• Qui. Jul 18th, 2024

Pesquisadores ocidentais pretendem mudar a tecnologia contraceptiva com novos DIUs de ferro

Byadmin

Jul 5, 2024
Samantha Gateman, química, está determinada a encontrar uma solução alternativa para c

Samantha Gateman, química, está determinada a encontrar uma solução alternativa para métodos contraceptivos com efeitos colaterais desafiadores.

Quando a professora de química Samantha Gateman percebeu que não havia nenhum dispositivo intrauterino (DIU) não hormonal no mercado sem efeitos colaterais significativos, ela se inspirou para fazer uma mudança.

Como químico que estuda corrosão, Gateman não tinha experiência anterior em tecnologia contraceptiva, mas estava curioso sobre a escolha do cobre para DIUs e interessado em possíveis alternativas.

“Eu tinha tentado vários anticoncepcionais hormonais e tive experiências realmente ruins”, disse Gateman. “Eu estava procurando por algo de longo prazo, mas não hormonal. A única opção disponível era o DIU de cobre, que pesquisas anteriores mostraram ter uma série de efeitos colaterais negativos.”

Agora, uma equipe interdisciplinar de pesquisadores da Western — de químicos a especialistas médicos e cientistas sociais — está desenvolvendo um DIU de ferro, com o objetivo de fornecer uma alternativa mais suave à versão de cobre comumente usada.

Pesquisas anteriores mostraram que, embora os DIUs sejam altamente eficazes e duradouros, eles não são isentos de desvantagens. Embora os DIUs hormonais usem uma dose menor de hormônios do que outros anticoncepcionais, como pílulas anticoncepcionais, eles ainda podem causar efeitos colaterais, como sensibilidade mamária, dores de cabeça, acne, alterações de humor, depressão e ganho de peso. Os DIUs de cobre não hormonais, por outro lado, geralmente levam a mais efeitos colaterais físicos, incluindo dor pélvica e cólicas estomacais.

O projeto, liderado por Gateman, visa abordar os efeitos colaterais e as limitações associadas aos DIUs existentes, potencialmente transformando o cenário da contracepção.

Um artigo de perspectiva sobre sua motivação para desenvolver novos materiais para DIUs não hormonais e delineando a literatura atual sobre materiais para DIU foi publicado recentemente no periódico Saúde da Mulher . O artigo também explora as considerações experimentais e as barreiras sociais para levar um novo DIU ao mercado.

O que é um DIU?

Um dispositivo intrauterino, comumente conhecido como DIU, é um pequeno dispositivo em forma de T que é inserido no útero para evitar a gravidez.

“O DIU atravessa o colo do útero feminino e seu formato em T permite que ele se encaixe perfeitamente na cavidade uterina, evitando que caia”, disse Gateman.

Existem dois tipos principais de DIUs: hormonais e não hormonais. O DIU hormonal libera uma pequena quantidade de hormônios diretamente na cavidade uterina, o que previne a gravidez ao engrossar o muco cervical para bloquear o esperma e, às vezes, interromper a ovulação. Este tipo de DIU também pode reduzir o sangramento menstrual e as cólicas.

Dispositivo intrauterino hormonal (imagens da Reproductive Health Supplies Coalition/Unsplash)

O DIU não hormonal, que normalmente é feito de cobre, funciona de forma diferente.

“O DIU de cobre tem um pedaço de fio de cobre enrolado ao redor do corpo principal do T, e parte do cobre se oxida quando exposto ao ambiente uterino. Esses íons de cobre interagem com os espermatozoides e os impedem, tornando-os imóveis”, disse Gateman.

“Os mesmos íons de cobre responsáveis ​​pelo mecanismo contraceptivo também causam inflamação”, disse ela.

Essa revelação a levou a explorar metais alternativos que poderiam fornecer os mesmos benefícios contraceptivos sem os efeitos colaterais negativos.

A experiência de Gateman estudando química da corrosão durante seu doutorado influenciou sua abordagem para desenvolver DIUs com metais alternativos.

“Outros metais, como ferro ou zinco, corroem mais rápido que o cobre, o que significa que os DIUs feitos desses metais teriam que ser maiores para durar tanto, o que os torna desconfortáveis”, disse ela.

O novo projeto de DIU não hormonal visa abordar essas questões ao fornecer uma alternativa que reduz a resposta inflamatória causada por íons de cobre. O objetivo de usar ferro ou zinco e um revestimento de polímero especialmente desenvolvido é criar um dispositivo que ofereça contracepção eficaz com menos efeitos colaterais.

A equipe se reúne frequentemente para discutir progressos e desafios. O foco atual é quantificar a concentração de íons metálicos necessários para contracepção eficaz, minimizando efeitos colaterais adversos.

Colaboração interdisciplinar

O projeto foi iniciado pela Iniciativa de Desenvolvimento Interdisciplinar Ocidental (IDI), com financiamento concedido à equipe em 2023. A equipe de pesquisadores envolve médicos, químicos, cientistas sociais e especialistas em estudos de mulheres e gênero.

Gateman enfatizou a importância dessa colaboração: “Este projeto requer especialistas da Schulich School of Medicine & Dentistry, bem como ginecologistas, químicos de polímeros e cientistas sociais. É um projeto de equipe.”

Kate Choi, professora de sociologia e diretora do Centro de Pesquisa sobre Desigualdade Social, desempenha um papel crucial em garantir a acessibilidade e aceitabilidade do novo DIU em comunidades diversas.

Kate Choi

“Garantir que aqueles com necessidades contraceptivas não encontrem obstáculos importantes no acesso a contraceptivos é um objetivo fundamental”, disse Choi.

Sua pesquisa sobre fertilidade em diversas populações informa o objetivo do projeto de fornecer uma opção contraceptiva eficaz, acessível e culturalmente sensível.

O trabalho de Choi busca fazer do “acesso equitativo” um foco em cada estágio de desenvolvimento do novo DIU não hormonal.

“Queremos garantir que, uma vez desenvolvido, o novo DIU seja uma opção contraceptiva segura e acessível para todos os indivíduos com necessidades contraceptivas, incluindo aqueles de comunidades marginalizadas”, disse ela.

A equipe planeja conduzir pesquisas para entender o histórico de acesso a métodos contraceptivos e as preferências de diversos grupos sociodemográficos, garantindo que o novo DIU atenda às suas necessidades.

“Precisamos entender onde diferentes grupos recebem cuidados de saúde reprodutiva e adaptar nossas estratégias de distribuição adequadamente”, disse Choi.

Essa abordagem garante que os benefícios e o uso adequado do novo DIU sejam comunicados de forma eficaz a todos os usuários em potencial.

“Dadas as mudanças legislativas que afetam os direitos reprodutivos das mulheres em muitos lugares, como EUA e Polônia, ter métodos contraceptivos de longo prazo e de baixa manutenção é cada vez mais importante”, disse Choi.

O aumento do custo de vida e a incerteza econômica ressaltam ainda mais a necessidade de métodos contraceptivos confiáveis ​​e acessíveis para o planejamento familiar.

Os próximos passos

Dean Betts, professor de Medicina e Odontologia da Schulich, é outro colaborador-chave. Seu trabalho envolve o uso de embriões sintéticos para estudar os efeitos de metais e polímeros corrosivos no desenvolvimento embrionário.

Reitor Betts

“Não tenho experiência em corrosão de metais, e os químicos têm conhecimento limitado de embriologia. Mas juntos, criamos algo especial”, disse ele.

Olhando para o futuro, Betts descreveu os próximos passos do projeto. A equipe deve finalizar o processo de revestimento de polímero, conduzir testes extensivos in vitro e in vivo e, eventualmente, avançar para testes clínicos em humanos.

“Este projeto começou como uma paixão e tem o potencial de fazer uma diferença significativa”, disse Gateman.

Uma grande equipe de pesquisadores está envolvida no projeto, incluindo outros colaboradores Joe Bryan Gilroy, Kirsten Oinonen, Lori Chambers e Basim Abu Rafea.

Source

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *