• Seg. Jul 22nd, 2024

Clearview AI usou seu rosto. Agora você pode obter uma participação na empresa.

Byadmin

Jun 14, 2024

Uma start-up de reconhecimento facial, acusada de invasão de privacidade numa ação coletiva, concordou com um acordo, com uma diferença: em vez de pagamentos em dinheiro, daria uma participação de 23% na empresa aos americanos cujos rostos estão em seu banco de dados.

A Clearview AI, com sede em Nova York, coletou bilhões de fotos da web e de sites de mídia social como Facebook, LinkedIn e Instagram para construir um aplicativo de reconhecimento facial usado por milhares de departamentos de polícia, o Departamento de Segurança Interna e o FBI. O New York Times revelou a existência da empresa em 2020, ações judiciais foram movidas em todo o país. Eles foram consolidados no tribunal federal de Chicago como uma ação coletiva.

O litígio revelou-se dispendioso para a Clearview AI, que provavelmente iria à falência antes de o caso chegar a julgamento, de acordo com documentos judiciais. A empresa e aqueles que a processaram ficaram “presos juntos em um navio que estava afundando”, escreveram os advogados dos demandantes em um processo judicial propondo o acordo.

“Essas realidades levaram as partes a buscar uma solução criativa, obtendo para a classe uma porcentagem do valor que a Clearview poderia alcançar no futuro”, acrescentaram os advogados, da Loevy + Loevy em Chicago.

Qualquer pessoa nos Estados Unidos que tenha uma foto sua publicada publicamente online – ou seja, quase todo mundo – pode ser considerada membro da classe. O acordo daria coletivamente aos membros uma participação de 23% na Clearview AI, avaliada em US$ 225 milhões, de acordo com documentos judiciais. (Vinte e três por cento do valor atual da empresa seria de cerca de US$ 52 milhões.)

Se a empresa abrir o capital ou for adquirida, aqueles que apresentaram um formulário de reclamação receberiam uma parte dos lucros. Alternativamente, a classe poderia vender a sua participação. Ou a classe poderia optar, após dois anos, por arrecadar 17% das receitas da Clearview, que seria obrigada a reservar.

Os advogados dos demandantes também seriam pagos com a eventual venda ou saque; eles disseram que não pediriam mais do que 39% do valor recebido pela turma. (Trinta e nove por cento de US$ 52 milhões seriam cerca de US$ 20 milhões.)

“A Clearview AI está satisfeita por ter chegado a um acordo neste acordo de ação coletiva”, disse o advogado da empresa, Jim Thompson, sócio da Lynch Thompson em Chicago.

O acordo ainda precisa ser aprovado pela juíza Sharon Johnson Coleman, do Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Norte de Illinois. O aviso do acordo seria publicado em anúncios online e no Facebook, Instagram, X, Tumblr, Flickr e outros sites dos quais a Clearview extraiu fotos.

Embora pareça uma solução legal incomum, tem havido situações comparáveis, disse Samuel Issacharoff, professor de direito da Universidade de Nova York. O acordo de 1998 entre as empresas tabaqueiras e os procuradores-gerais do estado exigiu que as empresas pagassem milhares de milhões de dólares ao longo de décadas para um fundo para custos de cuidados de saúde.

“Isso estava sendo pago com suas futuras fontes de receita”, disse Issacharoff. “Os estados tornaram-se proprietários beneficiários das empresas no futuro.”

Jay Edelson, um advogado de ação coletiva, é um defensor de “acordos futuros de apostas” em casos envolvendo start-ups com fundos limitados. Edelson também processou a Clearview AI, juntamente com a American Civil Liberties Union, em um processo estadual em Illinois que foi resolvido em 2022, com a Clearview concordando em não vender seu banco de dados de 40 bilhões de fotos para empresas ou indivíduos.

Edelson, porém, disse que havia um “fator desagradável” neste acordo proposto.

“Agora você tem pessoas que foram feridas pelo atropelamento de seus direitos de privacidade pela Clearview, tornando-se financeiramente interessadas em que a Clearview encontre novas maneiras de atropelá-los”, disse ele.

Evan Greer, diretor da Fight for the Future, uma organização de defesa da privacidade, também criticou.

“Se a vigilância em massa é prejudicial, a solução deveria ser impedi-los de fazer isso, e não pagar centavos às pessoas que são prejudicadas”, disse Greer.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *