• Sáb. Jul 13th, 2024

A lei de anistia da Espanha enfrenta atrasos legais, mas nenhum separatista foi beneficiado ainda

A lei de anistia da Espanha enfrenta atrasos legais, mas nenhum separatista foi beneficiado ainda

Os separatistas catalães consideram injustificados os atrasos na aplicação da amnistia e estão cada vez mais impacientes.

Madri:

Três semanas depois de ter sido aprovada pelo parlamento espanhol, uma lei de amnistia para os separatistas catalães envolvidos numa tentativa fracassada de secessão em 2017 está enredada em disputas jurídicas e ainda não beneficiou ninguém.

Os juízes têm dois meses desde a aprovação final do projeto de lei, em 30 de maio, para aplicar a lei, que deverá afetar cerca de 400 pessoas, incluindo o ex-chefe do governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont.

O objectivo era que os mandados de detenção e as acusações criminais apresentadas contra os separatistas fossem anulados, mesmo enquanto os recursos contra a lei de amnistia são apreciados por tribunais superiores – um processo que pode levar anos.

Mas os tribunais devem decidir aplicar a amnistia caso a caso, um processo trabalhoso e demorado.

“Os líderes políticos e os deputados são os mestres na criação de legislação, mas os juristas são os mestres na aplicação da lei”, escreveu Alfons Lopez Tena, jurista e antigo legislador pró-independência no parlamento regional da Catalunha, num artigo recente publicado num site de notícias jurídicas. Confilegal.

Se um juiz “considerar que a lei, ou um dos seus artigos, viola a legislação europeia, pode decidir de forma independente a sua não aplicação, sem necessidade de recurso ou de questão preliminar”, acrescentou.

O primeiro-ministro socialista Pedro Sanchez, que se tinha oposto à lei no passado, concordou em conceder a amnistia em troca da obtenção do apoio dos partidos separatistas catalães no parlamento.

Esse apoio foi essencial para que ele fosse reconduzido para mais um mandato de quatro anos, após eleições gerais inconclusivas em julho de 2023.

Crise política

Espera-se que o beneficiário mais destacado da amnistia seja Puigdemont, que fugiu de Espanha pouco depois da candidatura à independência e agora divide o seu tempo entre a Bélgica e a França.

Embora Puigdemont fosse líder regional catalão, a sua administração prosseguiu com um referendo sobre a independência em 1 de outubro de 2017, apesar da proibição dos tribunais espanhóis.

Várias semanas depois, o parlamento catalão fez uma declaração simbólica de independência, levando o governo central a impor o domínio direto sobre a região.

Os acontecimentos desencadearam a maior crise política em Espanha desde o advento da democracia, após a morte do ditador Francisco Franco, em 1975.

Puigdemont disse que espera regressar a Espanha em breve, mas ainda existe um mandado de detenção e um tribunal espanhol ainda o está a investigar pelos alegados crimes de peculato e desobediência relacionados com a oferta de secessão.

Ele também ainda está sob investigação pelo suposto crime de terrorismo durante os protestos de 2019 contra a prisão de vários líderes separatistas envolvidos no referendo que por vezes se tornou violento.

Os juízes decidiram que os mandados de prisão permanecerão em vigor enquanto se aguarda a resolução de quaisquer dúvidas sobre a legalidade da lei de anistia pelos tribunais superiores.

‘Aventuras jurídicas’

Há também uma falta de consenso sobre se a amnistia abrange o peculato – um dos principais crimes ligados à candidatura à secessão.

A questão é de interpretação. A lei permite que a amnistia seja aplicada se os fundos forem utilizados para financiar o processo pró-independência, mas não se o dinheiro for retirado para ganho pessoal.

O procurador-chefe de Espanha, Alvaro Garcia Ortiz, argumenta que a amnistia se aplica a todos os crimes, incluindo peculato, mas os quatro procuradores que cuidam do caso de Puigdemont discordam.

O Ministério Público decidiu nesta terça-feira, com 19 votos a favor e 17 contra, apoiar a posição de Garcia Ortiz.

Mas os juízes terão a última palavra, uma vez que a lei de amnistia especifica que decidirão “a sua aplicação a cada caso específico”.

Os separatistas catalães consideram injustificados os atrasos na aplicação da amnistia e estão cada vez mais impacientes.

O advogado de Puigdemont, Gonzalo Boyle, enviou uma carta ao Tribunal de Contas – órgão encarregado de verificar os gastos públicos – para pedir que anule “sem mais demoras nem aventuras jurídicas” o processo contra Puigdemont relativo ao dinheiro que o governo regional catalão supostamente usado na oferta de secessão.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *