• Sex. Jul 12th, 2024

Proteger a biodiversidade à escala global: indicadores de diversidade genética prontos a usar

Byadmin

Jul 4, 2024
Ilustração Proteção global da biodiversidade: indicadores de diversidade genética prontos para uso

A diversidade genética é fundamental para a manutenção e resiliência de espécies e ecossistemas. No contexto do Kunming-Montreal Global Biodiversity Framework (CMBKM), do qual a França é signatária, um consórcio internacional, incluindo o INRAE, a Universidade Claude Bernard Lyon 1 e o Conservatoire d’espaces naturels d’Occitanie, desenvolveu e demonstrou a viabilidade de usar 2 indicadores de diversidade genética com base em dados existentes e disponíveis sem a necessidade de DNA. Um teste em grande escala foi realizado em 9 países e em mais de 900 espécies. Os resultados, publicados na Ecology letters, mostram que os indicadores podem ser calculados rapidamente com investimento limitado. Para 58% das espécies avaliadas, as populações existentes são muito pequenas e estão perdendo diversidade genética, colocando em risco sua sobrevivência a longo prazo. A partir de 2026, os 196 signatários terão que relatar o estado da diversidade genética em seu território usando esses indicadores de referência. Para ajudá-los a começar, serão organizados workshops e construídos em conjunto com as partes interessadas nacionais e locais na gestão da biodiversidade..

Para preservar e restaurar a biodiversidade, é importante conhecer e preservar a diversidade genética de cada espécie. De fato, pouca diversidade genética pode levar ao declínio de uma espécie e, finalmente, à sua extinção. O Quadro Global de Biodiversidade de Kunming-Montreal (KMGBF), adotado pela Convenção sobre Diversidade Biológica em 2022, visa pela primeira vez proteger a diversidade genética de todas as espécies selvagens e domesticadas, para garantir sua sobrevivência a longo prazo. A partir de 2026, as 196 partes signatárias, incluindo a França e a União Europeia, terão que relatar seu progresso na conservação dessa diversidade genética. Para facilitar essa dinâmica, um consórcio científico internacional desenvolveu 2 indicadores de diversidade genética com base em dados populacionais 1 , com e sem dados de DNA, revisados ​​por pares e adotados pelo CMBKM. Para verificar a viabilidade de seu uso para espécies selvagens, os cientistas realizaram um teste em larga escala em 9 países com diferentes níveis de biodiversidade e situações socioeconômicas: Austrália, Bélgica, Colômbia, França, Japão, México, África do Sul, Suécia e EUA.

Indicadores baseados em dados populacionais existentes

Cada espécie viva é dividida em várias populações geograficamente separadas. No total, os cientistas calcularam indicadores para 919 espécies de animais, plantas e fungos representando 5.271 populações, distribuídas pelos 9 países. Com base em dados já disponíveis (contagens populacionais, dados de distribuição geográfica, monitoramento demográfico, dados de DNA, etc.), eles calcularam um primeiro indicador para a proporção de populações grandes o suficiente para sustentar sua diversidade genética (compreendendo mais de 5.000 indivíduos, em média) e, portanto, sua sobrevivência a longo prazo, e um indicador complementar para a proporção de populações mantidas dentro de uma espécie.

Nos 9 países, enquanto 53% das espécies mantêm todas as suas populações, a situação continua crítica para a diversidade genética, pois para 58% das espécies, todas as populações são muito pequenas para sustentar sua diversidade genética. Apenas 19% das espécies têm populações suficientemente grandes. Na França, por exemplo, indicadores para o tetraz (uma espécie de ave selvagem protegida) mostram que 2 populações foram extintas, e apenas 1 das 4 populações restantes é grande o suficiente para sustentar sua diversidade genética. Para a angélica do estuário, uma espécie de planta encontrada apenas na França, apenas 2 das 4 populações existentes são grandes o suficiente, mas nenhuma foi perdida.

Indicadores que atendem às necessidades operacionais

A vantagem desses indicadores é que eles são aplicáveis ​​e comparáveis ​​em todos os países e para todas as espécies. Eles não exigem pesquisa de DNA ou infraestruturas especiais, e todas as informações úteis são baseadas em estimativas recentes ou atuais de tamanhos ou números populacionais, mesmo aproximações podem ser suficientes (menos de 1.000, vários milhares…). Esses dados podem vir de relatórios de pesquisa, bancos de dados institucionais, ONGs, conhecimento local, programas de ciência participativa… Os requisitos operacionais para calcular esses indicadores são, acima de tudo, pessoal humano, idealmente com conhecimento de gestão da biodiversidade, para compilar as informações (cerca de 400 horas de trabalho para avaliar 100 espécies).

Os resultados sobre a aplicação de indicadores de diversidade genética mostram que a situação é crítica para a maioria das espécies avaliadas, e que é necessário levar esses indicadores em consideração para adaptar as medidas de proteção da biodiversidade. Para o futuro, os cientistas organizarão workshops sobre o uso e a aplicação desses indicadores, co-construídos com partes interessadas nacionais e locais (representantes do Ministério da Ecologia, gestores de parques nacionais, o Observatório Nacional da Biodiversidade, etc.) como parte do projeto europeu GINAMO, coordenado na França pelo INRAE ​​e financiado pela parceria europeia Biodiversa+ para pesquisa em biodiversidade.

[1 ] Uma população se refere a todos os membros da mesma espécie que vivem na mesma área geográfica e são capazes de se reproduzir entre si.

Referências

Mastretta-Yanes A., da Silva J M. et al. (2024) Avaliação multinacional de indicadores de diversidade genética para o Kuming-Montreal Biodiversity Framework. Cartas de ecologia DOI: https://doi.org/10.1111/ele.14461

“Indicadores de diversidade genética para o Quadro Global de Biodiversidade foram desenvolvidos, testados e estão prontos para uso”, nota de política da Coalizão para a genética da conservação:

nota-policy-indicators-diversity-genetics.pdf pdf – 2,19 MB

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *