• Seg. Jul 22nd, 2024

Morrendo de câncer, Amy Low encontra sentido na rotina da vida

Byadmin

Jun 28, 2024

(RNS) – Amy Low pensou que tinha pegado um problema estomacal.

De volta de uma longa viagem de trabalho em 2019, Low, diretor administrativo do Emerson Collective, estava se sentindo dolorido e cansado e incapaz de acompanhar. Uma febre e um “intestinal ruim” justificaram uma visita ao médico, o que resultou na prescrição de alguns antibióticos e um ultrassom para ter certeza de que estava tudo bem.

Não era. O exame mostrou um crescimento no fígado dela. Uma biópsia revelou que era cancerígeno.

“Sinto muito”, ela se lembra do que o cirurgião lhe disse após a biópsia.

Poucos dias depois, outro médico disse a Low, então com 48 anos, que ela estava morrendo de câncer de cólon em estágio 4.

“Ele proferiu suas palavras com muito cuidado, mas eu odiei cada uma delas”, lembra Low em seu novo livro de memórias, “The Brave In-Between”, lançado este mês pela Hachette. “Eles foram horríveis, e a ideia de atirar no mensageiro começou a ressoar em mim como nunca antes.”

No seu livro, Low, uma universitária cristã e filha de um pastor, lida com as lições aprendidas no que chama de “última sala” – uma fase em que está perto da morte, mas ainda aqui. É uma sala em que todos entraremos em algum momento, ela escreve. Mas poucos de nós pensamos sobre a nossa mortalidade antes disso.

As lições que ela aprendeu lá ensinaram que sua vida pode ser bela e terrível, muitas vezes ao mesmo tempo.



Isso é diferente do que ela aprendeu crescendo na igreja ou como uma estudante universitária — onde ela ouviu que Deus tinha um plano maravilhoso para sua vida e se ela fosse fiel, as coisas iriam dar certo. Ela agora vê essa mensagem mais como um evangelho da prosperidade do que como um ensino bíblico real.

Às vezes acontecem coisas terríveis, disse ela numa entrevista recente à RNS. Não por falta de fé, mas porque a vida é difícil.

“Uma das coisas que aprendi na última década é que as dificuldades não têm nada a ver com a fidelidade de Deus”, disse ela. “Deus está, pelo menos para mim, ainda mais presente nas dificuldades do que no topo das montanhas.”

Low disse que escreveu o livro para pessoas que se encontram, como ela, perdidas e sem saída fácil. Ela não oferece conselhos, mas conta sua história na esperança de lembrar às pessoas que elas não estão sozinhas quando as coisas vão mal. E elas geralmente não são as culpadas.

“Não é por falta de fé”, disse ela ao Religion News Service. “Não é por falta de oração.”

O livro dela lembra um pouco “Everything Happens for a Reason: And Other Lies I’ve Loved”, o best-seller de 2018 da professora de teologia da Duke, Kate Bowler, uma acadêmica que estuda o evangelho da prosperidade e que, como Low, foi diagnosticada com câncer em estágio 4 quando jovem. O livro também assumiu a crença evangélica de que “Deus tem um plano maravilhoso para sua vida”, popularizada por meio de uma técnica evangelística conhecida como “Quatro Leis Espirituais”.

No entanto, Low, que cresceu na Igreja Presbiteriana (EUA), disse que não está disposta a desistir da ideia de que o seu sofrimento tem significado. Imaginar que seu câncer foi apenas azar ou falta de sentido a deixa em um “lugar frio e escuro”. Dizer que tudo faz parte do plano de Deus é muito simplista, disse ela.

Em vez disso, Low se viu no meio de uma história em desenvolvimento, cheia de milagres e sofrimento, com bons amigos e cuidadores que a acompanham. Ela compara isso a estar em uma peça, onde o roteiro mudou e o elenco tem que se adaptar a uma nova realidade — e o resultado ainda não está claro.

“Gostaria de nos convidar para o mistério do meio”, disse ela. “Acontece que há um propósito profundo aqui. Isso não torna tudo mais fácil, mas fornece absolutamente uma estrutura mais profunda de significado.”

Com ternura e vulnerabilidade, e uma dose de humor autodepreciativo, Low conta sua história de luta contra o câncer e algumas das dores de cabeça que precederam seu diagnóstico — mais notavelmente um divórcio doloroso. Ela conta como descobriu a infidelidade de seu ex-marido e como ela exigiu que ele ligasse para a mulher com quem teve um caso para que ele pudesse terminar o relacionamento deles pelo viva-voz. No entanto, quando ela foi diagnosticada, seu ex-marido se mudou para sua casa para cuidar de seus filhos adolescentes enquanto ela se recuperava da cirurgia.

Grande parte do livro é enquadrada em torno de uma passagem do livro de Filipenses, no Novo Testamento, escrita quando o apóstolo Paulo estava preso e provavelmente se dirigia para seus últimos dias, disse Low.

“Finalmente, irmãos e irmãs, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é nobre, tudo o que é certo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é admirável – se alguma coisa é excelente ou louvável – pensem nessas coisas”, escreveu ele.

Low disse que palavras como certo ou nobre eram ideais abstratos antes de ela ficar doente. Agora, elas se tornaram mais reais para ela.

Antes de ser diagnosticado com câncer, o perdão parecia um lugar-comum, disse Low. Na última sala, tornou-se real. Durante anos, Low imaginou que talvez quando tivesse 60 anos seria capaz de perdoar o ex-marido. Depois que ela foi diagnosticada, ela não teve mais a opção de esperar.

Nos primeiros dias de seu diagnóstico, as coisas estavam complicadas, disse Low. Ela não sabia quanto tempo lhe restava e sabia que seu ex-marido precisaria ser uma âncora para os dois filhos quando ela se fosse.

Perdão, ela disse, significava acreditar que seu ex não era apenas suas ações passadas. Havia consequências para suas ações passadas, mas elas não definiam quem ele era. Low também temia que, ao perdoá-lo, alguma parte dela seria apagada, como se a mágoa que ela havia experimentado não importasse. Mas ela estava errada.

“Esse é um dos adoráveis ​​paradoxos do perdão”, ela disse. “Você não é apagado. Você está colocando um novo capítulo em movimento.”

Os últimos meses foram difíceis para Low. Seu câncer se espalhou e a vida tornou-se precária à medida que ela fica sem opções de tratamento. Hoje em dia, ela tenta prestar atenção ao que chama de “milagres mundanos” – pequenos momentos da vida cheios de significado.

Ela espera que os leitores façam o mesmo.

“Este é um livro sobre a vida”, disse ela. “Se tivermos olhos para detectar mais desses milagres mundanos, todos estaremos em melhor situação.”



Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *