• Sáb. Jul 13th, 2024

ONU alerta que MGF transfronteiriça ‘clandestina’ prejudica proibições

Byadmin

Jun 14, 2024

O relatório destaca o chamado “corte de férias” entre famílias no Ocidente que levam meninas para países de origem para a MGF.

As Nações Unidas alertaram que a luta global contra a mutilação genital feminina (MGF) está a ser prejudicada pelas famílias que atravessam as fronteiras para que as raparigas sejam submetidas ao procedimento.

Um relatório do gabinete de direitos humanos da ONU, publicado na sexta-feira, concluiu que a MGF continua em todo o mundo, apesar das proibições, em grande parte devido à prática “clandestina” de levar raparigas para o estrangeiro, para países onde a prática é legal ou onde as leis que a criminalizam não são aplicadas. .

“A mutilação genital feminina faz parte de um continuum de violência baseada no género e não tem lugar num universo que respeita os direitos humanos”, disse o chefe dos direitos humanos da ONU, Volker Turk, num comunicado. Os estereótipos de género e as normas patriarcais que ancoram e perpetuam a prática precisavam de ser erradicados, acrescentou.

O gabinete apelou a uma acção global concertada para combater a MGF transfronteiriça e transnacional, centrando-se no chamado “corte de férias”, particularmente prevalecente entre famílias na Europa e na América do Norte, que levam as suas filhas aos seus países de origem para se submeterem ao procedimento. durante as férias escolares.

Embora a maioria dos países africanos tenha criminalizado a prática, o relatório afirma que alguns serviam como “centros transnacionais de MGF”. Em alguns casos, os cortadores atravessam as fronteiras para realizar o procedimento.

Turk apelou aos países para que abordem as causas profundas e as consequências da MGF, harmonizando os quadros jurídicos e políticos e aplicando-os.

A MGF é proibida em mais de 70 países, dos quais pelo menos 35 estão na África Subsaariana, segundo o Banco Mundial.

A Gâmbia – onde os números do governo mostram que 73 por cento das mulheres com idades entre os 15 e os 49 anos foram submetidas à mutilação genital – poderá ser o primeiro país a levantar a proibição.

Pais e responsáveis ​​em Kisii, no Quênia, participam da cerimônia de rito de passagem alternativo para meninas organizada pela Manga HEART, uma organização sem fins lucrativos que luta contra a violência de gênero e a MGF [File: Simon Maina/AFP]

A agência da ONU para a criança, UNICEF, define a MGF como “a remoção parcial ou total da genitália externa feminina ou outra lesão nos órgãos genitais femininos por razões não médicas”.

Pode levar a sérios problemas de saúde, incluindo infecções, hemorragias, infertilidade e complicações no parto, além de prejudicar o prazer sexual.

O relatório afirma que o número exacto de raparigas que foram sujeitas a mutilação genital feminina transfronteiriça ou transnacional permanece desconhecido devido à sua natureza clandestina.

Segundo a UNICEF, mais de 230 milhões de raparigas e mulheres foram sujeitas a mutilação genital, incluindo mais de 144 milhões em África e mais de 80 milhões na Ásia.

“Se a prática continuar ao ritmo actual, estima-se que 68 milhões de raparigas serão submetidas à MGF entre 2015 e 2030”, afirma o relatório.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *