• Seg. Jul 22nd, 2024

Ray Kurzweil ainda diz que se fundirá com a AI

Byadmin

Jul 4, 2024

Sentado perto de uma janela dentro do Four Seasons Hotel de Boston, com vista para um lago de patos no Jardim Público da cidade, Ray Kurzweil ergueu uma folha de papel mostrando o crescimento constante na quantidade de poder computacional bruto que um dólar pode comprar nos últimos 85 anos.

Uma linha verde neon subia constantemente pela página, subindo como fogos de artifício no céu noturno.

Essa linha diagonal, disse ele, mostrou por que a humanidade estava a apenas 20 anos da Singularidade, um momento há muito hipotético em que as pessoas se fundirão com a inteligência artificial e se aumentarão com milhões de vezes mais poder computacional do que seus cérebros biológicos fornecem atualmente.

“Se você cria algo que é milhares de vezes — ou milhões de vezes — mais poderoso que o cérebro, não podemos prever o que ele fará”, disse ele, usando suspensórios multicoloridos e um relógio do Mickey Mouse que comprou na Disney World no início dos anos 1980.

O Sr. Kurzweil, um renomado inventor e futurista que construiu uma carreira em previsões que desafiam a sabedoria convencional, fez a mesma afirmação em seu livro de 2005, “The Singularity Is Near”. Após a chegada de tecnologias de IA como ChatGPT e esforços recentes para implantar chips de computador dentro das cabeças das pessoas, ele acredita que é o momento certo para reafirmar sua afirmação. Na semana passada, ele publicou uma sequência: “The Singularity Is Nearer”.

Agora que o Sr. Kurzweil tem 76 anos e está se movendo muito mais devagar do que costumava, suas previsões têm uma vantagem adicional. Ele há muito tempo diz que planeja experimentar a Singularidade, se fundir com a IA e, dessa forma, viver indefinidamente. Mas se a Singularidade chegar em 2045, como ele afirma que chegará, não há garantia de que ele estará vivo para vê-la.

“Até mesmo um jovem saudável de 20 anos pode morrer amanhã”, disse ele.

Mas sua previsão não é tão absurda quanto parecia em 2005. O sucesso do chatbot ChatGPT e tecnologias similares encorajou muitos cientistas da computação de destaque, executivos do Vale do Silício e capitalistas de risco a fazer previsões extravagantes sobre o futuro da IA ​​e como ela alterará o curso da humanidade.

Gigantes da tecnologia e outros investidores abastados estão injetando bilhões no desenvolvimento de IA, e as tecnologias estão se tornando mais poderosas a cada poucos meses.

Muitos céticos alertam que previsões extravagantes sobre inteligência artificial podem ruir à medida que a indústria luta com os limites das matérias-primas necessárias para construir IA, incluindo energia elétrica, dados digitais, matemática e capacidade de computação. O tecno-otimismo também pode parecer míope — e intitulado — diante dos muitos problemas do mundo.

“Quando as pessoas dizem que a IA resolverá todos os problemas, elas não estão realmente olhando para as causas desses problemas”, disse Shazeda Ahmed, pesquisadora da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, que explora alegações sobre o futuro da IA.

O grande salto, é claro, é imaginar como a consciência humana se fundiria com uma máquina, e pessoas como o Sr. Kurzweil lutam para explicar exatamente como isso aconteceria.

Nascido na cidade de Nova York, o Sr. Kurzweil começou a programar computadores quando adolescente, quando os computadores eram máquinas do tamanho de uma sala. Em 1965, aos 17 anos, ele apareceu no programa de televisão da CBS “I’ve Got a Secret”, tocando uma peça para piano composta por um computador que ele projetou.

Enquanto ainda era aluno da Martin Van Buren High School, no Queens, ele trocou cartas com Marvin Minsky, um dos cientistas da computação que fundou o campo da inteligência artificial em uma conferência em meados da década de 1950. Ele logo se matriculou no Instituto de Tecnologia de Massachusetts para estudar com o Dr. Minsky, que havia se tornado o rosto dessa nova busca acadêmica — uma mistura de ciência da computação, neurociência, psicologia e uma crença quase religiosa de que máquinas pensantes eram possíveis.

Quando o termo inteligência artificial foi apresentado pela primeira vez ao público durante uma conferência de 1956 no Dartmouth College, o Dr. Minsky e os outros cientistas da computação reunidos lá não achavam que levaria muito tempo para construir máquinas que pudessem igualar o poder do cérebro humano. Alguns argumentaram que um computador venceria o campeão mundial de xadrez e descobriria seu próprio teorema matemático dentro de uma década.

Eles estavam um pouco otimistas demais. Um computador não venceria o campeão mundial de xadrez até o final dos anos 1990. E o mundo ainda está esperando por uma máquina para descobrir seu próprio teorema matemático.

Depois que o Sr. Kurzweil construiu uma série de empresas que desenvolveram tudo, de tecnologias de reconhecimento de fala a sintetizadores musicais, o presidente Bill Clinton concedeu a ele a Medalha Nacional de Tecnologia e Inovação, a maior honraria do país por conquistas em inovação tecnológica. Seu perfil continuou a crescer enquanto ele escrevia uma série de livros que previam o futuro.

Por volta da virada do século, o Sr. Kurzweil previu que a IA se igualaria à inteligência humana antes do fim da década de 2020 e que a Singularidade viria 15 anos depois. Ele repetiu essas previsões quando os principais pesquisadores de IA do mundo se reuniram em Boston em 2006 para celebrar o 50º aniversário do campo.

“Houve risadinhas educadas”, disse Subbarao Kambhampati, pesquisador de IA e professor da Universidade Estadual do Arizona.

A IA começou a melhorar rapidamente no início da década de 2010, quando um grupo de pesquisadores da Universidade de Toronto explorou uma tecnologia chamada rede neural. Esse sistema matemático poderia aprender habilidades analisando grandes quantidades de dados. Ao analisar milhares de fotos de gatos, ele poderia aprender a identificar um gato.

Era uma ideia antiga descartada por pessoas como o Dr. Minsky décadas antes. Mas começou a funcionar de maneiras reveladoras, graças às enormes quantidades de dados que o mundo havia carregado na internet — e à chegada do poder computacional bruto necessário para analisar todos esses dados.

O resultado, em 2022, foi o ChatGPT. Ele foi impulsionado por esse crescimento exponencial no poder de computação.

Geoffrey Hinton, o professor da Universidade de Toronto que ajudou a desenvolver a tecnologia de rede neural e pode ser mais responsável por seu sucesso do que qualquer outro pesquisador, certa vez rejeitou a previsão do Sr. Kurzweil de que as máquinas excederiam a inteligência humana antes do fim desta década. Agora, ele acredita que foi perspicaz.

“Sua previsão não parece mais tão tola. As coisas estão acontecendo muito mais rápido do que eu esperava”, disse o Dr. Hinton, que até recentemente trabalhou no Google, onde o Sr. Kurzweil liderou um grupo de pesquisa desde 2012.

O Dr. Hinton está entre os pesquisadores de IA que acreditam que as tecnologias que impulsionam chatbots como o ChatGPT podem se tornar perigosas — talvez até mesmo destruir a humanidade. Mas o Sr. Kurzweil é mais otimista.

Ele previu há muito tempo que os avanços em IA e nanotecnologia, que poderiam alterar os mecanismos microscópicos que controlam a maneira como nossos corpos se comportam e as doenças que os afligem, vão empurrar para trás a inevitabilidade da morte. Em breve, ele disse, essas tecnologias estenderão as vidas em uma taxa mais rápida do que as pessoas envelhecem, eventualmente atingindo uma “velocidade de escape” que permite que as pessoas estendam suas vidas indefinidamente.

“No início da década de 2030, não morreremos por causa do envelhecimento”, disse ele.

Se ele puder chegar a esse momento, explicou o Sr. Kurzweil, ele provavelmente poderá alcançar a Singularidade.

Mas as tendências que ancoram as previsões do Sr. Kurzweil — gráficos de linhas simples mostrando o crescimento do poder dos computadores e de outras tecnologias ao longo de longos períodos de tempo — nem sempre continuam da maneira que as pessoas esperam, disse Sayash Kapoor, pesquisador da Universidade de Princeton e coautor do influente boletim informativo online “AI Snake Oil” e de um livro de mesmo nome.

Quando um repórter do New York Times perguntou ao Sr. Kurzweil se ele estava prevendo a imortalidade para si mesmo em 2013, ele respondeu: “O problema é que não posso falar com você por telefone no futuro e dizer: ‘Bem, eu fiz isso, vivi para sempre’, porque nunca é para sempre.” Em outras palavras, ele nunca poderia ser provado certo.

Mas ele pode estar errado. Sentado perto da janela em Boston, o Sr. Kurzweil reconheceu que a morte vem em muitas formas. E ele sabe que sua margem de erro está diminuindo.

Ele se lembrou de uma conversa com sua tia, uma psicoterapeuta, quando ela tinha 98 anos. Ele explicou sua teoria da velocidade de escape da longevidade da vida — que as pessoas eventualmente chegarão a um ponto em que poderão viver indefinidamente. Ela respondeu: “Você pode, por favor, se apressar com isso?” Duas semanas depois, ela morreu.

Embora o Dr. Hinton esteja impressionado com a previsão do Sr. Kurzweil de que as máquinas se tornarão mais inteligentes que os humanos até o final da década, ele está menos impressionado com a ideia de que o inventor e futurista viverá para sempre.

“Acho que um mundo governado por homens brancos de 200 anos seria um lugar terrível”, disse o Dr. Hinton.

Áudio produzido por Patrícia Sulbarán.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *