• Seg. Jul 15th, 2024

Nova política da Petrobras para os combustíveis completa um mês com preços próximos ao modelo anterior

Byadmin

Jun 18, 2023

Especialistas ouvidos pelo g1 avaliam que preços praticados na venda às distribuidoras caíram pouco e continuam parecidos com os valores de importação.

A nova política da Petrobras para os combustíveis completa um mês neste sábado (17). De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP) , a redução é de 1% e 9% nos preços da gasolina e do diesel, respectivamente, na bomba.

Isso porque, segundo especialistas consultados pelo g1, a estatal tem mantido valores muito próximos de sua estratégia anterior nas vendas às distribuidoras.

Nos últimos 6 anos, a Petrobras adotou a chamada “política de paridade de importação”. Isso significa que o preço dos combustíveis vendidos para as distribuidoras no Brasil era determinado pelo custo de importar e trazer esses produtos até os portos nacionais.

A estratégia considerava o valor de cotação do dólar e do barril de petróleo, além dos gastos com transporte, taxas e seguros.

Essa política favoreceu os importadores de combustíveis, que conseguiam competir com a Petrobras. A empresa tem a maior fatia do mercado nacional. Se ela pratica em suas refinarias um preço perto do de importação, os importadores conseguem competir.

Para a Petrobras, isso é vantajoso, já que o custo de importação é maior que o custo da produção nas refinarias.

Mas a política de preços mudou em maio, para atender a um anseio do governo, que quer derrubar os preços dos combustíveis.

Na ocasião, a Petrobras explicou que os seus preços para as distribuidoras estaria no intervalo entre:

o maior valor que um comprador pode pagar antes de querer procurar outro fornecedor
e o menor valor que a Petrobras pode praticar na venda mantendo o lucro
Segundo o sócio da Leggio Consultoria, Marcus D’Elia, esse preço tem sido cerca de 5% menor que a paridade de importação, variando ocasionalmente de 3% a 8%. Ou seja, não está distante da estratégia anterior.

“Nesse período, desde o anúncio até agora, esses valores estão variando em torno de 5%. É tipicamente o que chamamos de ‘PPI [preço de paridade de importação] menos’ . Ou seja, não há uma grande variação em relação ao PPI, mas sim uma variação pequena”, afirmou.

E por que isso acontece?
Para o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Edmar Almeida, a proximidade entre o preço da Petrobras e a paridade de importação se justifica pela estabilidade no preço do petróleo e valorização do real no período.

Ou seja, o dólar baixou em relação ao real. Como o valor do dólar é um fator que encarecia o PPI, quando o dólar cai, o PPI cai também.

“São muitas partes em movimento. Se, por um lado, o preço da refinaria ficou parado, por outro lado, o preço do dólar caiu. O dólar que estava a R$ 5,10 foi a R$ 4,85 e isso ajudou a manutenção da paridade internacional”, disse.

O presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), Sergio Araújo, afirma que o preço da Petrobras “está muito pouco abaixo da paridade de importação”, justamente por conta da valorização do real e pela cotação do barril de petróleo.

No entanto, Araújo afirma que falta transparência na política da Petrobras, o que gera insegurança entre os importadores. “A política de preços é muito vaga, tem alguns parâmetros na composição de preço que não são transparentes, não são claros, isso gera insegurança e consequentemente fragilidades para as operações dos importadores”, disse.

Segundo o professor da UFRJ, a Petrobras não demonstrou a intenção se descolar do preço de paridade internacional, principalmente para o diesel.

É importante lembrar que o preço praticado pela Petrobras nas refinarias, se ficar muito abaixo do custo de importação, pode inviabilizar a atividade dos importadores de combustíveis no país. Cerca de 25% da demanda nacional do combustível é suprida por importações.

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *