• Sáb. Jul 13th, 2024

O antissemitismo na Europa leva alguns judeus a buscar segurança em Israel

Byadmin

Jul 5, 2024

Ashdod, sul de Israel — Haverá um segundo turno decisivo de votação na França no domingo, depois que o Partido da União Nacional, de extrema direita, liderado por Marine Le Pen, venceu amplamente o presidente centrista Emmanuel Macron no primeiro turno da eleição nacional, exatamente uma semana antes.

O partido de Le Pen tem um histórico de racismo, antissemitismo e islamofobia que remonta a décadas. Algumas figuras judaicas proeminentes na França — que é amplamente considerada como tendo a maior população judaica da Europa — dizem que tem havido mais antissemitismo ultimamente, não apenas da extrema direita, mas também da esquerda.

A tensão tem montado em toda a Europa desde o início de A guerra de Israel com o Hamas na Faixa de Gaza, com grandes manifestações, a maioria delas pró-palestinas, realizadas nas principais cidades do continente.

TOPSHOT-GRÃ-BRETANHA-PALESTINOS-ISRAEL-CONFLITO-PROTESTO
Manifestantes seguram cartazes e agitam bandeiras palestinas enquanto participam da “Marcha Nacional por Gaza” no centro de Londres, em 8 de junho de 2024.

BENJAMIN CREMEL/AFP/Getty


Imagens angustiantes de Gaza alimentaram indignação e, em alguns casos alarmantes, o antissemitismo foi visto e ouvido. Em um dos exemplos mais preocupantes, algumas pessoas até comemoraram nas ruas de Londres no dia em que militantes do Hamas mataram cerca de 1.200 pessoas em seu ataque terrorista sem precedentes a Israel.

Quase 40% dos incidentes antissemitas no mundo no ano passado aconteceram na Europa, e houve um pico depois daquele ataque de 7 de outubro pelo Hamas. Na Alemanha, eles quase dobraram. No Reino Unido, eles mais que dobraram. E na França, eles quase quadruplicaram.

Esses incidentes e o ódio subjacente a eles levaram algumas famílias judias a não se afastarem mais da guerra, mas sim se aproximarem dela — de Israel.

Os pedidos de judeus franceses para se mudarem para Israel aumentaram 430% desde outubro.

Entre aqueles que já fizeram essa mudança estão Sarah Zohar e sua família, que viviam uma vida confortável na França — até que seus filhos foram atacados enquanto caminhavam para o treino esportivo.

israel-europa-antisemitismo.jpg
Sarah Zohar empurra seus filhos em um carrossel em um playground em Ashdod, no sul de Israel, para onde eles se mudaram depois de enfrentar o antissemitismo na França em meio à guerra entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza.

Notícias da CBS


Eles fizeram as malas e se mudaram para a cidade de Ashdod, no sul de Israel, a apenas 24 quilômetros da Faixa de Gaza, que o Hamas governou por quase 20 anos e de onde lançou seu ataque em outubro.

“Eu me sinto mais segura aqui”, disse Zohar à CBS News, mas ela não finge que foi uma transição fácil para sua família.

“Eu tenho um filho de 12 anos, e ele me disse: ‘Não quero ir para Israel, porque não quero que as pessoas venham à minha casa, me matem com uma faca e cortem minha cabeça”, ela disse. “Eu disse a ele: ‘Você não tem nada a temer. Temos um exército para nos defender.'”

A cerca de 3.200 quilômetros de distância, em Paris, o rabino Tom Cohen disse que os judeus estavam se lembrando do antissemitismo da Segunda Guerra Mundial e, para alguns, parecia que “não superamos isso, e ele ainda está aqui — apenas mudou de forma, como muitos vírus mudam e sofrem mutações”.

A CBS News conheceu Guila e Eitan Elbazis quando eles se mudaram para sua nova casa em Ashdod, depois de deixarem suas vidas em Londres.

Eles exibiram seu novo abrigo antiaéreo.

elbazis-israel-cbs.jpg
Guila e Eitan Elbazis mostram a Chris Livesay (à esquerda), da CBS News, o quarto seguro em sua nova casa em Ashdod, no sul de Israel, depois que o casal se mudou de Londres para criar uma família e escapar do crescente antissemitismo.

Notícias da CBS


“Espero, por favor, Deus, que não haja nenhum foguete, mas, como você pode ver, esta porta é à prova de balas e tranca”, disse Giulia.

Quando os Elbazis começaram uma família, eles decidiram que preferiam lidar com a ameaça do Hamas e do Hezbollah à sua porta do que com o ódio nas ruas de Londres.

“Acho que há um sentimento geral de medo, ansiedade e falta de conforto em Londres”, disse Eitan.

“Como se eu tivesse que esconder quem eu sou para estar segura”, concordou Giulia.

Eles disseram que se sentiam mais seguros em Israel, “sem dúvida. Sem nem pensar nisso”.

“Temos instituições aqui para nos defender”, disse Eitan.

Giulia acrescentou que, embora Israel seja um país em guerra, “este é o lar” e, para eles, é um lar onde não precisam esconder quem são.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *