• Seg. Jul 22nd, 2024

Eleições nos EUA: e se Biden abandonar a corrida presidencial de 2024

Eleições nos EUA: e se Biden abandonar a corrida presidencial de 2024

Se Biden sair, os delegados terão que encontrar um substituto.

Washington:

O péssimo desempenho do presidente dos EUA, Joe Biden, no debate presidencial contra o desafiante Donald Trump reacendeu questões sobre o que aconteceria se o veterano democrata renunciasse como porta-bandeira do partido no último minuto.

Uma reviravolta política de alto risco não teria precedentes na história eleitoral americana moderna. Aqui está uma olhada em como a substituição do homem de 81 anos poderia ser possível.

– Se um candidato sair –

Para designar um candidato formal, delegados de todos os 50 estados comparecem à convenção de nomeação de verão do seu partido para ungir oficialmente um candidato com base na votação nas primárias.

Biden obteve uma vitória esmagadora nas primárias, e os cerca de 3.900 delegados do partido que irão à convenção em Chicago em agosto estão em dívida com ele.

Se Biden sair, os delegados teriam que encontrar um substituto. Isso significaria trazer a política dos EUA de volta aos velhos tempos, quando os chefes do partido se acotovelavam para escolher um indicado por meio de acordos em salas dos fundos cheias de fumaça e rodadas intermináveis ​​de votação.

Em 31 de março de 1968, o presidente Lyndon Johnson fez o anúncio chocante, no meio da Guerra do Vietnã, de que não buscaria a reeleição.

A medida transformou a convenção daquele ano, também em Chicago, em uma crise política, com manifestantes nas ruas e delegados de esquerda irritados com a posição pró-guerra do candidato escolhido pelo partido, Hubert Humphrey.

Após o desastre, os estados adoptaram mais amplamente o processo primário e as convenções tornaram-se assuntos bem oleados, cujos resultados foram conhecidos antecipadamente, uma vez que são determinados pelas primárias.

Se um candidato tiver de renunciar depois de ter sido oficialmente nomeado na convenção, o órgão governamental formal de um partido, seja o Comité Nacional Democrata ou o Comité Nacional Republicano, nomeará um novo candidato numa sessão extraordinária.

– Quem pode preencher? –

Até agora, os democratas se uniram em torno de seu indicado designado, pelo menos quando falam publicamente, com o ex-presidente Barack Obama saindo em defesa de Biden.

Quando questionado sobre a possibilidade de Biden se afastar, o diretor de comunicação da campanha, Michael Tyler, disse aos repórteres a bordo do Força Aérea Um que “não houve nenhuma conversa sobre isso”.

Uma escolha natural — mas não automática — para substituir Biden seria sua companheira de chapa na chapa de 2020, a vice-presidente Kamala Harris.

Enviado na quinta-feira à noite para apagar o fogo após o desempenho medíocre do presidente democrata, o homem de 59 anos admitiu que Biden foi “lento para começar” o debate, mas “terminou forte”.

Caso contrário, qualquer um dos vários políticos democratas fortes — os governadores Gavin Newsom da Califórnia, Gretchen Whitmer de Michigan e Josh Shapiro da Pensilvânia são mencionados — pode ser chamado.

Enquanto isso, poderia surgir uma forte esperança de um terceiro? Até agora, nenhum candidato independente representa qualquer perigo para o sistema bipartidário dominante na América.

Em 1992, o bilionário texano Ross Perot, concorrendo como independente, conseguiu obter quase 19% do voto popular.

Mas no final, por causa dos caprichos do sistema eleitoral americano, ele não recebeu nenhum dos votos que mais importam: os dos 538 membros do Colégio Eleitoral que, em última análise, decidem o vencedor.

(Com exceção do título, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *