• Ter. Jun 25th, 2024

Basalt planeja hackear um satélite extinto para instalar seu sistema operacional específico para o espaço

Byadmin

Mai 30, 2024
Basalt planeja hackear um satélite extinto para instalar seu sistema operacional específico para o espaço

Inicialização espacial Tecnologias de basalto começou em um galpão atrás do consultório de um dentista em Los Angeles, mas as coisas pioraram rapidamente: em breve ele tentará hackear um satélite abandonado e instalar seu sistema operacional específico para o espaço.

O cofundador da startup, Alex Choi, acabou morando no referido galpão depois de ser repentinamente expulso de seu dormitório no MIT devido à pandemia do coronavírus. Ele estava no meio da construção do primeiro ônibus satélite personalizado da universidade e continuava esse trabalho em Los Angeles. Como quase todo mundo no projeto havia desistido, Choi estava contratando. Acabou contratando o físico e engenheiro Maximillian Bhatti, que havia, pelo mesmo motivo, perdido seu emprego em física óptica no Instituto de Tecnologia da Califórnia.

“Peço aos meus pais que me levem até este galpão em ruínas”, contou Bhatti em uma entrevista recente. “Esse nerd abre a porta. E dentro deste galpão há dezenas de milhares de dólares em equipamentos espaciais, porque estamos construindo um satélite aqui. Então isso deu o pontapé inicial nos próximos seis meses de nossas vidas.”

Os dois eventualmente se separaram – Choi para a Universidade de Toronto, Bhatti para a The Aerospace Corporation e depois para a SpaceX – antes de voltarem juntos em outubro de 2023 para fundar a Basalt.

“Olhamos ao redor da indústria e percebemos: o tipo de problemas que vimos no MIT, onde o hardware é realmente bom e é a morte por mil cortes de papel no lado do software… isso não é apenas o MIT”, disse Bhatti.

Esses milhares de cortes de papel são uma alusão às dificuldades de hardware e software legados em missões espaciais. O status quo, que remonta à era Apollo, disse Bhatti, é projetar software personalizado para maximizar a utilidade total do hardware dos componentes individuais da espaçonave. Esta forma de operar faz sentido para missões únicas e ultra ambiciosas, como os rovers de Marte, mas a indústria espacial está a mudar rapidamente para constelações inteiras de naves espaciais, lançadas e iteradas mais rapidamente do que nunca. Não faz mais sentido escrever software personalizado com base em permissão.

Duas outras coisas mudaram: primeiro, a computação no terreno é uma ordem de grandeza mais barata do que há uma ou duas décadas. Em segundo lugar, o hardware e os componentes espaciais tornaram-se comoditizados. Mesmo assim, o software permaneceu altamente personalizado e manual – e é por isso que Choi e Bhatti apostam que será o próximo grande desbloqueio no espaço.

“No momento, construímos missões espaciais no hardware, e então todo o software, operações e outras coisas são personalizados a partir desse hardware. É uma consequência disso. Então o que a Basalt está fazendo é tentar mudar esse paradigma”, disse Bhatti.

Isso é feito através da construção de um sistema operacional para operadoras de satélite chamado Dispatch: um sistema de controle baseado em simulação que permite que o software seja portátil em diferentes hardwares, da mesma forma que é possível executar o Windows em um laptop fabricado pela ASUS ou pela Dell. Bhatti também comparou isso ao Lattice da Anduril, que permite o controle definido por software de diferentes veículos.

Despachar SO. Crédito da imagem: Basalto

O Dispatch será capaz de realizar tarefas autônomas de espaçonaves, permitindo que os operadores coordenem satélites de diferentes frotas e permitam rapidamente a retarefa de recursos existentes em órbita para missões de segurança nacional. Usando o Dispatch, por exemplo, um cliente de segurança nacional poderia reatribuir qualquer satélite próximo que execute o sistema operacional para realizar imagens não terrestres no caso de crise de segurança espacial, ou para fazer imagens da Terra no caso de uma situação no terreno.

Poderia permitir um grau de flexibilidade operacional nunca antes visto em operações de missão. O basalto poderia permitir que os usuários reaproveitassem ativos em órbita ou permitir que espaçonaves não relacionadas trabalhassem juntas em órbita.

É de fato uma mudança de paradigma, repetiu Choi: “Estamos neste ponto de inflexão realmente interessante, onde esta indústria definida por hardware, que tem sido o espaço, está se transformando em uma indústria definida por software”, disse ele. “Então, em vez de construir constelações, e se você pudesse atribuir constelações? [What if] você pode juntar ativos legados junto com novos ativos, reuni-los e usá-los dinamicamente?”

Para dimensionar seu produto e alcançar a herança de voos neste verão, a startup fechou uma rodada inicial de US$ 3,5 milhões liderada pela Initialized Capital, com contribuições de Y Combinator, Liquid2, General Catalyst e outros VCs não identificados. A Basalt tentará invadir, recuperar e voar ao redor de um satélite extinto em órbita neste verão para provar a tecnologia.

A partir daí, a empresa também busca formar sua equipe de três pessoas e obter sua primeira receita. A Basalt está atualmente em negociações com dez missões, que incluem espaçonaves em desenvolvimento, bem como hardware já em órbita.

Source

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *