• Qua. Jul 17th, 2024

G7 usará ativos russos para empréstimo de US$ 50 bilhões à Ucrânia: como isso funcionará?

Byadmin

Jun 14, 2024

O grupo de países do G7 anunciou na quinta-feira um plano para usar ativos russos congelados para financiar um empréstimo de 50 mil milhões de dólares à Ucrânia, enquanto Kiev continua a sua campanha desesperada para impedir que as forças do seu vizinho maior avancem ainda mais, 28 meses após o início da guerra de Moscovo.

O anúncio ocorreu no momento em que os líderes do grupo, que consiste nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Itália, Canadá, Japão, França e União Europeia, se reuniram numa cimeira anual realizada em Puglia (Apúlia), Itália.

O presidente ucraniano, Volodymr Zelenskyy, que participou na cimeira, saudou a medida como “um passo vital no fornecimento de apoio sustentável à Ucrânia para vencer esta guerra”.

Mas poucas horas depois desse anúncio, a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, prometeu que haveria medidas “extremamente dolorosas” de retaliação.

Aqui está o que sabemos sobre os ativos congelados, como se espera que o empréstimo funcione e quais podem ser os riscos para Kiev e seus aliados ocidentais:

Quais são os ativos congelados?

Muitas nações ocidentais congelaram ativos do Banco Central Russo em seu território após a invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022. Esses ativos totalizam cerca de US$ 300 bilhões. Esses activos congelados geraram cerca de 3 mil milhões de dólares anualmente em ganhos através de juros, e os EUA há muito que pressionam para que este dinheiro seja usado para apoiar a Ucrânia.

A maior parte dos activos são detidos e geridos na União Europeia.

Funcionários da UE dizem que os juros gerados não são contratualmente devidos a Moscovo e, portanto, representam ganhos inesperados para os países detentores. Alguns pressionaram para que os activos russos congelados no Ocidente fossem entregues à Ucrânia – mas isso é controverso e provavelmente necessitará de autorização dos tribunais e poderá representar uma violação do direito internacional. Os activos congelados são geralmente vistos como pertencentes ao proprietário desses activos – e não ao país onde estão geograficamente localizados.

Onde estão os bens russos congelados?

Aqui está um detalhamento da maioria dos ativos russos no exterior que foram originalmente congelados em 2022, de acordo com dados dos bancos centrais dos países:

  • França (US$ 71 bilhões)
  • Japão (US$ 58 bilhões)
  • Alemanha (US$ 55 bilhões)
  • EUA (US$ 38 bilhões)
  • Reino Unido (US$ 26 bilhões)
  • Áustria (US$ 17 bilhões)
  • Canadá (US$ 16 bilhões)

Como os ativos serão usados?

Os detalhes ainda estão a ser discutidos, mas a ideia básica é esta: uma das entidades do G7 – a UE ou os EUA, por exemplo – contrairá um empréstimo de 50 mil milhões de dólares nos mercados internacionais e concederá-o antecipadamente à Ucrânia.

Então, os juros desse empréstimo serão financiados pelo lucro gerado pelos activos russos confiscados.

Espera-se que a Ucrânia utilize o dinheiro para comprar armas, mas também para reconstruir. Um relatório do Banco Mundial de Fevereiro estimou que os custos de reconstrução do país devastado pela guerra ascenderiam a 486 mil milhões de dólares durante os próximos 10 anos.

Quando irá a Ucrânia obter este empréstimo?

Espera-se que os fundos cheguem a Kiev até ao final do ano. Isto significa que poderá não ter um efeito imediato nas capacidades da Ucrânia na guerra em curso.

Mas o empréstimo sempre foi concebido como um plano de longo prazo. Alguns especialistas dizem que o presidente dos EUA, Joe Biden, pressionou por isso, ao mesmo tempo que também selou um novo plano de segurança de 10 anos para treinar os militares da Ucrânia, num momento politicamente volátil nos Estados Unidos. O ex-presidente Donald Trump, que está à frente de Biden nos principais estados decisivos para o seu novo confronto em novembro, opôs-se ao financiamento dos EUA para a Ucrânia.

No seu primeiro mandato, Trump retirou os EUA dos principais compromissos globais assumidos pelo seu antecessor, Barack Obama – incluindo o pacto de Paris sobre as alterações climáticas e o acordo nuclear com o Irão.

Existem riscos no plano de financiamento?

Sim. Se a Rússia recuperar o controlo sobre os seus activos, ou se estes forem descongelados como parte das negociações de paz, os países do G7 terão de encontrar outras formas de reembolsar o empréstimo. Se os activos russos congelados não conseguirem gerar o rendimento necessário para igualar os juros do empréstimo – devido às flutuações do mercado – os países do G7 terão novamente de encontrar formas alternativas de financiar o reembolso do empréstimo.

A chefe da Comissão Europeia, Ursala von der Leyen, disse aos repórteres que todos os países do G7 contribuiriam para o empréstimo, mas os detalhes não são claros.

As sanções aos activos russos na Europa necessitam de um voto de aprovação da União Europeia todos os anos. Em teoria, um único voto de veto, por exemplo, da Hungria – um membro da UE amplamente visto como brando com o presidente russo, Vladimir Putin – poderia sabotar os planos de empréstimo à Ucrânia. A Hungria bloqueou uma parcela da ajuda da UE à Ucrânia no início deste ano.

A Rússia também poderá reagir ao plano do G7 fazendo o mesmo – utilizando activos ocidentais na Rússia que congelou durante a guerra na Ucrânia para compensar a perda de receitas provenientes dos seus activos congelados no Ocidente.

Embora a Rússia não tenha acesso a muitos activos dos bancos centrais ocidentais, afirmou que tem activos de empresas ocidentais que operavam no país antes da guerra. A Rússia afirma que estes activos valem aproximadamente o mesmo que os 300 mil milhões de dólares em activos russos congelados no Ocidente.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *