• Dom. Jul 14th, 2024

O técnico de futebol masculino dos EUA deve enfrentar seus fracassos

Byadmin

Jul 4, 2024

Quando Gregg Berhalter assumiu como técnico da seleção masculina dos EUA, cinco anos e meio atrás, o programa ainda lutava para sair do momento mais sombrio de sua história.

A derrota de 2017 para Trinidad e Tobago, que significou que os EUA não conseguiram se classificar para a Copa do Mundo do ano seguinte na Rússia, foi mais do que um alerta. Forçou a liderança da US Soccer a examinar cada mancha no espelho. Destacou as falhas dos ciclos anteriores em desenvolver jovens talentos. Um ano depois daquele jogo, Berhalter foi colocado no lugar para levar a seleção nacional adiante.

Agora, depois de uma fase de grupos malsucedida na Copa América em casa, o programa dos EUA deve mais uma vez enfrentar seus fracassos.

Desta vez, parte dessa avaliação é se Berhalter é a pessoa certa para liderar o programa na Copa do Mundo de 2026, que os Estados Unidos co-sediarão com os vizinhos Canadá e México.

Se depender de Berhalter, a resposta é simplesmente “sim”. O treinador só teve uma palavra a dizer quando perguntado após a derrota para o Uruguai na segunda-feira, que tirou seu time da Copa América após a fase de grupos, se ele acreditava que ainda era a pessoa certa para o trabalho. Ele também reconheceu que a decisão não caberia a ele. A liderança da US Soccer avaliará Berhalter nos próximos dias.

VÁ MAIS FUNDO

Por dentro da análise do VAR do gol da vitória do Uruguai contra a seleção dos EUA

“Nosso desempenho no torneio ficou aquém das nossas expectativas. Precisamos melhorar”, escreveu o diretor esportivo da US Soccer, Matt Crocker, em uma declaração fornecida pela federação 90 minutos após o término do jogo contra o Uruguai. “Faremos uma revisão abrangente do nosso desempenho na Copa América e da melhor forma de melhorar o time e os resultados enquanto olhamos para a Copa do Mundo de 2026.”


Os EUA perderam para o Panamá e o Uruguai durante a fase de grupos da Copa América. (Foto de Hector Vivas/Getty Images)

A tarefa de Berhalter quando foi contratado não era simples, nem envolvia um progresso linear.

Seus primeiros times nos EUA eram uma mistura do antigo e do novo, tentando encontrar uma mistura entre experiência e juventude pura e austera. Suas primeiras convocações para torneios no verão de 2019 incluíram Weston McKennie, Tyler Adams e Christian Pulisic, todos os quais ainda não tinham jogado em uma Gold Cup, assim como Jozy Altidore e Michael Bradley, que tiveram mais de 100 convocações. Berhalter então convocou uma escalação competitiva para a Nations League de 2021. O progresso do time sob sua direção foi evidente.

O elenco foi construído principalmente em torno de jovens, com jogadores como Sergino Dest (então com sete convocações), Antonee Robinson (10), Adams (12), McKennie (21), Yunus Musah, Brenden Aaronson (ambos com quatro), Pulisic (15), Gio Reyna (também com quatro), Josh Sargent (13) e Tim Weah (10).

Os EUA venceram o torneio, conquistando sua primeira vitória marcante sobre o México no processo. Foi o primeiro de três títulos consecutivos da Liga das Nações, e Berhalter continuou adicionando novos rostos jovens ao programa.

Ele navegou com sucesso nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 com um dos times mais jovens do futebol internacional. E embora voltar à Copa do Mundo tenha sido um caminho imperfeito — os EUA terminaram em terceiro nas eliminatórias da CONCACAF — chegar ao torneio no Catar permitiu que o programa fechasse a porta para aquele fracasso de 2018. O jovem time de Berhalter então impressionou na Copa do Mundo, tendo um bom desempenho na fase de grupos antes de ser eliminado pela Holanda na primeira fase eliminatória.


Berhalter ajudou os EUA a retornar à Copa do Mundo em 2022 depois que a seleção não conseguiu se classificar em 2018 (Foto de Tim Nwachukwu/Getty Images)

A ideia por trás de todo o processo era construir uma base para a Copa do Mundo em 2026.

Berhalter fez um bom trabalho no primeiro ciclo com este time, mas o ano passado pareceu muito mais hesitante. Os líderes do US Soccer agora devem determinar se o técnico que projetou a transição de 2018 para 2022 é a pessoa certa para continuar construindo em direção ao torneio de 2026.

vá mais fundo

VÁ MAIS FUNDO

Como a marcação magistral do Uruguai eliminou a seleção masculina dos EUA da Copa América

Crocker já disse “sim” a essa pergunta uma vez, quando ele e a equipe de liderança da US Soccer, incluindo a presidente Cindy Parlow Cone e o CEO e secretário-geral JT Batson, trouxeram Berhalter de volta no verão passado. Mas o fracasso da USMNT em sair do seu grupo da Copa América causou mais um referendo sobre o programa.

Isoladamente, seria duro colocar toda a culpa por esse fracasso em Berhalter e na comissão técnica. O cartão vermelho de Weah no primeiro tempo, sem dúvida, impactou o resultado do Panamá, o que alterou o caminho para as oitavas de final. Mas os resultados como um todo no ano passado sugerem mais estagnação do que progresso. Os times de Berhalter ainda não têm uma vitória marcante sobre um adversário de ponta. Os últimos 12 meses foram de derrotas para a Alemanha e a Colômbia, esta última por um placar vergonhoso de 5 a 1. Um empate contra o Brasil foi positivo, mas foi seguido em poucas semanas por essa eliminação da Copa América.

Não conseguir sair do grupo foi uma grande oportunidade perdida em vários níveis, desde o crescimento do time até o impacto potencial no crescimento do esporte nos EUA em um verão de futebol que pode capturar novos fãs e crescer até 2026.

Berhalter é um treinador orientado a processos, precisamente sintonizado com os detalhes de seu programa. Sua ética de trabalho exaustiva é bem conhecida por qualquer um que esteja na equipe ao longo desses cinco anos e meio. Para Berhalter, o que aconteceu na Copa América foi um revés.

“Sabemos que somos capazes de mais, e neste torneio, não mostramos isso”, disse Berhalter. “É realmente tão simples quanto isso.” Mas, assim como fez durante todo o seu mandato, Berhalter também enquadrou isso como um momento para tirar lições e construir.

“Quando você está em um torneio de futebol, há muito pouco que separa o sucesso do fracasso”, disse Berhalter. “É uma ação, é uma decisão do árbitro, e você pode estar em apuros. Para nós, é ter esse entendimento de que toda vez que pisamos em campo, isso tem um impacto. E acho que estamos chegando lá, mas nem sempre estamos lá. E isso é algo que podemos melhorar.”


Os jogadores dão crédito a Berhlater por criar o vínculo estreito do grupo. (Foto de Michael Reaves/Getty Images)

Após a derrota de segunda-feira no Arrowhead Stadium de Kansas City, os jogadores da zona mista apoiaram Berhalter com algumas das mesmas ideias que discutiram durante o processo de contratação mais recente do cargo. A cultura do time, que eles creditaram amplamente a Berhalter, continuou sendo uma força no grupo. Havia confiança uns nos outros, eles disseram.

“Acredito que todos nós temos conforto com Gregg, e todos nós o entendemos e o temos há muito tempo”, disse McKennie na zona mista. “Ele fez o time progredir muito além de onde começamos. Acho que a conexão que temos com ele é o que é importante, em ter um treinador pelo qual os jogadores atravessariam uma parede de tijolos, jogadores que o ouvem. E então acho que o que quer que aconteça, acontece, mas acho que se ele for o treinador, estamos todos felizes.”

Só agora, a US Soccer precisa avaliar se esse conforto é um ponto forte ou, potencialmente, um ponto fraco.

Esse nível de conforto dentro do grupo sob Berhalter os impede de seguir em frente? Os cartões vermelhos — especificamente o de Weah e o do zagueiro Dest em um jogo da Liga das Nações em Trinidad em novembro passado — são sinais de muita margem de manobra? Um grupo cheio de jogadores jovens está acostumado demais com discussões em torno de seu time como uma “geração de ouro” se tornando complacente?

Os resultados na Copa, uma vitória e duas derrotas, e no último ano, devem pelo menos desafiar a forma como esse time é discutido.

Sim, o grupo é cheio de jogadores que estão jogando pela Europa, incluindo um punhado que está em alguns dos maiores clubes do mundo. E sim, ainda era o segundo time mais jovem tanto na Copa América quanto no Campeonato Europeu, acontecendo paralelamente na Alemanha neste verão. Mas seus papéis para esses clubes variam.

Poucos são chamados para carregar seu time, e comparado aos melhores times internacionais do mundo, sem dúvida fora de Pulisic, os EUA ainda carecem de estrelas genuínas, os que fazem a diferença e podem virar os jogos de cabeça para baixo nos níveis mais altos. Isso se manifestou com um time que tem lutado para criar gols suficientes, tanto no Catar quanto neste verão.

Este time dos EUA tem talento, mas no grande esquema do futebol global, continua sendo um novato tentando desafiar os melhores. O time não pode se dar ao luxo de acreditar que chegou lá. É uma ideia que o veterano zagueiro Tim Ream pareceu sugerir na zona mista após o jogo contra o Uruguai.

“Este é um grupo fantástico, como todos sabem, e um que é muito unido, mas às vezes a intensidade cai por terra”, disse Ream à Univision. “Temos que continuar a abaixar a cabeça e continuar a trabalhar, continuar a ser humildes o suficiente para saber que há coisas que podemos continuar a melhorar, a cada dia, a cada sessão de treino, a cada jogo.

“Se os caras tiverem essa mentalidade, eles podem continuar em uma trajetória ascendente. Quando começamos a pensar que somos um produto acabado, os caras vão estagnar e ficar no nível em que estão.”

Parte disso deve recair sobre os jogadores, é claro. Esse foi certamente um tema do time após a derrota de segunda-feira. “Não acho que este torneio tenha realmente algo a ver com a equipe, as táticas ou a maneira como jogamos”, disse Reyna. “Acho que foram mais erros individuais.”

Mas parte disso também recai sobre Berhalter e a equipe.

Se os líderes da US Soccer acham que esse time precisa ser desafiado a chegar ao próximo nível, há questões legítimas sobre se a cultura do programa atualmente está preparada para isso e, se estiver, se Berhalter é a pessoa certa para isso.

“Eu não acho. Não acho que progredimos o suficiente desde a Copa do Mundo”, disse a lenda da seleção dos EUA Clint Dempsey na Fox na noite de segunda-feira, quando perguntado se Berhalter ainda é a voz certa para liderar o programa. “Não estamos no caminho certo. … Para mim, não tem sido bom o suficiente.”

Quanto aos próximos passos, há muitos fatores além do desempenho em campo que a US Soccer irá considerar. A federação provavelmente está ciente do discurso em torno de Berhalter e da seleção nacional, no qual um setor crescente de fãs treinou seu foco no técnico como o problema. “Berhalter fora” tem sido um grito de guerra nas mídias sociais, onipresente em qualquer discussão ou debate em torno da equipe.

A maior questão, porém, é quem eles procurariam se quisessem substituir Berhalter.

Não há candidatos óbvios para o cargo.

Um finalista do último ciclo de contratações, Jesse Marsch, assumiu o cargo no Canadá recentemente. Notavelmente, o Canadá avançou para a fase eliminatória da Copa América, embora com apenas um gol nos três jogos do grupo. Alguns dos candidatos de grande nome que os fãs esperariam ver custam muitas vezes o salário que a US Soccer paga atualmente a Berhalter, e isso nem começa a explicar se esses nomes iriam querer o cargo.

A decisão que a US Soccer tomar nos próximos dias e, se decidir deixar Berhalter, nas semanas seguintes, terá um impacto enorme no que acontecerá em dois anos quando a Copa do Mundo retornar a estas praias. A decepção de um resultado semelhante naquele torneio ofuscaria este fracasso atual.

Considerando os riscos e as expectativas, o trabalho da seleção masculina dos EUA parece maior do que a tarefa monumental de sair daquele fracasso em Trinidad há quase sete anos.

vá mais fundo

VÁ MAIS FUNDO

A saída da seleção dos EUA da Copa América levanta grandes questões. Mas Pulisic é o cara para respondê-las?

(Foto superior: Julio Aguilar/Getty Images)

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *