• Seg. Jul 22nd, 2024

Partidos sul-africanos concordam em formar o primeiro governo de coligação

Byadmin

Jun 14, 2024

Joanesburgo — Depois de conversações que continuaram até quinta-feira à noite, a manhã de sexta-feira trouxe a notícia de que a África do Sul teria em breve o seu primeiro governo de coligação. A incerteza reinou desde que o partido do falecido Nelson Mandela, o Congresso Nacional Africano, que há muito governa, perdeu a maioria nas eleições nacionais de maio.

O ANC disse na quinta-feira que faria parceria com outros partidos políticos para formar um Governo de Unidade Nacional – semelhante ao caminho que o próprio Mandela escolheu após as eleições históricas que o levaram ao poder como o primeiro presidente democraticamente eleito do país em 1994. Mas quem iria aderir? o ANC, agora liderado pelo actual Presidente Cyril Rampaphosa, permaneceu obscuro até ao final da manhã de sexta-feira.

No final, não foi um acordo para um governo de unidade que surgiu, mas sim uma coligação entre o ANC e os seus maiores rivais, o partido Aliança Democrática, bem como vários outros partidos mais pequenos que receberam uma parcela muito menor dos votos de May. O acordo foi anunciado na manhã de sexta-feira, enquanto legisladores novos e antigos estavam sendo empossados ​​em seus cargos no parlamento.

Primeira Sessão da Assembleia Nacional do VII Parlamento
O Presidente Cyril Ramaphosa (2º R) e outros membros do ANC prestam juramento na 7ª sessão do Parlamento Sul-Africano, em 14 de junho de 2024, no Centro de Convenções da Cidade do Cabo, na Cidade do Cabo, África do Sul.

PAP/Getty


A DA concordou em apoiar a eleição de Ramaphosa para um segundo mandato como presidente, com um líder do ANC como Presidente do Parlamento e um líder da DA como Vice-Presidente. O resto dos detalhes e cargos ministeriais ainda estavam sendo finalizados.

Anteriormente, o ANC tinha anunciado que vários partidos formariam um governo de unidade nacional, incluindo a Aliança Democrática e a Frente de Liberdade Económica, o que levou alguns críticos a dizer que o ANC estava a trabalhar com “partidos brancos”. O líder da EFF, Julius Malema, cujo partido obteve 9% dos votos, tinha dito anteriormente que o seu partido não se juntaria a um governo de unidade com os antigos “partidos opressores”.

A controvérsia foi abordada na noite de quinta-feira pelo secretário-geral do ANC, Fikile Mbalula, que disse aos jornalistas: “Para nós não importa se o gato é preto ou branco… A questão é como podemos fazer o país avançar.”

Acordo com o governo da África do Sul ainda é ilusório à medida que uma votação importante se aproxima
John Steenhuisen, líder da Aliança Democrática (DA), no centro, é visto na primeira sessão do parlamento após as eleições nacionais de 2024 na África do Sul, no Centro Internacional de Convenções da Cidade do Cabo, em 14 de junho de 2024.

Dwayne Sênior/Bloomberg/Getty


A DA, o principal partido da oposição, foi favorecida pelos líderes empresariais sul-africanos e obteve o segundo maior número de votos a nível nacional, perto de 22%. A sua liderança tinha dito anteriormente que não se juntaria a nenhum governo de unidade que incluísse a EFF.

O Partido MK do ex-presidente Jacob Zuma, um crítico feroz de Ramaphosa, que surpreendeu o terceiro lugar nas eleições nacionais do mês passado, disse que não trabalharia com o ANC se o titular continuasse a ser seu líder.

Zuma tem uma longa história de aspereza com Ramaphosa, que foi eleito presidente do ANC depois deste deposto Zuma como membro por múltiplas acusações de corrupção, que sempre negou, alegando ser vítima de perseguição injusta.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *