• Dom. Jul 14th, 2024

Von der Leyen recebe aprovação para segundo mandato na UE, Kallas da Estônia como principal diplomata

Byadmin

Jun 28, 2024

Ursula von der Leyen foi nomeada para um segundo mandato como chefe da Comissão Europeia, enquanto a primeira-ministra da Estónia, Kaja Kallas, foi escolhida como chefe da política externa, depois de os líderes da União Europeia terem chegado a um acordo noturno sobre os principais cargos da instituição.

Nos termos do acordo, alcançado apesar da resistência do primeiro-ministro italiano Giorgia Meloni, o antigo primeiro-ministro português Antonio Costa foi nomeado para chefiar o Conselho Europeu.

“Missão cumprida! O Conselho Europeu cumpriu”, disse o atual presidente do órgão, Charles Michel, aos repórteres na manhã de sexta-feira, após a cúpula em Bruxelas.

Todos os três indicados fazem parte da aliança centrista que domina o parlamento da UE e, embora Costa suceda Michel automaticamente neste ano, von der Leyen e Kallas precisarão obter o apoio do legislativo para serem confirmados em seus cargos.

A votação, que deverá ser acirrada após o aumento da extrema direita nas eleições deste mês, acontecerá em julho.

Von der Leyen expressou sua “gratidão” aos líderes da UE por apoiá-la para um segundo mandato e disse aos repórteres que em breve delinearia suas prioridades políticas com vistas a ganhar a confiança do parlamento.

Declarando-se “comprometido em promover a unidade” entre os Estados-membros, Costa dirigiu-se à imprensa por videoconferência, dizendo: “A Europa e o mundo estão a enfrentar momentos desafiantes, sim, mas a União Europeia demonstrou a sua resiliência no passado.”

Kallas, por sua vez, disse que recebeu “uma enorme responsabilidade” num momento de agudas tensões geopolíticas.

“Há guerra na Europa, mas também há uma instabilidade crescente a nível global, que também são os principais desafios para a política externa europeia”, disse ela.

Os três obtiveram amplo apoio dos líderes da UE, embora Meloni, da Itália, tenha se abstido na votação de von der Leyen e votado contra Costa e Kallas, segundo diplomatas. O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, também de extrema direita, votou contra von der Leyen e não votou em Kallas, acrescentaram.

Meloni disse na plataforma de mídia social X que decidiu não apoiar a chapa de liderança “por respeito aos cidadãos e às indicações que vieram desses cidadãos durante as eleições”.

Houve pouco mistério em torno da escalação final, já que um grupo interno de líderes havia fechado um acordo sobre o trio de nomes dias antes, muito diferente do drama da última vez em 2019, quando von der Leyen finalmente saiu de um acordo secreto.

O chanceler alemão Olaf Scholz elogiou as decisões “rápidas e voltadas para o futuro” sobre os principais cargos, dizendo que os indicados “garantiriam que a Europa estaria bem posicionada em tempos desafiadores nos próximos anos”.

Acordo de segurança com a Ucrânia

Os líderes da UE presentes na cimeira também assinaram um acordo de segurança com a Ucrânia e debateram como reforçar as defesas do bloco contra a Rússia, ao mesmo tempo que concordavam sobre as suas prioridades estratégicas para os próximos cinco anos.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy (centro), com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, após a assinatura do acordo de segurança UE-Ucrânia [Olivier Hoslet/Pool via AP Photo]

O acordo de segurança sublinha o apoio da UE a Kiev, que luta contra a invasão de Moscovo pelo terceiro ano, apesar dos recentes ganhos eleitorais da extrema-direita, da incerteza criada pelas eleições antecipadas francesas e da votação presidencial nos Estados Unidos em Novembro.

O acordo estabelece os compromissos da UE para ajudar a Ucrânia em nove áreas de política de segurança, incluindo entregas de armas, treinamento militar, cooperação na indústria de defesa e desminagem.

“Esses compromissos ajudarão a Ucrânia a se defender, resistir à desestabilização e impedir futuros atos de agressão – uma prova mais concreta da determinação inabalável da UE em apoiar a Ucrânia a longo prazo”, disse Michel.

Os líderes reiteraram o seu compromisso de apoiar a Ucrânia enquanto for necessário, sublinhando que “a Rússia não deve prevalecer” e que a Ucrânia deve recuperar o seu território anexado por Moscovo.

Soldados russos estão atualmente avançando no leste da Ucrânia com intensas batalhas em torno de cidades como Chasiv Yar, onde os militares disseram ter repelido as forças russas na quinta-feira, embora um comandante russo tenha afirmado que suas forças avançaram na área.

A infra-estrutura energética da Ucrânia também tem sido alvo de ataques implacáveis, tendo a empresa nacional de energia sido forçada a impor apagões contínuos em diversas ocasiões.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, que também participou na cimeira, saudou o acordo de segurança e instou a UE a cumprir as suas promessas.

“O cumprimento de todas as promessas é importante, não só em termos de protecção de vidas, mas também para destruir a ilusão russa de que conseguirão algo através da guerra”, disse Zelenskyy aos líderes na cimeira da UE em Bruxelas.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *