• Sex. Jul 12th, 2024

Europa diz às montadoras chinesas: preparem-se para pagar tarifas

Byadmin

Jul 4, 2024

A União Europeia deu o próximo passo na quinta-feira para cobrar novas tarifas sobre carros elétricos chineses, dizendo às montadoras para obterem garantias dos bancos de que seriam capazes de pagar os impostos que seriam finalizados em outubro.

A mudança era esperada. O bloco havia dito em 12 de junho que imporia tarifas adicionais de 17 a 38 por cento sobre veículos elétricos importados da China. Uma investigação da União Europeia havia descoberto o que autoridades em Bruxelas descrevem como subsídios injustos do governo chinês para fabricantes de carros elétricos.

O governo chinês negou que subsidie ​​a indústria. Pequim alega que os preços baixos para carros elétricos feitos na China refletem competição vigorosa e inovação.

Os dois lados começaram as negociações em 22 de junho para tentar resolver a disputa. “Continuamos a nos envolver intensamente com a China em uma solução mutuamente aceitável”, disse Valdis Dombrovskis, o comissário de comércio da UE.

A imposição de tarifas provisórias exige que as montadoras forneçam aos países europeus garantias financeiras de eventual pagamento, embora elas não precisem enviar dinheiro ainda.

As tarifas provisórias variam consideravelmente por fabricante de automóveis com base nas estimativas da União Europeia sobre a escala dos subsídios governamentais de cada fabricante chinês. As tarifas mais altas estão sendo impostas a fabricantes que divulgaram pouco sobre seus subsídios, incluindo uma tarifa de 37,6% sobre a SAIC Motor. Tarifas mais baixas se aplicam à BYD, a 17,4%, e à Geely, a 19,9%.

As montadoras precisarão garantir que conseguirão fazer o pagamento dos veículos que chegarem à União Europeia a partir de sexta-feira, por um período que vai até outubro. No entanto, o bloco ainda deve determinar nos próximos meses se os subsídios para carros chineses causaram danos significativos no mercado de carros da Europa.

Preocupações estão se espalhando entre governos ao redor do mundo de que a China está buscando exportar sua saída das dificuldades econômicas, já que uma quebra do mercado imobiliário tornou as famílias chinesas menos dispostas a gastar. Em maio, o presidente Biden quadruplicou as tarifas adicionais dos EUA sobre veículos elétricos chineses, para 100%.

A Turquia impôs tarifas adicionais de 40 por cento no mês passado sobre carros movidos a gasolina e híbridos gasolina-elétricos importados da China. A Turquia já havia imposto tarifas adicionais no ano passado sobre os carros elétricos da China. Na terça-feira, o Canadá começou uma investigação comercial que também pode levar a tarifas sobre carros elétricos da China.

O Brasil está aumentando gradualmente as tarifas sobre carros elétricos importados de qualquer país a partir deste mês, após um aumento nas importações da China no início deste ano.

A China ameaçou retaliar a União Europeia. Seu Ministério do Comércio disse em 17 de junho que havia aberto uma investigação para saber se a carne suína da União Europeia estava sendo despejada na China a preços injustamente baixos. O caso pode resultar em tarifas sobre dezenas de produtos, de costeletas de porco a intestinos de porco em conserva.

Em janeiro, o Ministério do Comércio iniciou um caso comercial contra importações de Cognac e outras bebidas alcoólicas europeias à base de vinho que vêm principalmente da França. O governo francês tem sido um dos primeiros a apoiar tarifas sobre carros elétricos da China.

A indústria automobilística da China sugeriu que o ministério imponha tarifas sobre grandes carros movidos a gasolina importados da União Europeia se o bloco impuser tarifas sobre carros elétricos. A China tem um imposto de vendas de 40 por cento sobre carros e veículos utilitários esportivos com motores a gasolina muito grandes, quase todos importados da América do Norte ou da Europa.

A China também tem uma tarifa básica de 15 por cento sobre carros importados. A Europa tem uma tarifa básica para carros de 10 por cento e os Estados Unidos têm uma tarifa de 2,5 por cento. As várias tarifas que estão sendo elaboradas ou impostas agora são adicionais a essas tarifas básicas.

A China está retornando ao manual que seguiu durante sua última grande disputa comercial com a União Europeia, em 2013, sobre as remessas de painéis solares da China para a Europa a preços baixos. Naquela época, Pequim persuadiu a Alemanha a liderar uma coalizão de países-membros da UE que bloquearam tarifas de painéis solares.

Mas pode ser mais difícil para a China parar as tarifas de veículos elétricos. A indústria solar da Europa foi dizimada há uma década, depois que o sindicato rescindiu suas tarifas. Poucos na Europa querem que a produção de carros elétricos sofra um destino semelhante.

A União Europeia também reforçou suas regras para países anularem tarifas. A China precisaria conquistar a maioria dos países-membros em uma votação final em outubro, e esses países teriam que representar pelo menos 65% da população do bloco.

Os países-membros também realizarão uma votação preliminar em duas semanas sobre se apoiam as tarifas provisórias. Mas a votação não é vinculativa para a Comissão Europeia, o órgão executivo do bloco.

As montadoras chinesas estão começando a construir fábricas na Europa para atender à demanda e evitar tarifas, seguindo uma estratégia pioneira das montadoras japonesas para contornar as restrições comerciais nos Estados Unidos. “É exatamente como o que a Toyota fez na década de 1980”, disse John Zeng, analista da GlobalData Automotive.

Mas a China tem um excesso de fábricas de automóveis no país, com capacidade para produzir o dobro de carros vendidos no país, que é o maior mercado de automóveis do mundo.

O caso comercial produziu uma divisão na indústria automobilística da Europa. As montadoras alemãs se opuseram às tarifas. Elas enfrentam vendas em declínio acentuado na China, pois as montadoras chinesas ganharam participação de mercado às suas custas. Então, as montadoras alemãs estão exportando cada vez mais de suas fábricas na China, inclusive para a Europa.

Mas os fabricantes de autopeças na Europa tendem a favorecer a imposição de tarifas, já que grandes montadoras como a Volkswagen montam cada vez mais carros com peças feitas por empresas chinesas.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *