• Dom. Mai 26th, 2024

Novo balanço de ataque de drones no Sudão eleva mortos para 43 – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 11, 2023

Um ataque de drones do exército a um mercado no sul da capital do Sudão, Cartum, matou no passado domingo pelo menos 43 pessoas, de acordo com um novo balanço feito por ativistas e um grupo médico. Militares e um grupo paramilitar rival lutam pelo controlo do país.

Mais de 55 pessoas ficaram feridas no ataque no bairro de Maio, onde as forças paramilitares estavam destacadas, escreveu o Sindicato dos Médicos do Sudão em comunicado. As vítimas foram levadas para o Hospital Universitário de Bashair. O grupo de ativistas Comités de Resistência publicou imagens nas redes sociais que mostram corpos embrulhados em lençóis brancos num pátio aberto do hospital.

Total de refugiados sudaneses após quatro meses de conflito armado supera um milhão

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A violência no Sudão decorre desde meados de abril, quando as tensões entre as forças armadas do país, lideradas pelo general Abdel Fattah Burhan, e o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido, comandadas pelo general Mohamed Hamdan Dagalo, começaram a combater. Desde então, os confrontos alastraram-se a várias zonas do país, reduzindo Cartum a um campo de batalha urbano.

Na região ocidental do Darfur, palco de uma campanha genocida no início da década de 2000, o conflito transformou-se em violência étnica, com as Forças de Apoio Rápido e as milícias árabes aliadas a atacarem grupos étnicos africanos, segundo grupos de defesa dos direitos humanos e as Nações Unidas.

O conflito já matou mais de 4.000 pessoas, de acordo com os números do mês de agosto das Nações Unidas. No entanto, os médicos e ativistas afirmam que o número real de mortos é muito superior.

Líder do exército rejeita proposta de cessar-fogo na sua primeira saída da capital sudanesa

Ao total, mais de cinco milhões de pessoas foram deslocadas no Sudão ou fugiram do país para escapar à violência, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *