• Sex. Jul 12th, 2024

Manifestantes pró-Palestina escalam telhado do Parlamento da Austrália

Byadmin

Jul 4, 2024

Os quatro manifestantes exibiram várias faixas que diziam: “Do rio ao mar, a Palestina será livre” e “Sem paz em terras roubadas”.

Manifestantes pró-Palestina subiram no telhado do Parlamento australiano em Canberra e desenrolaram várias faixas, uma delas dizendo: “Do rio ao mar, a Palestina será livre”.

A manifestação no parlamento nacional na quinta-feira ocorreu após recentes divisões dentro do governo trabalhista do primeiro-ministro Anthony Albanese, que suspendeu um senador muçulmano que cruzou o plenário para votar a favor do reconhecimento do estado palestino pela Austrália.

Quatro pessoas do grupo Ativistas Renegados, vestidas com roupas escuras, ficaram no telhado do prédio por cerca de uma hora, desenrolando várias faixas grandes em preto e branco, incluindo uma que dizia: “Sem paz em terras roubadas”.

Um dos manifestantes fez um discurso usando um megafone acusando o governo israelense de “crimes de guerra” em Gaza com o apoio dos Estados Unidos, e o governo australiano de ser cúmplice dos supostos abusos.

“Declaramos ao governo australiano que continuaremos a desmascarar e resistir aos interesses imperiais, hegemônicos e capitalistas dos EUA aos quais vocês se dedicam”, gritou o manifestante.

“A Austrália continua a permitir e a cometer crimes de guerra como lacaios dos nossos ‘grandes e poderosos’ amigos.”

Alguns policiais e seguranças aconselharam as pessoas a não passarem diretamente por baixo do protesto na entrada principal do prédio, enquanto mais pessoas foram vistas no telhado tentando remover o grupo.

Os manifestantes recolheram seus cartazes antes de serem levados embora pela polícia por volta das 11h30, horário local (01h30 GMT).

“Esta é uma violação grave da segurança do Parlamento”, disse o porta-voz da oposição para Assuntos Internos, James Paterson, em uma publicação na plataforma de mídia social X.

“O prédio foi modificado com grande despesa para evitar incursões como essa. Uma investigação é necessária.”

A última guerra em Gaza começou quando combatentes palestinos do Hamas invadiram o sul de Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e levando cerca de 250 outras como reféns. A guerra de Israel no território palestino sitiado matou quase 38.000 pessoas, deslocou à força a maioria da população várias vezes e devastou o enclave densamente povoado.

A África do Sul apresentou uma petição ao Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) acusando Israel de cometer genocídio contra palestinos em Gaza, enquanto um inquérito das Nações Unidas no mês passado descobriu que tanto Israel quanto o Hamas cometeram crimes de guerra nos estágios iniciais da guerra de Gaza.

O inquérito também afirmou que as ações de Israel constituíram crimes contra a humanidade devido às imensas perdas civis.

Desde o início da guerra, a Austrália tem sido palco de vários protestos pró-Palestina, incluindo manifestações semanais nas principais cidades e uma ocupação de campi universitários que durou meses.

O Partido Trabalhista suspendeu indefinidamente uma senadora, Fatima Payman, na segunda-feira, depois que ela votou a favor de uma moção parlamentar apoiando a criação de um estado palestino. Payman disse que ela foi “exilada” depois de apoiar a moção – apresentada pelo Partido Verde – em desafio à política do governo.

Atualmente, a Austrália não reconhece a condição de Estado palestino, embora a ministra das Relações Exteriores, Penny Wong, tenha dito em maio que poderia fazê-lo antes que um processo formal de paz entre Israel e as autoridades palestinas fosse concluído.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *