• Sáb. Jul 13th, 2024

Líderes do G7 concordam em acordo de empréstimo para apoiar a Ucrânia com ativos russos

Líderes do G7 concordam em acordo de empréstimo para apoiar a Ucrânia com ativos russos

Borgo Egnazia, Itália:

Os líderes das principais democracias do Grupo dos Sete concordaram na quinta-feira com um acordo preliminar para fornecer US$ 50 bilhões em empréstimos à Ucrânia usando juros de ativos soberanos russos congelados depois que Moscou invadiu seu vizinho em 2022.

O acordo político foi a peça central do dia de abertura, no sul de Itália, da cimeira anual dos líderes do G7, na qual participou pelo segundo ano consecutivo o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy.

Ele assinou um novo acordo de segurança de longo prazo com o presidente dos EUA, Joe Biden, depois de assinar um acordo de segurança de 10 anos com o Japão, com Tóquio prometendo fornecer a Kiev 4,5 bilhões de dólares este ano – sublinhando o forte apoio contínuo do Ocidente.

Chamando o acordo de ativos congelados de “resultado significativo”, Biden disse aos repórteres que era “outro lembrete ao (presidente russo Vladimir) Putin de que não vamos recuar”.

O plano do G7 para a Ucrânia baseia-se num empréstimo plurianual que utiliza lucros de cerca de 300 mil milhões de dólares de fundos russos apreendidos, a maior parte dos quais estão bloqueados na União Europeia.

Os detalhes técnicos serão finalizados nas próximas semanas, prevendo-se que o novo dinheiro chegue a Kiev até ao final deste ano, graças às contribuições de todos os estados do G7 – Estados Unidos, Canadá, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Japão e Itália.

“Este é um compromisso muito claro que deve encorajar os ucranianos a fazerem o que for necessário para defender a sua independência e soberania”, disse o chanceler alemão, Olaf Scholz.

O objetivo do acordo é garantir que possa durar anos, independentemente de quem está no poder em cada estado do G7 – um aceno às preocupações de que o candidato presidencial republicano dos EUA, Donald Trump, possa ser muito menos simpático a Kiev se vencer Biden nas eleições de novembro. segundo uma pessoa próxima às negociações.

A Rússia considera as tentativas do Ocidente de obter rendimentos dos seus bens congelados como criminosas, disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Maria Zakharova, na quinta-feira, acrescentando que a resposta de Moscovo seria muito dolorosa para a União Europeia.

LUTAS EM CASA

Muitos dos líderes do G7 estão em dificuldades a nível interno, mas procuraram projectar confiança no cenário mundial à medida que enfrentam uma série de problemas, incluindo as ambições económicas da China, o crescimento da inteligência artificial e a turbulência no Médio Oriente.

Os líderes expressaram as suas preocupações sobre a situação na fronteira Israel-Líbano e endossaram os esforços dos EUA para garantir um cessar-fogo na guerra de Gaza, de acordo com um projecto de comunicado que deverá ser divulgado após a cimeira.

Além disso, apelaram a Israel para que se abstenha de uma ofensiva em grande escala na cidade de Rafah, no sul de Gaza, “em linha com as suas obrigações ao abrigo do direito internacional”.

Espera-se também que as nações ocidentais expressem tanto a preocupação unânime sobre o excesso de capacidade industrial da China, que dizem estar a distorcer os mercados globais, como a sua determinação em ajudar os estados africanos a desenvolver as suas economias, disseram diplomatas.

O G7 poderá ter uma aparência muito diferente no próximo ano.

Biden enfrenta uma difícil batalha para vencer a reeleição em novembro, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak parece certo de perder o poder nas eleições nacionais do próximo mês, enquanto o presidente francês Emmanuel Macron dissolveu o parlamento do seu país no domingo, depois do seu partido ter sido derrotado na votação europeia. .

Todos sorriram abertamente ao cumprimentarem a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, sob o sol escaldante do Mediterrâneo, na entrada do resort Borgo Egnazia, onde se realiza a cimeira.

No entanto, a demonstração de unidade foi prejudicada no final do dia, quando Macron entrou em confronto com Meloni, anti-aborto, devido à pressão da Itália para remover qualquer referência direta ao direito ao aborto no comunicado final.

Mais de uma dúzia de pessoas de fora juntar-se-ão às discussões na sexta-feira, incluindo os líderes da Índia, Brasil, Argentina, Turquia, Argélia e Quénia, enquanto o Papa Francisco deverá falar sobre os riscos e o potencial da inteligência artificial.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *