• Qui. Mai 30th, 2024

Ventura acusa governo brasileiro de bloquear ajuda internacional. “É falso, intenção é espalhar desinformação”, assegura Brasil – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Mai 13, 2024

André Ventura acusou o governo brasileiro de estar a “tentar esconder aquilo que se passa” no Rio Grande do Sul, onde milhares de pessoas foram atingidas por cheias, e de não permitir que chegue ajuda internacional ao país. Em resposta ao Observador, a Presidência brasileira assegura que a acusação é “totalmente falsa” e que a intenção é “espalhar desinformação”.

Num vídeo publicado nas redes sociais, André Ventura contou que há material de apoio recolhido em Portugal que está “pronto a ser entregue” aos brasileiros, no seguimentos das cheias no Rio Grande do Sul, e que o governo do Brasil está “a tentar evitar ajuda internacional”. “Temos 120 toneladas de material de apoio pronto a ser entregue para os nossos companheiros brasileiros e a ajuda não sai de Portugal. Está pronta, está disponível, vai-se estragar em grande parte se não for entregue, só que o governo brasileiro não quer que Portugal envie para esconder o que tem sido o seu falhanço“, realçou o presidente do Chega.

@andre_ventura_oficial

O Governo do Brasil está a tentar esconder a grande tragédia que muitos brasileiros estão a viver, sobretudo no Rio Grande Sul. Instamos o Governo Português a autorizar que estes bens cheguem o mais depressa possível a quem mais precisa deles nesta altura trágica. Acima da política estarão sempre as vidas humanas. Isso será sempre mais importante! #CHEGA

♬ som original – andre_ventura_oficial

André Ventura afirmou que “a TAP já se disponibilizou para enviar as coisas” e que apenas se está a aguardar que “alguém faça alguma coisa”. “Insto o Governo português e o governo brasileiro a aceitarem esta ajuda, que será fundamental para salvar vidas, para ajudar famílias, muitas delas com crianças, com bebés e a quem não podemos virar a cara”, insistiu o líder do Chega, criticando o governo brasileiro por, segundo disse, estar a “tentar esconder a grande tragédia que muitos brasileiros estão a viver, sobretudo no Rio Grande Sul”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

[Já saiu o primeiro episódio de “Matar o Papa”, o novo podcast Plus do Observador que recua a 1982 para contar a história da tentativa de assassinato de João Paulo II em Fátima por um padre conservador espanhol. Ouça aqui.]

Perante o vídeo que já atingiu mais de 80 mil pessoas só no TikTok, em resposta ao Observador, a Presidência brasileira recusou responsabilidades: “É falsa a totalidade do que diz em seus posts o político do Chega, cuja intenção é meramente procurar espalhar desinformação sobre a atuação do governo brasileiro.”

“O Ministério de Portos e Aeroportos e a Receita Federal publicaram notas, na semana passada, detalhando o processo de negociação da logística e dos trâmites alfandegários envolvidos no transporte dessas doações ao Brasil, seja de Portugal ou de outros países. Pelos próprios volume e quantidade das doações, a logística de transporte ao Brasil, a partir de seus países de origem, está sendo negociada caso a caso”, explicam, sublinhando que todo o apoio é recebido pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC) do Itamarat e analisado pelo Governo Federal, através do Comando Operacional Conjunto da “Operação Taquari II”, “que é a instância decisória sobre o conjunto dos trabalhos emergenciais de apoio às vítimas das inundações, e da qual participa igualmente o Governo do Estado do Rio Grande do Sul”.

Os responsáveis explicam que as diferentes ofertas de ajuda são “processadas e alocadas conforme as condições específicas e as circunstâncias verificadas no terreno” e que “nenhuma oferta é recusada ou desconsiderada, sendo todas devidamente estudadas e incorporadas às possibilidades à disposição para os trabalhos de apoio às populações atingidas”.

“Em função da natureza dinâmica desses trabalhos, um equipamento oferecido pode não ser utilizado num dado momento e ser considerado para aproveitamento oportuno, inclusive levando em conta as possibilidades logísticas de fazê-los chegar onde são necessários, tendo em conta, como é de conhecimento geral, desafios como a interdição de aeroportos e estradas, desabastecimento de combustíveis e outros itens básicos, ou a dificuldade de conexão de internet, causados pelas enchentes”, acrescentou a Presidência brasileira na resposta.

Já a TAP, também referida por André Ventura, recusou-se a comentar questões políticas, mas disse que a companhia está em “permanente contacto com o ministério dos Negócios Estrangeiros do Brasil para assegurar uma resposta adequada às necessidades do governo brasileiro em matéria de envio de ajuda humanitária”.

Brasil regista 148 mortes nas inundações. Lula da Silva adia viagem ao Chile



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *