• Sáb. Jul 13th, 2024

Biden “absolutamente não” vai se retirar da corrida presidencial dos EUA: Casa Branca

Biden diz que não perdoará filho Hunter após sentença de arma de fogo

A Casa Branca disse que Biden não tinha “absolutamente” nenhuma intenção de se retirar da candidatura democrata.

Washington:

Joe Biden “não vai de forma alguma” desistir da disputa pela Casa Branca, disse sua porta-voz na quarta-feira, à medida que a pressão sobre o presidente aumentava após seu desempenho desastroso no debate contra Donald Trump.

O pânico tomou conta dos democratas após o debate da semana passada, e rumores internos sobre encontrar um candidato substituto antes da eleição de novembro foram amplificados por pesquisas que mostram que Trump está ampliando sua liderança.

O New York Times e a CNN relataram que Biden, 81, reconheceu a um aliado importante que sua tentativa de reeleição estaria em jogo se ele não conseguisse tranquilizar rapidamente o público de que ainda estava à altura do cargo.

A porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, rejeitou esses relatos imediatamente e insistiu que Biden não tinha “absolutamente” nenhuma intenção de se retirar da candidatura democrata.

“O presidente tem uma visão clara e vai continuar na corrida”, disse ela aos repórteres.

Biden admitiu em uma ligação com funcionários da campanha e do partido que suas respostas incoerentes e sem foco contra Trump o prejudicaram, relataram vários meios de comunicação — mas ele insistiu que estava na disputa para o longo prazo.

“Deixe-me dizer isso da forma mais clara possível — da forma mais simples e direta possível: estou concorrendo… ninguém está me empurrando para fora. Não estou saindo. Estou nessa corrida até o fim e vamos vencer”, disse o veterano democrata, de acordo com o Politico.

– Consequências –

A campanha de Biden está desesperada para tranquilizar os doadores e eleitores democratas de que o desempenho do presidente contra Trump foi algo isolado, e não um golpe fatal em suas esperanças de um segundo mandato.

Mas figuras do partido expressaram perplexidade sobre o que veem como desvios e desculpas do presidente e seus assessores.

No Congresso, os legisladores veem as perspectivas democratas de assumir o controle da Câmara dos Representantes, manter o Senado e retornar à Casa Branca diminuindo.

A preocupação foi agravada por uma pesquisa do New York Times realizada após o debate que mostrou Trump com sua maior vantagem sobre Biden — 49% a 43% dos prováveis ​​eleitores.

Foi somente na quarta-feira — seis dias após o debate — que Biden concluiu uma rodada de ligações com líderes democratas do Congresso, e as equipes têm expressado consternação com o ritmo lento da divulgação.

“Estamos chegando ao ponto em que pode não ter sido o debate que o derrotou, mas as consequências de como eles lidaram com isso”, disse um importante agente democrata ao canal político Axios, de Washington.

Ciente do crescente alarme na base do partido, Biden irá aos estados indecisos de Wisconsin e Pensilvânia nos próximos dias.

Ele poderá ser testado em sua capacidade de pensar rápido e articular uma visão coerente quando se sentar com a ABC News na sexta-feira para sua primeira entrevista na televisão desde o debate.

– ‘Mais preocupante’ –

O presidente citou a fadiga como uma nova explicação para seu fraco desempenho no debate, dizendo que não foi sensato viajar “ao redor do mundo algumas vezes” antes do debate.

Mas ele estava de volta aos Estados Unidos há quase duas semanas e passou dois dias relaxando e seis se preparando para o debate.

O Times disse que pessoas que interagiram com o presidente descobriram que sua confusão mental estava “se tornando mais frequente, mais pronunciada e mais preocupante”.

Os legisladores democratas começaram a expressar publicamente suas dúvidas, com dois deles dizendo na terça-feira que esperavam que Biden perdesse para Trump em novembro e outros dois pedindo que ele desistisse da disputa pela Casa Branca.

O congressista do Arizona, Raul Grijalva, se tornou o segundo democrata no poder a pedir que Biden desistisse.

“Se ele for o candidato, vou apoiá-lo, mas acho que esta é uma oportunidade de procurar outro lugar”, disse Grijalva, de acordo com o Times.

Na rua onde o presidente cresceu em Scranton, Pensilvânia, havia simpatia por Biden — mas nenhuma placa de campanha para nenhum dos candidatos.

“Fiquei envergonhada por ele. Senti que ele não estava se sentindo bem e provavelmente não deveria ter subido no palco”, disse a avó Jamie Hayes, 73.

(Com exceção do título, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *