• Ter. Mar 5th, 2024

“Hounds” é terror de rua em movimento – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 12, 2023

Há coincidências tenebrosas e perguntas que nunca se podem antecipar. Numa entrevista, num set de rodagem, numa segunda-feira normal. E há acontecimentos que, por muitas contas que se façam, são praticamente impossíveis de antecipar. Kamal Lazarq saiu de Cannes, onde estreou a sua primeira longa-metragem, “Hounds”, filmada em Casablanca, com o Prémio do Júri Un Certain Regard. Falámos com o realizador marroquino em França, sem na altura conseguir confirmar se o filme teria estreia marcada para Portugal. Agora sabemos bem que passa esta terça-feira, dia 12 de setembro, no Cinema São Jorge (19h00, sala 3).

Das boas notícias, passemos para a tragédia que ainda se abate naquela região do norte de África, depois de um terramoto ter feito quase três mil mortos (pelo menos). A conversa ficou guardada até agora, não houve, portanto, tempo para abordar o pesadelo que por ali continua a ser vivo. Foi sobre “Hounds” que falámos, uma história em que pai e filho são apanhados numa teia de crime em movimento que envolve uma morte nos subúrbios pobres de Casablanca. A missão é simples, macabra, trágica e cómica: desfazerem-se de um cadáver. Kamal Lazarq só trabalha com não atores, os que conhece, observa e conquista entre bairros e cafés. “Há muitas histórias por contar nesses locais”, disse-nos. Levou os atores principais, “pela primeira vez”, até França. Não foi possível saber se, depois do terramoto, a equipa que fez o filme se encontra bem. Porque, tal como na sismologia, neste filme sabemos que algo vai correr muito mal, só não sabemos quando, nem quantas vezes.

“Este filme é a continuidade de uma curta-metragem anterior, a ‘The Man with a Dog’ que também começa com uma noite no submundo de Casablanca. O início é um thriller mas, depois, o que acontece é ficção. A inspiração fui buscá-la às histórias destas pessoas dos bairros pobres da cidade, que têm de sobreviver com pequenos trabalhos”, diz. Em comum, os filmes têm a noite e uma luta de cães. No primeiro, na zona costeira de Marrocos, um homem vê o seu labrador ser roubado, indo até às últimas consequências para o conseguir recuperar.  Em “Hounds”, Dib (Abdellah Lebkiri), um mafioso que perde numa luta canina, está decidido a vingar-se do tipo que o venceu. Vai daí, pega em Hassan (Abdellatif), o pai central desta história, e muito pouco apto para este tipo de crimes, que logo procura o filho Issam (Ayoub Elaid) para o ajudar. Nos dois filmes existe sempre um mapa de personagens de má ralé, pobres, sem esperança, criminosas e idosas, que o par familiar encontra: ou os ajuda, porque na pobreza também há altruísmo, ou os destrata, porque a pobreza assim os tornou.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *