• Qui. Fev 22nd, 2024

duas mulheres morrem a cada hora na Faixa de Gaza após o início da guerra – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Jan 19, 2024

Siga aqui o nosso liveblog sobre o conflito israelo-palestiniano

Duas mulheres e mães palestinianas foram mortas a cada hora na Faixa de Gaza desde o início do conflito, em 7 de outubro, e os ataques israelitas ao enclave, indicou esta sexta-feira um relatório da ONU Mulheres.

O relatório “Alerta de género: o impacto de género na crise de Gaza” assinala que entre os 24.620 civis mortos de forma violenta na Faixa de Gaza desde 7 de outubro, 16.000 são mulheres e crianças, 70% do total de vítimas mortais.

A fome generalizada na Faixa de Gaza também incide particularmente nas mulheres e raparigas, que cedem a alimentação disponível a outros membros da família, com riscos acrescidos para as grávidas e as mães em aleitamento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Entre as 5.500 mulheres que devem dar à luz no próximo mês, 840 têm uma elevada probabilidade de sofrer complicações com o parto devido ao deficiente acompanhamento médico, e prevê-se que a única maternidade em condições de funcionamento no norte de Gaza fique sem combustível “de forma iminente”.

Existem apenas dois refúgios para mulheres, ambos na cidade de Gaza, e que se encontram encerrados devido aos bombardeamentos.

A organização assegura que a população feminina regista maiores dificuldades no acesso a alimentos, serviços e recursos, um problema que se acentua nas famílias lideradas por mulheres, que têm de alimentar, proteger e manter a famílias, e sem qualquer fonte de rendimento.

Muitas mulheres perderam os maridos no conflito, que eram o único sustento da família. O número de mulheres que garantia rendimentos já era pequeno antes da guerra e da invasão israelita, e esse número foi muito reduzido nos últimos meses.

Atualmente, cerca de 3.000 famílias do enclave palestiniano são dirigidas por mulheres, precisa a ONU Mulheres.

Em paralelo, entre as 1,9 milhões de pessoas deslocadas, cerca de um milhão são mulheres e crianças, com muitas delas a permanecerem em casa para cuidar os membros da família que, devido à sua condição física ou idade avançada, não podem deslocar-se.

Devido à escassez de alimentos, encerramento das escolas e ausência de oportunidades educativas e de trabalho, muitas jovens palestinianas receiam que as suas famílias recorram a medidas desesperadas para sobreviver e as obriguem a casar.

“As mulheres e as crianças são as primeiras vítimas dos conflitos e o nosso dever de garantir a paz é um dever para com elas. Estamos a falhar. Este fracasso e o trauma geracional infligido ao povo palestiniano nestes mais de 100 dias [de guerra] vai perseguir-nos a todos durante gerações”, indicou esta sexta-feira em comunicado Sima Bahous, diretora executiva da agência da ONU.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *