• Sáb. Jul 13th, 2024

Juiz suíço deve decidir no julgamento de tráfico humano de família Hinduja

Byadmin

Jun 21, 2024

Espera-se que um tribunal suíço emita uma decisão na sexta-feira sobre se os membros da família mais rica da Grã-Bretanha são culpados de tráfico de seres humanos devido a alegações de que exploraram trabalhadoras domésticas numa villa de luxo em Genebra.

Os promotores acusaram quatro membros da família Hinduja – Prakash Hinduja, Kamal Hinduja, Ajay Hinduja e Namrata Hinduja – e os acusaram de traficar vários trabalhadores da Índia, confiscando seus passaportes e forçando-os a trabalhar 16 horas por dia sem pagamento de horas extras na villa. Os advogados que representam os Hindujas negaram as acusações.

A família Hinduja dirige um conglomerado multinacional com grandes participações na indústria automóvel, banca, petróleo e gás, imobiliário e cuidados de saúde. Os tempos de domingo de Londres estimou recentemente o património líquido da família em 37 mil milhões de libras, ou 47 mil milhões de dólares, e listou-os como os família mais rica.

As discussões no julgamento, que foi acompanhado de perto, começaram em 10 de junho, com o promotor principal, Yves Bertossa, alegando que a família havia orçado mais para um animal de estimação do que para o salário de uma empregada doméstica, de acordo com reportagens na mídia suíça.

Algumas trabalhadoras domésticas recebiam apenas 10 mil rúpias por mês (cerca de 120 dólares hoje), de acordo com a acusação original. Afirmou que muitos dos trabalhadores eram oriundos de meios pobres na Índia e trabalhavam “desde o amanhecer até tarde da noite” sem pagamento de horas extras. Os seus salários – bem abaixo do salário mínimo de Genebra para trabalhadores domésticos – foram pagos em contas bancárias indianas às quais não tinham acesso fácil, afirma a acusação.

Os promotores alegaram que a família Hinduja confiscou os passaportes dos trabalhadores domésticos e disse-lhes para não saírem da villa, onde dormiam em beliches num porão sem janelas. Esperava-se que os trabalhadores estivessem sempre disponíveis, segundo a acusação, inclusive em viagens à França e a Mônaco, onde trabalharam nas mesmas condições.

Romain Jordan, advogado que representa a família Hinduja, rejeitou o que chamou de “alegações exageradas e tendenciosas”.

“Os membros da família Hinduja negam veementemente estas acusações e continuam determinados a defender-se”, disse ele num comunicado na quarta-feira.

Um caso civil envolvendo os principais acusadores, que trabalhavam para a família, foi resolvido na semana passada, de acordo com Reportagens da mídia suíça. Jordan recusou-se a discutir os termos, mas disse que o acordo era “confidencial” e que os demandantes retiraram as suas queixas.

No caso criminal, onde o juiz deverá decidir na sexta-feira, os procuradores pedem penas de prisão até cinco anos e meio, juntamente com milhões de francos em multas e indemnizações. de acordo com a mídia suíça.

Três irmãos Hinduja chefiam o conglomerado da família, dois deles baseados na Grã-Bretanha e em toda a Europa. A família possui extensos imóveis em Londres, incluindo uma residência de 25 quartos e um Raffles Hotel cinco estrelas em um antigo edifício governamental histórico, o Old War Office.

O mais antigo dos irmãos, Srichand P. Hinduja, que também foi presidente adjunto do Grupo Hinduja, morreu em maio do ano passado aos 87 anos. Antes de sua morte, facções da família estiveram envolvidas em um batalha prolongada sobre o controle dos bens familiares.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *