• Sáb. Jul 13th, 2024

Regiões cerebrais que influenciam a resposta do cérebro ao prazer no transtorno bipolar identificadas

Byadmin

Jun 13, 2024
Empresário com smartphone ganhando no cassino online em pé sobre fundo azul

Empresário com smartphone ganhando em cassino online sobre fundo azul com roleta, fichas de pôquer, dados e cartas. Conceito de jogos de azar e apostas

Mudanças momentâneas de humor, mesmo aquelas que duram apenas alguns segundos, alteram profundamente a resposta do cérebro a experiências prazerosas em pessoas com transtorno bipolar, segundo um novo estudo realizado por pesquisadores da UCL.

Pesquisas anteriores mostram que o humor pode nos fazer vivenciar eventos de uma forma mais positiva ou negativa – independentemente de termos transtorno bipolar. Quando estamos de bom humor, somos levados a ver as coisas de maneira mais favorável – fazendo com que o bom humor se acumule e ganhe impulso.

Da mesma forma, quando estamos chateados, somos levados a perceber os maus resultados como ainda piores, fazendo com que permaneçamos chateados ou fiquemos ainda mais chateados.

Esse “impulso” de humor pode influenciar a forma como percebemos os eventos e as decisões que tomamos.

O co-autor principal, Dr. Liam Mason (UCL Psychology & Language Sciences), disse: “Imagine ir a um novo restaurante pela primeira vez. Se acontecer de você estar com um humor fantástico, é provável que perceba a experiência como sendo mesmo melhor do que realmente é.”

No entanto, o novo estudo publicado em Psiquiatria Biológica Ciência Aberta Global, descobriram que pessoas com transtorno bipolar são mais propensas a esse viés de humor. Os pesquisadores também descobriram as conexões no cérebro que impulsionam esse efeito de preconceito de humor.

Para o novo estudo, os investigadores investigaram o que acontece nos cérebros de pessoas com perturbação bipolar enquanto jogavam um jogo de roleta computadorizado, no qual experimentaram resultados bons e maus.

Os pesquisadores usaram uma técnica chamada ressonância magnética funcional (fMRI) para escanear os cérebros de 21 participantes com transtorno bipolar e 21 participantes de controle durante o jogo. Isso permitiu rastrear as respostas neurais dos participantes durante momentos de vitória e derrota. Eles mediram até que ponto esses “sinais de recompensa” no cérebro eram influenciados por microflutuações de humor em questão de segundos.

Para conseguir isso, os pesquisadores usaram um modelo computacional para quantificar o impulso do humor experimentado pelos participantes com base em resultados recentes. Eles avaliaram se, durante períodos de impulso ascendente (uma série de vitórias), o cérebro respondia melhor às vitórias subsequentes e vice-versa em períodos de impulso negativo.

A equipe observou atividade neural intensificada na ínsula anterior, uma área do cérebro ligada a estados de humor transitórios, durante períodos de impulso ascendente tanto em participantes de controle quanto em participantes com diagnóstico de transtorno bipolar.

No entanto, apenas os participantes com perturbação bipolar exibiram uma influência mais pronunciada deste impulso na sua percepção de vitórias e derrotas subsequentes, uma vez que os investigadores observaram uma activação aumentada no corpo estriado, uma região do cérebro que responde a experiências prazerosas.

É importante ressaltar que os pesquisadores também destacaram que a quantidade de comunicação entre essas duas regiões – estriado e ínsula anterior – foi reduzida em participantes com transtorno bipolar.

A co-autora principal, Dra. Hestia Moningka (UCL Psychology & Language Sciences), disse: “No grupo de controle, a ínsula e o estriado estão ambos estimulando a união, sugerindo que os participantes foram mais capazes de manter seu ‘humor em mente’ ao perceber recompensas em a tarefa.

“Enquanto isso, os participantes com transtorno bipolar mostraram o oposto; quando houve um impulso maior, eles foram menos capazes de diferenciar isso do quão emocionantes eles achavam que as recompensas eram”.

Os investigadores acreditam que estas descobertas podem ajudar a explicar porque é que as pessoas com perturbação bipolar podem ficar presas num “ciclo vicioso” onde o seu humor aumenta e, por vezes, faz com que corram riscos maiores do que o habitual.

Moningka disse: “Acreditamos que essas descobertas poderão nos ajudar um dia a ir além das intervenções existentes que visam regular o humor, muitas vezes ao custo de atenuar experiências emocionantes.

“Em vez disso, novas intervenções que ajudem as pessoas com transtorno bipolar a dissociar melhor o seu humor da sua percepção e decisões é um caminho que estamos estudando”.

  • University College Londres, Gower Street, Londres, WC1E 6BT (0) 20 7679 2000

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *