares até ao final do ano”, disse Meloni, que acolhe o G7 este ano, na quinta-feira.

Meloni convidou o presidente Volodymr Zelenskyy para participar de uma sessão especial de cúpula sobre a guerra na Ucrânia com o presidente dos EUA, Joe Biden, e os líderes da França, Alemanha, Canadá, Japão e Reino Unido.

Discursando na reunião no luxuoso resort Borgo Egnazia, Zelenskyy agradeceu aos líderes pelo seu apoio, que disse que iria para “tanto a defesa como a reconstrução”, embora tenha enfatizado a necessidade de mais armas.

O plano do G7 para a Ucrânia baseia-se num empréstimo plurianual que utiliza lucros de cerca de 300 mil milhões de dólares de fundos russos apreendidos.

A questão é complicada, contudo, porque se um dia os activos russos forem descongelados, então os lucros inesperados já não poderão ser usados ​​para pagar o empréstimo.

Cada país do G7 contribuirá para o pacote de empréstimos, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

“Todos os G7 estão contribuindo para este empréstimo. São os lucros inesperados dos activos imobilizados russos na Europa que irão servir-lhe”, disse von der Leyen aos jornalistas à margem da cimeira do G7 no sul de Itália.

“Os ministros das finanças estão agora a analisar os detalhes – por exemplo, o tema dos apoios que são necessários – e [will] esclareça isso o mais rápido possível.”

O Ministro das Finanças da Alemanha, Christian Lindner, saudou a “unidade” após o acordo.

“Boas notícias do G7: mais 50 mil milhões de dólares para a Ucrânia”, escreveu ele no X.

O acordo sobre o empréstimo à Ucrânia, acordado na cimeira de três dias, onde se reúnem os líderes das principais democracias do Grupo dos Sete (G7), marca “um passo muito histórico e uma decisão histórica”, disse o chanceler alemão, Olaf Scholz, na quinta-feira.

“O próximo passo será apenas criar as condições técnicas para a implementação no menor tempo possível”, disse Scholz.

Scholz acrescentou que os líderes do G7 estão a enviar uma mensagem clara ao presidente russo, Vladimir Putin, e a demonstrar a sua unidade e determinação.

“O presidente russo tem um plano muito óbvio: quer levar adiante a sua guerra até que todos os outros desistam de apoiar a Ucrânia. Este plano falhou hoje”, disse a chanceler.

“Com o plano dos estados do G7 de mobilizar 50 mil milhões de dólares, que serão financiados a partir dos lucros inesperados dos activos russos congelados, foram lançadas as bases para que a Ucrânia seja capaz de adquirir tudo o que necessita num futuro próximo, não apenas em termos de de armas, mas também para reconstrução ou infraestrutura energética.”

‘Força militar significativa’

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que os ministros das finanças iriam agora trabalhar nos detalhes do acordo.

Reportando de Moscou, Yulia Shapovalova disse que a representante do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que usar esses lucros seria “extremamente doloroso para Bruxelas”, já que a Rússia possui propriedades e fundos europeus significativos.

“Portanto, a Europa terá primeiro de pagar toda a sua loucura com a sua própria carteira”, disse Zakharova.

Anteriormente, o Ministro das Finanças, Anton Siluanov, disse que as acções contra activos russos no Ocidente receberiam uma “resposta recíproca” porque na Rússia essencialmente a mesma quantidade de fundos ocidentais foi congelada. Ele observou recentemente que a Rússia tem “receitas” provenientes desses activos.

Acordo de segurança EUA-Ucrânia

Também na quinta-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, e Zelenskyy assinaram um acordo de segurança bilateral de 10 anos que visa reforçar a defesa da Ucrânia contra a invasão da Rússia.

O acordo, assinado à margem da cimeira, pretende ser um passo rumo à eventual adesão da Ucrânia à NATO, de acordo com o texto do acordo.

“As partes reconhecem este acordo como um apoio a uma ponte para a eventual adesão da Ucrânia à aliança da NATO”, diz o texto.

Zelenskyy há muito que procura a adesão à NATO, mas os aliados não conseguiram dar esse passo. A aliança ocidental considera qualquer ataque lançado a um dos seus 32 membros como um ataque a todos, ao abrigo da cláusula do Artigo Quinto.

O presidente Joe Biden e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, posam para uma foto enquanto participam de um evento com os líderes do G7 para anunciar uma declaração conjunta de apoio à Ucrânia [Kevin Lamarque/Reuters]

No caso de um ataque armado ou ameaça de tal natureza contra a Ucrânia, os altos funcionários dos EUA e da Ucrânia reunir-se-ão no prazo de 24 horas para consultar sobre uma resposta e determinar quais as necessidades de defesa adicionais necessárias para a Ucrânia, diz o acordo.

Nos termos do acordo, os Estados Unidos reafirmam o seu apoio à defesa da soberania e integridade territorial da Ucrânia, no meio de um impulso renovado da Rússia na frente oriental da Ucrânia.

“Para garantir a segurança da Ucrânia, ambos os lados reconhecem que a Ucrânia precisa de uma força militar significativa, capacidades robustas e investimentos sustentados na sua base industrial de defesa que sejam consistentes com a Organização do Tratado do Atlântico Norte. [NATO] padrões”, diz o texto.

“Os Estados Unidos pretendem fornecer material de longo prazo, treinamento e aconselhamento, sustentação, inteligência, segurança, defesa industrial, institucional e outros apoios para desenvolver forças de segurança e defesa ucranianas que sejam capazes de defender uma Ucrânia soberana, independente e democrática e dissuadir futuras agressões”, diz.

A cimeira ocorre num momento de extraordinária turbulência global.

Para além do conflito na Ucrânia, o ataque contínuo de Israel a Gaza é intenso e as tensões económicas estão a aumentar entre a China e os países ocidentais.

Última cimeira de líderes?

Muitos países do G7 também estão em fluxo político, com os participantes da cimeira cientes de que esta poderá ser a última cimeira de Biden no G7 se ele perder para Donald Trump nas eleições de Novembro.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, deverá ser deposto nas eleições de 4 de julho, enquanto Emmanuel Macron, da França, e Scholz, da Alemanha, estão ambos sob pressão após ganhos da extrema direita nas eleições para o Parlamento da UE no fim de semana passado.

Em contraste, Meloni, da Itália, está em alta depois do seu partido de extrema-direita ter saído vencedor na votação do Parlamento Europeu do seu país.

As conversações da cimeira começaram com uma curta sessão sobre África, desenvolvimento e alterações climáticas, antes de se voltarem para o Médio Oriente.

Os líderes do G7 já anunciaram o seu apoio a um acordo de trégua em Gaza delineado por Biden, que também levaria à libertação dos prisioneiros feitos no ataque do Hamas, em 7 de outubro, ao sul de Israel.

Entretanto, Biden disse que não perdeu a esperança de conseguir um acordo sobre um cessar-fogo em Gaza, mas apelou ao grupo palestiniano Hamas para que se intensifique.

Biden, questionado se estava confiante de que haveria um acordo de cessar-fogo entre o Hamas e Israel em breve, disse: “Não”.

“Não perdi a esperança, mas vai ser difícil”, disse ele aos repórteres. “O Hamas tem que se mover.”

Mediadores dos EUA, Qatar e Egipto tentaram durante meses mediar um cessar-fogo no meio do ataque mortal de Israel a Gaza, que matou mais de 37.200 palestinianos e devastou o enclave densamente povoado.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *