• Seg. Jul 22nd, 2024

Senador Lindsey Graham critica palestinos como “radicalizados” em postagem social

Byadmin

Jul 4, 2024

O senador dos Estados Unidos Lindsey Graham provocou indignação após responder a protestos do lado de fora de sua casa em Seneca, Carolina do Sul, com comentários antipalestinos nas redes sociais.

“Os palestinos em Gaza são a população mais radicalizada do planeta, que é ensinada a odiar os judeus desde o nascimento. Levará anos para consertar esse problema”, disse Graham em um publicar na plataforma de mídia social X, anteriormente conhecida como Twitter.

“Quando ouço ‘do rio ao mar’, isso me lembra ‘a Solução Final’. Os terroristas do Hamas são a SS com esteroides”, ele acrescentou, fazendo uma comparação com uma organização paramilitar nazista, a Schutzstaffel (SS).

Como parte da publicação, Graham compartilhou um vídeo de uma pequena fila de manifestantes — cerca de 20 no total — que seguravam uma grande bandeira palestina na rua em frente à sua casa e gritavam: “Lindsey Graham, não terminamos. A Intifada apenas começou.”

Os comentários de quinta-feira ocorreram no feriado de 4 de julho, quando os EUA celebram sua Declaração de Independência, e Graham usou sua postagem para denunciar o protesto como perturbador.

“Embora eu respeite o direito de protestar pacificamente, peço desculpas aos meus vizinhos e suas famílias pela perturbação no dia 4 de julho causada por este grupo pró-palestino”, escreveu ele.

“Eventos como este me deixam mais determinado do que nunca a ficar ao lado de Israel, desradicalizar o povo palestino e marchar em direção a um mundo melhor e mais estável.”

Os comentários são os mais recentes de uma série de observações antipalestinas do senador republicano, que anteriormente sugeriu que Israel teria justificativa para usar armas nucleares em Gaza, onde lidera uma campanha militar mortal desde outubro.

“Escute, aqui está o que eu diria sobre lutar contra um inimigo que quer matar você e sua família. Por que jogamos duas bombas — bombas nucleares — em Hiroshima e Nagasaki? Para acabar com uma guerra que não podíamos perder”, ele disse ao Meet the Press da NBC em maio. “Você não entende, aparentemente, o que Israel está enfrentando.”

Esses comentários televisionados, em parte, desencadearam o protesto em frente à casa de Graham na quinta-feira.

Um grupo chamado Partido pelo Socialismo e Libertação (PSL) organizou a manifestação para responder à sua “posição agressiva” sobre Israel. Em uma declaração divulgada à mídia local, ele alertou que a “retórica belicista de Graham exacerbou a crise humanitária em Gaza”.

“Sou palestina e tenho amigos e familiares na Palestina”, disse Rose Hassouneh, membro do PSL, a uma afiliada local da ABC News. “Estou participando desta campanha para apoiar a luta deles pela libertação e porque precisamos acabar com todo o apoio dos EUA ao regime de apartheid israelense.”

Mais de 38.000 palestinos foram mortos em Gaza desde que Israel iniciou sua guerra em 7 de outubro, após um ataque do grupo palestino Hamas que matou 1.139 pessoas.

A ofensiva militar e o cerco geraram temores de genocídio no enclave palestino, e as Nações Unidas e grupos de direitos humanos alertaram sobre um alto risco de fome.

A maioria dos americanos também desaprova as ações de Israel em Gaza: a agência de pesquisa Gallup descobriu em março que 55% se opõem à ofensiva militar, e a aprovação caiu para 36%.

Mas os EUA continuaram a enviar armas e ajuda a Israel, apesar do clamor, particularmente de grupos árabes, muçulmanos e progressistas no país. Os EUA contribuem com US$ 3,8 bilhões em ajuda militar a Israel a cada ano, e comprometeram bilhões de dólares em fundos e suprimentos adicionais durante a guerra.

Graham faz parte da maioria bipartidária no Congresso que apoia uma forte assistência dos EUA a Israel.

Tanto democratas quanto republicanos resistiram aos apelos para impor condições a essa ajuda a fim de pressionar por salvaguardas humanitárias.

O governo do presidente Joe Biden, um democrata, também permaneceu firme em seu apoio “irrevogado” a Israel durante a guerra, apesar de algumas críticas ao custo humanitário da guerra.

No início de maio, por exemplo, Biden anunciou que havia suspendido um único carregamento de bombas pesadas para Israel, citando preocupações sobre seu uso no ataque israelense a Rafah, uma cidade no sul de Gaza.

Mas os EUA continuaram enviando outros carregamentos de armas para Israel e, no mês passado, a mídia americana e israelense informou que Biden deve liberar o carregamento interrompido em breve, em meio a críticas sobre sua decisão.

Graham não é o único membro do Congresso dos EUA a enfrentar críticas por comentários antipalestinos.

Em fevereiro, o representante republicano Andy Ogles foi filmado caminhando pelos corredores do Congresso, dizendo aos manifestantes anti-guerra: “Acho que deveríamos matá-los todos”.

“O Hamas e os palestinos vêm atacando Israel há 20 anos, e é hora de pagar a conta”, acrescentou.

O próprio Biden provocou raiva quando questionou o rápido aumento do número de mortos palestinos em outubro.

“Não tenho noção de que os palestinos estejam dizendo a verdade sobre quantas pessoas foram mortas”, disse Biden em uma entrevista coletiva.

Os defensores disseram que tais comentários contribuem para o ódio antipalestino, islamofóbico e antiárabe. Em abril, o Conselho de Relações Americano-Islâmicas (CAIR) disse ter recebido 8.061 relatos de ódio antimuçulmano em 2023, metade dos quais ocorreram após o início da guerra em Gaza.

Também houve ataques de alto nível contra palestinos-americanos desde o início da guerra.

Em outubro, um menino palestino-americano de seis anos chamado Wadea al-Fayoume foi esfaqueado até a morte por seu vizinho, que supostamente gritou: “Vocês, muçulmanos, devem morrer!” A mãe de Al-Fayoume também ficou ferida no ataque.

E em junho, uma mulher em Euless, Texas, foi acusada de tentativa de homicídio por supostamente tentar afogar uma menina palestino-americana de três anos na piscina de seu complexo de apartamentos.

Ainda assim, os críticos acusaram Washington de minimizar o ódio que grupos palestinos, árabes e muçulmanos enfrentam desde o início da guerra.

Eles também acusam os políticos de deturpar os objetivos dos manifestantes pró-palestinos como antissemitas: em vez disso, muitos dos protestos pediram um cessar-fogo em Gaza e o desinvestimento de empresas ligadas a abusos de direitos humanos por parte de Israel.

Na semana passada, por exemplo, a Câmara dos Representantes votou para aprovar um projeto de lei que proíbe o Departamento de Estado dos EUA de fazer referência a estatísticas sobre o número de mortos palestinos do Ministério da Saúde de Gaza.

As estatísticas, no entanto, são amplamente consideradas confiáveis ​​por organizações internacionais e observadores independentes.

“Seis crianças, senhor presidente, seis são mortas em Gaza a cada hora. Mas os palestinos não são apenas números. Por trás desses números estão pessoas reais — mães, pais, filhos, filhas que tiveram suas vidas roubadas e suas famílias despedaçadas, e não deveríamos tentar esconder isso”, disse a representante palestino-americana Rashida Tlaib no plenário da Câmara dos Representantes.⁠

“Há tanto racismo antipalestino nesta câmara que meus colegas nem querem reconhecer que os palestinos existem, nem quando estão vivos e nem agora quando estão mortos.”



Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *