• Qui. Jul 18th, 2024

África do Sul reelege Presidente Ramaphosa em dramático acordo de coligação

Byadmin

Jun 16, 2024

Presidente sul-africano Cirilo Ramaphosa foi reeleito pelos legisladores para um segundo mandato na sexta-feira, depois que seu partido fechou um dramático acordo de coalizão com um ex-inimigo político poucas horas antes da votação.

Ramaphosa, o líder do Congresso Nacional Africano, venceu de forma convincente no Parlamento contra um candidato surpresa que também foi nomeado – Julius Malema, da extrema-esquerda Combatentes pela Liberdade Económica. Ramaphosa recebeu 283 votos contra 44 de Malema na Câmara de 400 membros.

Ramaphosa, de 71 anos, garantiu o seu segundo mandato com a ajuda de legisladores do segundo maior partido do país, a Aliança Democrática, e de alguns partidos mais pequenos. Apoiaram-no na votação e fizeram-no ultrapassar a linha de chegada após a perda da maioria de longa data pelo ANC numa eleição histórica há duas semanas, que o reduziu para 159 assentos no Parlamento.

Durante uma pausa no que acabou por ser uma maratona de sessões parlamentares, o ANC assinou o acordo de última hora com a DA, garantindo efectivamente que Ramaphosa continuasse como líder da economia mais industrializada de África. Os partidos irão agora co-governar a África do Sul na sua primeira coligação nacional onde nenhum partido tem maioria no Parlamento.

Política da África do Sul
Presidente sul-africano Cyril Ramaphosa na Cidade do Cabo, África do Sul, sexta-feira, 14 de junho de 2024.

Jerome Delay/AP


O acordo, referido como um governo de unidade nacional, une o ANC ao DA, um partido liderado pelos brancos que durante anos foi a principal oposição e o crítico mais feroz do ANC. Pelo menos dois outros partidos menores também aderiram ao acordo.

Ramaphose ligou para o acordo – que enviou África do Sul em águas desconhecidas – um “novo nascimento, uma nova era para o nosso país” e disse que era hora de as partes “superarem as suas diferenças e trabalharem juntas”.

“Isso é o que devemos fazer e é isso que estou empenhado em alcançar como presidente”, disse ele.

O ANC – o famosa festa de Nelson Mandela — governou a África do Sul com uma maioria confortável desde o fim do sistema de apartheid de governo da minoria branca em 1994.

Mas perdeu a maioria de 30 anos nas humilhantes eleições nacionais de 29 de Maio, um ponto de viragem para o país. A votação foi realizada num contexto de descontentamento generalizado dos sul-africanos relativamente aos elevados níveis de pobreza, desigualdade e desemprego.

Os analistas alertam que poderá haver complicações no futuro, dadas as ideologias totalmente diferentes do ANC, um antigo movimento de libertação, e do DA centrista e favorável aos negócios, que obteve 21% dos votos nas eleições nacionais, a segunda maior percentagem atrás os 40% do ANC.


Partido no poder da África do Sul perde maioria pela primeira vez em três décadas

00:21

Por um lado, a promotoria discordou da decisão do governo do ANC de acusar Israel de genocídio em Gaza num caso altamente sensível no tribunal superior das Nações Unidas.

O líder da DA, John Steenhuisen, foi o primeiro a confirmar o acordo.

“A partir de hoje, a DA irá co-governar a República da África do Sul num espírito de unidade e colaboração”, disse ele ao afastar-se dos procedimentos de sexta-feira para um discurso transmitido ao vivo pela televisão no qual disse que um acordo foi assinado e que os legisladores da DA votariam em Ramaphosa para presidente.

A sessão do Parlamento começou às 10h00, no cenário invulgar de um centro de conferências perto da zona portuária da Cidade do Cabo, depois do histórico acontecimento da cidade Prédio da Assembleia Nacional foi destruído em incêndio em 2022. A Câmara passou pela primeira vez pela tomada de posse de centenas de novos legisladores, que durou horas, e pela eleição de um presidente e um vice-presidente.

A votação para presidente começou tarde da noite, com os resultados anunciados bem depois das 22 horas. Ramaphosa terminou o seu discurso de aceitação enquanto o relógio passava da meia-noite e entrava no sábado.

O Partido MK do ex-presidente Jacob Zuma boicotou a sessão, mas isso não afetou a votação, pois apenas um terço da Câmara é necessário para haver quórum.

Política da África do Sul
O presidente sul-africano Cyril Ramaphosa reage após ser reeleito líder do país na Cidade do Cabo, África do Sul, sexta-feira, 14 de junho de 2024.

Jerome Delay/AP


O Secretário-Geral do ANC, Fikile Mbalula, disse que o partido estava aberto a conversar com qualquer pessoa que quisesse juntar-se ao governo de unidade. Há 18 partidos políticos representados no Parlamento e ele disse que o acordo multipartidário iria “priorizar o país apesar da divisão política e ideológica”.

Alguns partidos, incluindo a EFF de Malema, recusaram-se a aderir.

Os outros dois partidos que aderiram ao acordo de coligação foram o Partido da Liberdade Inkatha e a Aliança Patriótica, que chamou a atenção em parte porque o seu líder, Gayton McKenzie, cumpriu pena de prisão por assalto a banco.

McKenzie disse que lhe foi dada uma segunda oportunidade na vida e que a África do Sul também tem uma agora, uma oportunidade para resolver os seus profundos problemas socioeconómicos.

O ANC enfrentou um prazo para chegar a um acordo de coligação, uma vez que o Parlamento teve de votar no presidente no prazo de 14 dias após a declaração dos resultados das eleições, em 2 de junho. durante a noite de quinta para sexta-feira, disseram autoridades do partido.

A África do Sul não enfrenta esse nível de incerteza política desde que o ANC chegou ao poder nas primeiras eleições multirraciais de 1994, que puseram fim a quase meio século de segregação racial. Desde então, todos os líderes sul-africanos vieram do ANC, começando por Mandela.

O novo governo de unidade também recordou a forma como Mandela, o primeiro presidente negro da África do Sul, convidou os adversários políticos a fazerem parte de um governo de unidade em 1994, num acto de reconciliação, quando o ANC tinha maioria. Ramaphosa desempenhou um papel fundamental nessas negociações quando era um jovem político.

Desta vez, a mão do ANC foi forçada.

“O ANC tem sido muito magnânimo ao aceitar a derrota e dizer: ‘vamos conversar'”, disse o líder da AP, McKenzie.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *