• Qui. Fev 22nd, 2024

Kuss vence em dia perfeito para a Jumbo-Visma – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Ago 31, 2023

Depois de dois dias seguidos com chegadas ao sprint e numa fase precoce da Vuelta, a classificação podia ainda estar um pouco embrulhada, com falsos candidatos à camisola vermelha a ocuparem os lugares cimeiros da geral. Acontece que não era isso que se verificava. Os favoritos à vitória final reuniam-se todos no topo da classificação com variações ligeiras nos postos devido a imprevistos de alguns corredores. No fim de tudo, João Almeida (UAE Team Emirates), ágil na fuga aos problemas, encontrava-se no décimo lugar a 48 segundos do camisola vermelha Remco Evenepoel (Soudal Quick-Step).

A sexta etapa terminava no Pico del Buitre, onde, no topo, o Observatório de Astrofísico de Javalambre esperava os ciclistas. Num dia em que a Terra vai poder assistir ao fenómeno da Super Lua Azul, o cimo de uma montanha não deve ser um sítio mau para se estar. Como preço a pagar pela vista privilegiada, o pelotão ia sentir nas pernas o peso de uma subida até ao espaço sideral. Afinal, a contagem de primeira categoria que antecedia a meta tinha uma média de 8% de inclinação, sendo que, em alguns pontos, podia chegar aos 16%. Seriam 11 quilómetros para os ciclistas marcarem diferenças.

Não é para quem quer, é para quem resiste: Kaden Groves vence segunda etapa consecutiva da Vuelta

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Restava também saber se o vencedor da etapa sairia do grupo dos candidatos ou de uma fuga. Romain Bardet (Team DSM) transformou o azar em sorte, uma vez que, na etapa desta quarta-feira, foi afetado por um furo a cerca de cinco quilómetros do fim, quando os tempos ainda não estavam neutralizados. Os 5.29 minutos que o francês perdeu levaram-no a poder candidatar-se a vencer corridas, sendo certamente a chegada a Javalambre uma possibilidade para atacar o triunfo.

Não se vá dar o caso da Vuelta de decidir por detalhes como aconteceu com o Tour, cada segundo é importante. Remco Evenepoel colocou-se na luta pelo sprint intermédio e ganhou 6 segundos de bonificação. Mais tarde, o segundo classificado da geral, Enric Mas (Movistar), disse que também queria ter entrado nessa luta mas falhou o timing. “Queria entrar no sprint intermédio como o Remco fez, mas fiquei sem tempo. Vi a placa de dois quilómetros e a próxima que vi pensei que fosse a placa de um quilómetro, mas já era a meta do sprint”, comentou o espanhol, colega de equipa de Rúben Guerreiro, português que abandonou a Vuelta.

A ação na etapa seis começou por ter outro português em evidência. Rui Costa (Intermarché-Wanty) tentou integrar um grupo formado por Thomas De Gendt (Lotto) e Diego Andrés Camargo (EF Education), mas as intenções do trio acabaram por não valer de nada. O início da corrida foi um autêntico caos, com grupos demasiado numerosos a tentaram a fuga. Rui Costa estava determinado e voltou a tentar adiantar-se. Assim foi, embora tenha levado consigo muita gente de relevo.

A presença de Marc Soler (UAE Team Emirates) na frente não deixou de causar surpresa uma vez que os líderes da equipa, João Almeida e Juan Ayuso, ficavam desprotegidos no pelotão. A postura ofensiva do espanhol causou ainda mais espanto quando foi anunciado que Jay Vine abandonou a Vuelta, deixando a UAE Team Emirates desfalcada. A Jumbo-Visma não estava muito melhor ao ver Sepp Kuss e mais três elementos a integrar o conjunto de 42 fugitivos com Primoz Roglic e Jonas Vingegaard no grupo principal.

Estavam superadas duas contagens de montanha de terceira categoria e a situação não acalmava na frente, onde alguns ciclistas procuravam reduzir o grupo. Quem comandava a corrida tinha cerca de 7 minutos de vantagem para o pelotão. Lenny Martinez (Groupama-FDJ) integrava os perseguidores e era líder virtual da Volta a Espanha. O francês estava em terceiro na geral, a 17 segundos de Evenepoel, e ameaçava chegar à camisola vermelha.

Além de Soler, Kuss e Rui Costa, Kämna (Bora-Hansgrohe), Landa (Bahrain Victorious), Bardet (Team dsm-firmenich) ou (Bahrain Victorious) eram alguns dos nomes de maior relevo na dianteira. O grupo diminuiu muito ligeiramente, mantendo-se 39 corredores em fuga. O tempo de vantagem para o pelotão diminuiu (cerca de 3.10 minutos a 20 quilómetros do fim) ainda que não o suficiente para que o vencedor da etapa não fosse um dos homens mais adiantados.

Marc Soler conseguiu 6 segundos de bonificação no sprint intermédio. Com o início da subida chegaram os primeiros cortes. Rui Costa foi um dos primeiros a ficar para trás. Quando a inclinação se começou a fazer sentir, as equipas com mais do que um elemento na frente organizaram-se.

Einer Rubio (Movistar) atacou para a vitória. A perseguição ficou a cargo de Romain Bardet, Lenny Martinez e Sepp Kuss na perseguição. Kuss não só alcançou a concorrência, como conseguiu ser o primeiro a cortar a meta. Restava saber se ia vestir a camisola vermelha. Lenny Martínez foi o segundo a chegar e garantiu a liderança da classificação geral.

O grupo do camisola vermelha era também ele já muito reduzido. A Soudal Quick-Step tomou a dianteira. João Almeida mantinha por ali com os colegas de equipa Juan Ayuso e Finn Fisher-Black. Com o ataque de Primoz Roglic, Remco Evenepoel ficou para trás. João Almeida integrou um grupo intermédio com Vingegaard, Ayuso e Enric Mas. No final, Vingegaard e Roglic destacaram-se e terminaram lado a lado, naquele que foi um dia em grande para a Jumbo-Visma, apesar dos riscos de lutar pela geral e pela etapa em simultâneo.

João Almeida quebrou face aos rivais, mas não tanto como Remco Evenepoel (nono lugar na geral) que, apesar de tudo, se conseguiu manter à frente da concorrência direta. A perda de tempo, levou a maioria dos favoritos a caírem do top 10, ainda que os ciclistas que ocupam os melhores lugares da Vuelta tenham um prazo de validade na estadia no topo.

Em atualização





Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *