• Ter. Mar 5th, 2024

ONG portuguesa Helpo “vira” nome de alfaiataria em Cabo Delgado – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 18, 2023

Gamito Mirengue é o mestre alfaiate mais antigo da aldeia de Impire, província moçambicana de Cabo Delgado, e decidiu dar o nome da ONG portuguesa Helpo à alfaiataria que instalou junto à estrada.

“Gosto muito bem [de trabalhar com a Helpo]. É por isso que tem o nome”, começa por explicar o mestre, de 47 anos, orgulhoso da escolha do nome daquela Organização Não-Governamental (ONG) que ostenta, juntamente com o logótipo original, numa placa colocada no telhado da sua banca.

Presente em Moçambique desde 2009, com projetos de apoio nas províncias de Nampula e Cabo Delgado, a relação da Helpo com Gamito começou em 2021, quando a organização portuguesa passou a encomendar-lhe centenas de máscaras de proteção em plena pandemia de Covid-19.

Seguiram-se os uniformes escolares — obrigatórios nas escolas moçambicanas — dos alunos de programas de apoio da Helpo, em que o trabalho ficava a cargo do mestre Gamito e a ONG portuguesa fornecia os tecidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Até ao ano passado já fiz 900 e poucos uniformes”, acrescenta, à conversa com a Lusa, recordando que já teve até formação em Nampula, na Helpo, para passar a produzir pensos higiénicos reutilizáveis, num projeto em preparação por aquela ONGD.

“Até já me deram esta máquina elétrica”, refere, sobre o apoio da Helpo, que é também nome e logótipo da sua pequena loja, que partilha com outro colega e mais sete crianças de Impire, aldeia que acolhe dezenas de famílias deslocadas em fuga dos ataques terroristas dos últimos anos em Cabo Delgado, e que ali aprendem a arte da Gamito.

Hoje é o mestre alfaiate mais antigo da aldeia, ofício que começou a aprender com os mais velhos, em 1992, tendo, entretanto, “formado” outros oito: “Todos são mestres, têm as suas máquinas, todos vivem aqui (…) Agora tenho aqui sete crianças”.

Gamito Mirengue partilha desde 2001 as máquinas de costura, ainda a pedal, com Luís Taroé, cinco anos mais novo.

O mestre ensina-nos como fazer calças, blusas, calções. Consigo alimentar a família”, explica.

Na “alfaiataria Helpo” cada par de calças sai por 250 a 300 meticais (3,60 a 4,30 euros), mas sempre sujeito a negociação, admite Luís: “Há pessoas que pedem para diminuir os preços, porque aqui estamos na machamba [no campo]”.

O negócio que vai sendo propiciado pela Helpo vai permitindo iniciar outras crianças da aldeia de Impire na mesma arte, o “problema” é mesmo haver poucas máquinas de costura para tantas interessadas e que se têm de revezar na aprendizagem.

Sempre nos ajudam, trazem tecidos para fazer os uniformes. Todas as crianças gostam do projeto da Helpo”, conclui Luís Taroé.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *