• Qua. Jul 17th, 2024

Furacão Beryl avança em direção ao México após atingir a Jamaica

Furacão Beryl avança em direção ao México e Ilhas Cayman após atingir a Jamaica

A tempestade deixou um rastro de destruição no Caribe, matando pelo menos sete pessoas

Kingston, Jamaica:

O furacão Beryl avançou em direção ao México e às Ilhas Cayman na manhã de quinta-feira, ameaçando ventos fortes e uma tempestade após atingir a costa sul da Jamaica.

Beryl enfraqueceu para uma tempestade de categoria 3 durante a noite, com ventos de 200 quilômetros por hora, mas a previsão é que esteja “na intensidade de um furacão ou próximo a ele” enquanto passar pelas Ilhas Cayman, de acordo com o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC).

“Ventos fortes, tempestades perigosas e ventos devastadores” eram esperados nas Ilhas Cayman durante a noite, informou o NHC na manhã de quinta-feira.

A tempestade deixou um rastro de destruição pelo Caribe, matando pelo menos sete pessoas e trazendo consigo inundações repentinas e deslizamentos de terra à medida que avança em direção à Península de Yucatán, no México.

A tempestade é a primeira desde que os registros do NHC começaram a atingir o nível de categoria 4 em junho e a primeira a atingir a categoria 5 em julho.

As autoridades mexicanas se esforçaram para se preparar, com o NHC alertando que Beryl continuará sendo um furacão até atingir a Península de Yucatán.

“Teremos chuvas intensas e rajadas de vento” a partir de quinta-feira, disse a coordenadora nacional de Proteção Civil, Laura Velazquez, anunciando o envio de centenas de militares, fuzileiros navais e eletricistas em antecipação aos danos.

O governo preparou 112 abrigos com capacidade para cerca de 20.000 pessoas e suspendeu as aulas no estado de Quintana Roo, onde Beryl provavelmente será atingido.

Na Jamaica, mais de 400.000 pessoas ficaram sem energia, de acordo com o jornal Jamaica Gleaner, citando uma empresa de serviços públicos.

O primeiro-ministro da Jamaica, Andrew Holness, declarou toque de recolher das 6h às 18h em toda a ilha de 2,8 milhões de habitantes e pediu que os jamaicanos cumpram as ordens de evacuação.

Desmon Brown, gerente do Estádio Nacional em Kingston, disse que sua equipe se esforçou para estar pronta.

“Nós cobrimos nossas janelas com fita adesiva, nossos equipamentos — incluindo computadores, impressoras e esse tipo de coisa. Além disso, é principalmente concreto, então não há muito que possamos fazer”, Brown disse ao jornal Jamaica Observer.

‘Sem comunicação’

Beryl já deixou um rastro de mortes, com pelo menos três pessoas mortas em Granada, onde a tempestade atingiu a costa na segunda-feira, além de uma em São Vicente e Granadinas e três na Venezuela.

Ralph Gonsalves, primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, disse que seria necessário um “esforço hercúleo” para reconstruir após a destruição substancial e que “cerca de 90% das casas foram destruídas” em Union Island.

“A maior parte do país não tem eletricidade e mais da metade está sem água no momento”, disse ele.

O primeiro-ministro de Granada, Dickon Mitchell, disse que a ilha de Carriacou, que foi atingida pelo olho da tempestade, foi praticamente isolada, com casas, telecomunicações e instalações de combustível destruídas.

A ilha de 13,5 milhas quadradas (35 quilômetros quadrados) é o lar de cerca de 9.000 pessoas. Pelo menos duas pessoas morreram lá, disse Mitchell, com uma terceira morta na ilha principal do país, Granada, quando uma árvore caiu sobre uma casa.

Em São Vicente e Granadinas, uma pessoa na ilha de Bequia foi relatada como morta pela tempestade, enquanto um homem morreu no estado costeiro de Sucre, no nordeste da Venezuela, quando foi levado pela enchente de um rio, disseram autoridades locais.

Das Alterações Climáticas

É extremamente raro que uma tempestade tão poderosa se forme tão cedo na temporada de furacões no Atlântico, que vai do início de junho ao final de novembro.

As temperaturas altas do oceano são essenciais para os furacões, e as águas do Atlântico Norte estão atualmente entre 1 e 3 graus Celsius mais quentes que o normal, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA (NOAA).

O chefe do clima da ONU, Simon Stiell, que tem família na ilha de Carriacou, disse que as mudanças climáticas estão “levando os desastres a novos níveis recordes de destruição”.

“Desastres em uma escala que costumava ser coisa de ficção científica estão se tornando fatos meteorológicos, e a crise climática é a principal culpada”, disse ele na segunda-feira, relatando que a propriedade de seus pais foi danificada.

(Com exceção do título, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *