• Ter. Mai 28th, 2024

Luzes a cruzar o céu de Israel? Desta vez não é Natal – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Abr 16, 2024

Para quem acompanha a situação no Médio Oriente, a noite de Sábado foi dramática. O pior do ataque do Irão a Israel foi a espera. O tempo que os misseis e drones iranianos demoraram a percorrer a distância entre os dois países foi um tempo de incerteza. As minhas orações estavam com as pobres pessoas que, nessas longas horas, agonizavam: “E agora? O que é que vou escrever no Twitter? Depois de ter passado os últimos anos a redigir comentários bem acintosos sobre a maldade dos aiatolas que matam mulheres que não usam hijab, como é que dou a cambalhota e passo a vitoriar os mesmos aiatolas por atacarem os nazis sionistas?” Não deve ter sido uma noite fácil. Felizmente, a angústia da dissonância cognitiva foi mitigada por dois factores. O primeiro é que, apesar de medieval nos costumes, o Irão é modernaço na questão trans. Como abomina a homossexualidade, incentiva os gays à transição: assim, deixam de dormir com pessoas do mesmo sexo. O segundo, mais prático, tem a ver com a facilidade com que, atualmente, se vai ao Ikea ou a Staples e se adquire uma óptima cadeira de gamer, para acondicionar a coluna mole do activista online que passa o dia no computador.

Na realidade, não será assim tão complicado acomodar as novas opiniões sobre o Irão. É mais fácil do que bater palmas aos houthis, os valentes que lutam pela liberdade dos palestinianos ao mesmo tempo que reintroduzem a escravatura no Iémen.

Este fim-de-semana, enquanto ouvia notícias sobre o conflito entre Israel e o Irão, tive um ataque de nostalgia dos anos 80. É a década da minha infância, a origem das minhas lembranças mais vívidas e das referências culturais mais fortes. São os anos do México86, do Roque Santeiro, do 1,2,3 e da Bota Botilde, dos clubes de vídeo, do Carlos Lopes em Los Angeles e da Rosa Mota em Seul, do Dartacão, da CEE. E da guerra Irão-Iraque. Ui, o que eu gostava da guerra Irão-Iraque! Uma espécie de Sporting-Benfica islâmico, todos os dias no Telejornal. Eu estava pelo Irão. Como no clube, torcia por quem tinha o equipamento mais bonito. É que os iraquianos limitavam-se a ser militares fardados, enquanto os aiatolas, com os turbantes e os longos robes, pareciam super-heróis. Ou uma banda new wave. Daí ainda hoje compreender quem simpatiza com o Irão por razões infantis.

Não se pode pedir uma posição coerente aos apoiantes do Irão, quando nem o Irão tem uma posição coerente nestes temas. Agora quer destruir Israel e obliterar os judeus, mas em 538 a.C., Ciro II da Pérsia, depois de conquistar a Babilónia, deixou os judeus, ali exilados por Nabucodonosor, a voltarem a Jerusalém. Partiram, levando com eles a autorização para construírem o novo templo; e um salmo sobre choro em rios da Babilónia enquanto recordam Sião, que está na origem na vontade férrea dos judeus não mais serem desalojados e também de uma estupenda versão disco dos Boney M.

A diferença é que os iranianos demoraram mais de dois milénios a mudar de opinião sobre a presença de judeus naquela zona, enquanto os seus novos fãs só precisaram de dois minutos para se convencerem a mudar de opinião sobre o Irão. Deve ser o progresso.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *