• Dom. Jul 14th, 2024

Começa a votação no Reino Unido, o destino de Rishi Sunak está em jogo

Começa a votação no Reino Unido, o destino de Rishi Sunak está em jogo

Londres:

Os britânicos foram às urnas na quinta-feira para uma eleição geral amplamente esperada para devolver enfaticamente o partido Trabalhista de oposição ao poder e encerrar quase uma década e meia de governo conservador.

A primeira eleição nacional do país desde que Boris Johnson obteve uma vitória esmagadora para os conservadores em 2019 ocorreu após o pedido surpresa do primeiro-ministro Rishi Sunak para realizá-la seis meses antes do necessário.

Sua aposta parece destinada a sair pela culatra, com pesquisas ao longo das seis semanas de campanha — e dos últimos dois anos — apontando para uma derrota pesada para seu partido de direita.

Isso quase certamente colocaria o líder trabalhista Keir Starmer, 61, em Downing Street, como líder do maior partido no parlamento.

A projeção é que o Partido Trabalhista de centro-esquerda vença sua primeira eleição geral desde 2005 em proporções históricas, com uma enxurrada de pesquisas eleitorais prevendo sua maior vitória de todos os tempos.

Mas Starmer não estava tomando nada como garantido ao pedir aos eleitores que não ficassem em casa. “O futuro da Grã-Bretanha está na cédula”, disse ele. “Mas a mudança só acontecerá se você votar nela.”

Noite longa

A votação começou às 7h em mais de 40.000 seções eleitorais em todo o país, desde igrejas, centros comunitários e escolas até locais mais inusitados, como bares e até mesmo um navio.

Às 22h, as emissoras anunciam pesquisas de boca de urna, que normalmente fornecem uma imagem precisa do desempenho dos principais partidos.

Os resultados dos 650 distritos eleitorais do Reino Unido saem aos poucos da noite para o dia, e o partido vencedor deve obter 326 cadeiras — o limite para a maioria parlamentar — ao amanhecer de sexta-feira.

Pesquisas sugerem que os eleitores punirão os conservadores após 14 anos de governo muitas vezes caótico e poderão destituir uma série de ministros do governo, com rumores de que até mesmo o próprio Sunak pode não estar seguro.

Isso faria dele o primeiro primeiro-ministro em exercício a não manter seu assento em uma eleição geral.

“Eu entendo que as pessoas têm frustrações com nosso partido”, ele admitiu na quarta-feira. “Mas a votação de amanhã… é uma votação sobre o futuro.”

Endossos

Sunak, 44, é amplamente visto como alguém que fez uma campanha desanimadora, sendo a raiva por sua decisão de abandonar as comemorações do Dia D na França o momento mais marcante.

Em novos golpes na quarta-feira, o jornal The Sun mudou sua lealdade para o Partido Trabalhista — um apoio importante, já que o tabloide apoia o vencedor em todas as eleições há várias décadas.

Ele segue o Financial Times, o Economist e o The Sunday Times, bem como os jornais tradicionalmente de esquerda The Guardian e The Daily Mirror, que também endossaram o partido.

Enquanto isso, três pesquisas de larga escala indicaram que o Partido Trabalhista estava à beira de uma vitória recorde, com os Conservadores prontos para seu pior resultado de todos os tempos e os centristas Liberais Democratas ressurgindo em terceiro.

YouGov, Focaldata e More in Common projetaram que o Partido Trabalhista garantiria pelo menos 430 cadeiras, superando as 418 de Tony Blair em 1997.

Os conservadores podem cair para uma baixa recorde de menos de 127, previu o trio.

Os Lib Dems eram cotados para conquistar dezenas de assentos — acima do número atual de 15 — enquanto o partido anti-imigração Reform UK, de Nigel Farage, estava pronto para ganhar alguns.

Tanto o YouGov quanto o More in Common previram que o líder do Brexit finalmente se tornaria um parlamentar na oitava tentativa.

‘Renovação nacional’

Se as previsões estiverem corretas, Sunak visitará na sexta-feira o chefe de estado, o rei Carlos III, para apresentar sua renúncia ao cargo de primeiro-ministro.

Starmer se encontrará com o monarca logo depois para aceitar seu convite para liderar o próximo governo — e se tornar primeiro-ministro.

O líder trabalhista viajará então para Downing Street — o escritório e residência dos líderes britânicos — onde deverá fazer um discurso antes de fazer nomeações ministeriais.

Isso coroaria uma ascensão política notável para o ex-advogado de direitos humanos e promotor-chefe, eleito deputado pela primeira vez em 2015.

Ele prometeu uma “década de renovação nacional”, mas enfrenta uma tarefa assustadora: revitalizar serviços públicos decadentes e uma economia estagnada.

(Esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é gerada automaticamente a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *