• Sáb. Jul 13th, 2024

Conselho de Segurança da ONU exige fim do cerco a el-Fasher em Darfur, no Sudão

Byadmin

Jun 14, 2024

A resolução apela aos militares sudaneses e à RSF para garantirem a protecção dos civis e procurarem o fim imediato da violência.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) aprovou uma resolução que exige que as Forças Paramilitares de Apoio Rápido (RSF) do Sudão parem o cerco a el-Fasher na região do Norte de Darfur e ponham fim aos combates na área.

A resolução, aprovada numa votação de 14-0 com a abstenção da Rússia na quinta-feira, expressou “grave preocupação” com a violência crescente e relata que a RSF está a levar a cabo “violência por motivação étnica” em el-Fasher.

O conflito no Sudão eclodiu em Abril de 2023 entre as Forças Armadas Sudanesas (SAF), lideradas por Abdel Fattah al-Burhan, e as RSF, que são leais ao General Mohamed Hamdan “Hemedti” Dagalo.

A violência matou pelo menos 14 mil pessoas e deslocou mais de 10 milhões de outras, segundo estimativas da ONU.

A resolução de quinta-feira exigia que a RSF e as forças governamentais garantissem a protecção dos civis, incluindo permitir que aqueles que desejassem deixar el-Fasher o fizessem.

Centenas de milhares de pessoas estão presas em el-Fasher – o último grande centro urbano na vasta região ocidental de Darfur que não está sob controlo da RSF.

A medida do Conselho de Segurança da ONU apelava à desescalada em torno de el-Fasher e à “retirada de todos os combatentes que ameaçam a segurança dos civis”.

Apelou à RSF e aos militares “para procurarem uma cessação imediata das hostilidades, conduzindo a uma resolução sustentável do conflito, através do diálogo”.

Apelou também a todas as nações para que ponham fim às interferências que fomentam o conflito e a instabilidade, em vez dos esforços de paz.

“Estradas cruciais que saem de el-Fasher estão bloqueadas, impedindo que os civis cheguem a áreas mais seguras, ao mesmo tempo que limita a quantidade de alimentos e outra ajuda humanitária que chega à cidade”, disse Othman Belbeisi, diretor regional da Organização Internacional para as Migrações para Médio Oriente e Norte de África.

Louis Charbonneau, diretor da ONU na Human Rights Watch, saudou a resolução na quinta-feira.

“A resolução de hoje alerta as Forças Armadas e as Forças de Apoio Rápido Sudanesas de que o mundo está a observar”, escreveu Charbonneau numa publicação nas redes sociais. “Avisa sobre a fome iminente, especialmente em Darfur, e apela à responsabilização pelas violações da legislação internacional humanitária e dos direitos humanos.”

No início desta semana, o procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional (TPI), Karim Khan, apelou à obtenção de provas para uma investigação do seu gabinete sobre alegados crimes de guerra em Darfur.

“Estou extremamente preocupado com as alegações de crimes internacionais generalizados cometidos em el-Fasher e nas áreas circundantes”, disse Khan numa declaração em vídeo na terça-feira.

Acrescentou que a investigação “parece revelar um ataque organizado, sistemático e profundo à dignidade humana”.

Em 2009, o TPI emitiu mandados de detenção para o antigo presidente sudanês Omar al-Bashir sob acusações que incluíam genocídio alegadamente cometido em Darfur entre 2003-2008.

A RSF nasceu das milícias das Forças de Defesa Populares, vulgarmente conhecidas como Janjaweed, mobilizadas por al-Bashir contra tribos não-árabes em Darfur.

Os militares sudaneses retiraram al-Bashir do poder em 2019, após meses de protestos antigovernamentais.

A prometida transição para um regime civil pleno na era pós-Bashir não se concretizou, e os militares sudaneses deram um golpe de Estado contra o governo civil do Primeiro-Ministro Abdalla Hamdok em Outubro de 2021, levando à sua demissão no início de 2022.

Semanas antes do início da violência entre os militares e a RSF, no ano passado, os líderes do Sudão pareciam dispostos a assinar um acordo para devolver o país à sua transição democrática, mas o acordo foi adiado devido a divergências pendentes.



Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *