• Sáb. Jul 13th, 2024

O que a decisão de imunidade da Suprema Corte pode significar para a política externa dos EUA?

Byadmin

Jul 4, 2024

A decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos de expandir a imunidade presidencial causou alarme entre especialistas jurídicos, que temem que as ramificações possam se estender além das fronteiras do país.

Na segunda-feira, a maioria conservadora do tribunal decidiu que quaisquer “atos oficiais” realizados por um presidente — mesmo além das “funções constitucionais essenciais” do cargo — gozariam de “imunidade presuntiva” de processo.

Mas nos EUA, o presidente também atua como chefe das forças armadas, e especialistas dizem que a decisão de segunda-feira pode fortalecer ainda mais uma cultura de impunidade para ações tomadas no exterior.

Samuel Moyn, professor de direito e história na Universidade de Yale, disse que a decisão corrói as poucas proteções restantes para governar a política externa dos EUA.

O Congresso dos EUA já dá aos presidentes ampla liberdade para tomar medidas no exterior, e o país se recusa a reconhecer a autoridade de órgãos como o Tribunal Penal Internacional (TPI).

“Já havia um grande consenso entre as elites conservadoras e liberais de que um presidente dos EUA nunca deveria ser restringido por tribunais internacionais fora do país”, disse Moyn à Al Jazeera.

“O que foi extraordinário na decisão de segunda-feira é que ela parece adotar essa atitude e importá-la — para aplicá-la aos tribunais dentro e fora do país.”

O ex-presidente Donald Trump fez amplas alegações de imunidade presidencial ao enfrentar acusações criminais [File: Julia Nikhinson/AP Photo]

Um escudo poderoso

A decisão foi tomada depois que o ex-presidente Donald Trump fez alegações abrangentes de imunidade presidencial, enquanto tentava escapar de quatro acusações criminais distintas em tribunais dos EUA.

“Trump afirma uma imunidade muito mais ampla do que a limitada que reconhecemos”, explicou a maioria do tribunal em sua opinião.

Ainda assim, sustentou que qualquer ato considerado parte “oficial” da presidência poderia ser protegido de acusações criminais.

Mas até mesmo o tribunal reconheceu que isso poderia anunciar poderes executivos do tipo “rei” com poucas restrições criminais. A política externa foi uma área que os juízes dissidentes destacaram.

“A partir de hoje, os Presidentes de amanhã serão livres para exercer os poderes de Comandante-em-Chefe, os poderes de relações exteriores e todos os vastos poderes de aplicação da lei consagrados na Constituição. [the US Constitution] como bem entenderem — inclusive de maneiras que o Congresso considerou criminosas”, escreveu a juíza Sonia Sotomayor em sua divergência.

O Supremo Tribunal já havia estabelecido precedentes legais na década de 1980 que davam aos presidentes “imunidade absoluta” a danos civis pela sua conduta enquanto estavam no cargo.

Isso colocou as ações presidenciais fora do alcance de leis como o Alien Tort Statute, que permite que estrangeiros processem violações de direitos humanos em tribunais civis dos EUA.

Uma foto de grupo dos juízes da Suprema Corte dos EUA.
O Supremo Tribunal dos EUA tem uma maioria conservadora de seis votos contra três [J Scott Applewhite/AP Photo]

Um executivo em evolução

Mas especialistas dizem que a decisão de segunda-feira dá continuidade a uma tendência de dar cada vez mais poder ao poder executivo em questões de relações exteriores.

De acordo com a Constituição dos EUA, o presidente e o Congresso compartilham os poderes para moldar a política externa. Mas o poder legislativo cedeu terreno à presidência, particularmente em períodos de emergência nacional, como a Guerra Fria e os ataques a 11 de setembro de 2001.

Embora seja difícil apontar um único momento em que a autoridade sobre relações exteriores se concentrou na Casa Branca, os conflitos no exterior ajudaram a fortalecer o que alguns críticos chamam de “presidência imperial”.

Cunhado em 1973, esse termo descreve uma percepção entre alguns historiadores de que a presidência dos EUA excedeu seus poderes constitucionalmente exigidos, particularmente quando se trata de ações no exterior, como guerras.

A Constituição dos EUA dá ao Congresso a autoridade exclusiva para declarar guerra, mas a última vez que o fez formalmente foi na Segunda Guerra Mundial.

A Guerra Fria, enquanto isso, viu um número cada vez maior de órgãos de defesa e inteligência tomarem forma sob controle executivo. Esse período viu instituições como a Agência Central de Inteligência (CIA) surgirem em 1947, e a Agência de Segurança Nacional em 1952.

Especialistas dizem que esses grupos de defesa e inteligência ajudaram os EUA a travar uma campanha global para expandir sua influência, às vezes por meio de operações clandestinas e até mesmo tortura e assassinato.

Às vezes, após revelações de abusos, o poder legislativo tentou recuperar sua influência sobre a política externa dos EUA.

Um exemplo veio no início dos anos 1970, quando um Congresso encorajado proibiu o presidente Richard Nixon de enviar armas ao governo do Paquistão depois que uma campanha de repressão brutal veio à tona. Também se moveu para conter as incursões militares secretas do presidente no Camboja durante a Guerra do Vietnã.

Mas tais tentativas de supervisão provaram ser a exceção e não a regra, e os presidentes historicamente enfrentaram poucas consequências por ações no exterior que poderiam constituir violações do direito internacional e nacional.

Nixon, por exemplo, continuou a enviar armas para o Paquistão, embora por meio de representantes como a Jordânia, desafiando as sanções do Congresso.

Richard Nixon participa de um banquete com autoridades chinesas em 1972.
O ex-presidente Richard Nixon, ao centro, foi criticado por contornar o Congresso dos EUA em relações exteriores [Nixon Library handout/Reuters]

“Estado de direito em casa, mas nenhum no exterior”

O apetite do país por controlar a Casa Branca continuou a diminuir após os ataques de 11 de setembro, de acordo com especialistas como Moyn.

Depois que o presidente George W. Bush declarou a chamada “guerra global contra o terror” em 2001, os presidentes dos EUA realizaram operações militares em quase 80 países.

Críticos dizem que supostos inimigos foram capturados e torturados em nome da segurança nacional, inclusive em locais secretos da CIA e no centro de detenção na Baía de Guantánamo, em Cuba.

O ataque de drones de 2014 que matou o líder muçulmano iemenita-americano Anwar al-Awlaki também levantou questões incômodas sobre se um presidente em exercício deveria poder executar um cidadão americano sem julgamento.

Os tribunais dos EUA se recusaram, em grande parte, a se pronunciar sobre tais questões, explicou Moyn.

Ele disse que os presidentes receberam, em grande parte, uma “autorização” para tomar medidas drásticas no exterior, com os assessores jurídicos do governo encontrando maneiras criativas de dar aos abusos dos direitos humanos o aval da conformidade legal.

O presidente Barack Obama, por exemplo, assinou uma ordem executiva para acabar com o programa de tortura lançado pelo governo Bush.

Mas embora Obama tenha admitido que os EUA “torturaram algumas pessoas”, ele se recusou a processar os responsáveis ​​sob a administração anterior, apelando ao país para “olhar para a frente, não para trás”.

Os EUA também têm sido hostis aos esforços internacionais para garantir que atos criminosos sejam processados.

Durante o governo Bush, o Congresso chegou ao ponto de aprovar um projeto de lei autorizando a invasão de Haia caso os americanos fossem julgados pelo TPI.

“Muitos americanos passaram a ver como normal ter o império da lei em casa e nenhum no exterior”, disse Moyn. “Você não pode lamentar a erosão do império da lei domesticamente quando você estava torcendo por sua abolição no exterior.”

Donald Trump gesticula com as duas mãos em uma mesa com assessores na Casa Branca.
O então presidente Donald Trump fala sobre a fronteira EUA-México na Casa Branca em março de 2019 [Jonathan Ernst/Reuters]

“Um ditador no primeiro dia”

Ainda assim, alguns especialistas temem que a decisão do Tribunal possa ampliar os padrões de impunidade que há muito definem o poder executivo no exterior.

Trump, o quase certo candidato republicano à Casa Branca em 2024, prometeu exercer o poder executivo para esmagar seus inimigos políticos.

“Segundo a opinião deste Tribunal, a única coisa que impedirá um presidente de abusar de seu poder é seu próprio senso de contenção e pessoas no poder executivo que podem não seguir suas ordens”, disse Chris Edelson, professor assistente de governo na American University e autor de Power Without Constraint: The Post 9/11 Presidency and National Security.

No ano passado, por exemplo, Trump disse que seria um ditador, mesmo que apenas em seu primeiro dia de mandato, para “fechar a fronteira” com o México.

“Presidentes como Bush e Obama não eram ditadores. Mas uma vez que você dá poder irrestrito a um presidente, todos os presidentes têm esse poder. E mais adiante, você pode ter um presidente que quer ser um ditador”, disse Edelson.

“Na verdade, enfrentamos a perspectiva iminente de que um possível ditador possa assumir o cargo se Trump vencer a eleição neste outono.”

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *