• Sex. Jul 12th, 2024

Por que Putin visitou uma pequena igreja ortodoxa na Coreia do Norte?

Byadmin

Jun 29, 2024

(RNS) — No início deste mês, Vladimir Putin visitou a Coreia do Norte em busca de amigos e influência. A visita disparou alarmes ao redor do mundo, particularmente na Coreia do Sul e no Japão, onde o perigo de aprofundar os laços militares entre a Rússia e a Coreia do Norte é mais intensamente sentido. A visita foi um lembrete de que a visão de Putin do “mundo russo” se estende muito além das terras eslavas da Europa Oriental.

Um aspecto da visita de Putin, no entanto, passou despercebido.

Quando estava na Coreia do Norte, Putin parou na Igreja da Trindade Vivificante, onde ofícios divinos eram realizados em sua homenagem. Ele é um dos poucos a adorar lá, como, previsivelmente, muito poucos moradores locais fazem. Foi uma peça de teatro político dos velhos tempos soviéticos, com a cooperação completa do Patriarca de Moscou.

Porque é que Putin e o Patriarca de Moscovo se preocupam com esta pequena congregação?

Pode não fazer sentido que alguém, especialmente o presidente russo e o chefe da Igreja Ortodoxa Russa, se preocupe com uma pequena congregação, trancada dentro de um estado estalinista isolado. Mas pensar isto é ignorar a enorme importância que a Igreja Ortodoxa Russa tem como instrumento do poder brando russo em todo o mundo.

Enquanto muitos estão consternados com a recusa do Patriarca Ortodoxo Kirill em condenar quase qualquer aspecto do projeto político de Putin, a verdade é que essa linha de comportamento de Kirill tem sido nada menos que inevitável desde que se tornou primaz em 2009. Desde o início, ele e Putin forjaram uma aliança que amarrou a ascendência do estado russo à sua igreja e vice-versa. A Igreja da Trindade Vivificante, fundada antes do episcopado do Patriarca Kirill, agora se tornou parte dessa parceria.

A Igreja da Trindade Vivificante em Pyongyang, Coreia do Norte. (Foto de Alkhimov Maxim/Wikipedia/Creative Commons)

Para compreender a importância da visita de Putin, ajuda aprender um pouco de história.

O cristianismo ortodoxo na península coreana começou nos últimos dias da Rússia imperial. Em 1900, a mando do estado russo, um pequeno grupo de clérigos se tornou o primeiro missionário ortodoxo russo a entrar na Coreia.

Por 20 anos, a Rússia nutriu uma pequena comunidade ortodoxa na Coreia. Mas, após a Revolução Russa, o Santo Sínodo sitiado do Patriarcado de Moscou encerrou seu apoio à Igreja Ortodoxa da Coreia. É um testamento da fé do pequeno grupo de convertidos, quaisquer que sejam as razões iniciais para procurá-los, que, após a decisão do Santo Sínodo, os cristãos ortodoxos na Coreia permaneceram sem qualquer apoio externo ou estruturas canônicas durante todo o período brutal da ocupação japonesa e da Guerra da Coreia.

Então, em 1953, um capelão do exército com as forças gregas enviadas para lutar na península tomou conhecimento da pequena comunidade cristã ortodoxa da Coreia e se ofereceu para ajudar a restabelecer uma paróquia em Seul. No ano seguinte, a Metrópole da Coreia era parte do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla.

Ninguém questionou este status quo, até que Kim Jong Il, o segundo líder supremo da Coreia do Norte, visitou a Rússia em 2002. Ao regressar, ordenou a criação do Comité Ortodoxo Coreano, o aparelho através do qual os organismos religiosos sancionados operam na Coreia do Norte. . No ano seguinte, quatro seminaristas foram enviados a Moscou para estudar. Em 2006, a Igreja da Trindade Vivificante foi consagrada, com a presença de membros da igreja russa.

Durante quase 22 anos, a Igreja da Trindade Vivificante, no distrito de Rangrang, em Pyongyang, serviu como a única igreja ortodoxa do país – e uma das poucas igrejas cristãs no país.

Enquanto isso, na Coreia do Sul, a Metrópole da Coreia havia se tornado uma espécie de história de sucesso de como o cristianismo ortodoxo poderia parecer fora de suas terras tradicionais. Enquanto o chefe da igreja era um grego étnico, a maioria do clero e dos fiéis eram coreanos. Gregos expatriados, russos e romenos adoravam juntos de uma forma que está amplamente fora de alcance na América do Norte e na Europa Ocidental. E, na maior parte, a Rússia parecia contente em permitir que o Patriarca de Constantinopla mantivesse o sul enquanto ele comandava a estranha igreja no norte.

Isso foi até 2019, quando o Patriarca de Constantinopla concedeu independência à Igreja Ortodoxa Ucraniana. É difícil para aqueles que estão de fora compreender plenamente as implicações do que se seguiu, uma vez que um Patriarcado de Moscovo enfurecido tinha agora uma negação plausível para se deslocar para territórios como a Coreia do Sul, África e partes da Europa Ocidental, onde Constantinopla há muito detinha o poder. O Patriarcado de Moscovo estabeleceu rapidamente a sua própria diocese na Coreia do Sul, ameaçando a unidade do Cristianismo Ortodoxo na península.

Apesar dos protestos previsíveis, a decisão do Patriarcado de Moscou de estabelecer suas próprias igrejas na Coreia do Sul foi um movimento geopolítico, uma ação em nome do estado russo. No exterior, a aliança Putin-Kirill é mais visível por meio dos esforços missionários da Igreja Ortodoxa Russa. Os convertidos à Ortodoxia Russa são vistos como aliados da agenda do estado russo. A Coreia do Sul, a nação mais cristã da Ásia e um aliado estratégico do Ocidente, é um prêmio muito rico para deixar passar.

E a Coreia do Norte? Por que Putin visitou a Igreja da Trindade Vivificante? A resposta é tão simples quanto o acordo que ele fechou com Kirill. A presença de uma Igreja Ortodoxa Russa em Pyongyang pretende enviar uma mensagem poderosa sobre a esfera de influência da Rússia. Esta influência não é apenas económica ou marcial, mas também cultural. Para um homem como Vladimir Putin, tal como para o seu amigo Kirill, a missão não se trata apenas de poder, mas de um tipo particular de poder – que restaure a dignidade perdida da Rússia. Enquanto Putin rezava no muro de uma igreja construída por uma das últimas ditaduras estalinistas remanescentes no mundo, ele estava a enviar uma mensagem sobre até onde e quão profunda pode ser a influência russa. Uma mensagem não apenas para o povo da Rússia ou da Coreia do Norte, mas para todo o mundo.

(Katherine Kelaidis é pesquisadora do Instituto de Estudos Cristãos Ortodoxos, Cambridge. As opiniões expressas neste comentário não refletem necessariamente as do Religion News Service.)

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *