• Dom. Jun 16th, 2024

Como um símbolo lendário dos Cavaleiros Templários tem intrigado e fascinado desde a Idade Média

Byadmin

Mai 30, 2024

(A conversa) – O Cavaleiros Templáriosuma lendária ordem militar monástica forjada no fogo das Cruzadas, continua a encantar o público do século XXI.

Desde a sua fundação em 1119 d.C. até à sua dissolução em 1312 d.C., a missão dos Templários era defender os reinos cristãos no terra Santa contra as várias potências muçulmanas que procuravam devolver a região ao domínio islâmico. Ao serviço desta missão, a ordem fundiu duas instituições definidoras do início da Idade Média: o cavaleiro montado e o monge piedoso.

Na época, isso tornou os Templários uma espécie de quebra-cabeça. Como alguém poderia ser um monge piedoso e um guerreiro feroz? Os próprios Templários tentaram abordar esta questão na sua simbologia, que se revelou tão intrigante como a própria ordem.

Os Cavaleiros Templários eram uma ordem militar de monges.
Do arquivo da Biblioteca Britânica via Flickr, CC POR

Um dos símbolos mais enigmáticos dos Templários era seu selo de cera – dois cavaleiros montados num único cavalo. Na Idade Média, as pessoas selos usados para proteger comunicações importantes contra falsificação, agindo como uma assinatura. Todos, desde indivíduos até organizações, tinham seu próprio selo exclusivo.

Embora as imagens nos selos pudessem ser relativamente simples e diretas, às vezes transmitiam mensagens mais sutis. A mensagem do selo dos Templários sempre esteve aberta à interpretação.

Interpretando o selo dos Templários

Enquanto pesquisava geopolítica medieval e a Terceira Cruzadame deparei com diversas interpretações do selo dos Templários.

O mais popular liga o corcel compartilhado aos Templários. voto de pobreza. Embora a Ordem não estivesse literalmente com restrições financeiras, o símbolo provavelmente pretendia demonstrar que os Templários levavam o voto a sério.

Outro traça uma conexão com o Evangelho de Mateus, onde uma figura representa um cavaleiro e a outra Jesus Cristo. Esta interpretação deriva de uma passagem bíblica onde Cristo diz: “Pois onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles”. A ideia é que os dois cavaleiros num único cavalo personifiquem a sempre presente companhia de Cristo com os Templários que se reuniram em seu nome.

Como parte de uma campanha para desacreditar os Templários, alguns sugeriram que os dois cavaleiros simbolizava a homossexualidade considerado desenfreado dentro da ordem.

Alguns propõem que os dois cavaleiros representam um dualidade dentro da própria ordem. O único cavalo poderia significar a unificação de seus papéis aparentemente contrastantes como monge-guerreiro.

O inscrição do selo adiciona outra camada de intriga. Originalmente, a inscrição dizia “Sigillum Militum Christi” – latim para “Selo dos Soldados de Cristo”. Em meados do século XIII, o 19º grão-mestre da ordem mudou a inscrição para “Sigillum Militum Xpisti”, substituindo a palavra latina para Cristo pela grega. Alguns estudiosos argumentam que o uso do Letras gregas “XP” em vez do latim “CHR” pretendia invocar a visão do Imperador Constantino no Batalha da Ponte Milviana em 312 dC Sua vitória permitiu-lhe acabar com a perseguição oficial aos cristãos no Império Romano.

Pintura de vários cavaleiros, mulheres e divindades, com anjos carregando uma cruz vermelha no céu

Diz-se que Constantino teve uma visão divina enquanto se preparava para a batalha.
Escola de Rafael/Wikimedia Commons

Vários significados

Embora o significado exato do selo permaneça um enigma, há poucas dúvidas de que serviu como um símbolo poderoso do compromisso dos cavaleiros com seus ideais.

As muitas interpretações do selo ressoam em diferentes públicos. Para alguns, representa a soldadesca cristã e a fraternidade inabalável. Para outros, evoca a natureza enigmática dos Templários. E para outros, sugere corrupção e má conduta sexual.

O selo serve como uma janela para a identidade e o impacto dos Cavaleiros Templários na história cristã medieval. É um símbolo que provavelmente continuará a despertar a curiosidade nos próximos séculos.

(Andrew Latham, Professor de Ciência Política, Macalester College. As opiniões expressas neste comentário não refletem necessariamente as do Religion News Service.)

A conversa

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *