• Qui. Jun 13th, 2024

Tribunal ordena que magnata dos negócios pague um acordo de divórcio de US$ 1 bilhão

Byadmin

Mai 30, 2024

Seul — O presidente do SK Group, da Coreia do Sul, foi condenado por um tribunal na quinta-feira a pagar à sua esposa US$ 1 bilhão em dinheiro, no maior acordo de divórcio do país.

O Supremo Tribunal de Seul ordenou que Chey Tae-won pagasse a Roh So-young, filha do ex-presidente Roh Tae-woo, 1,38 biliões de won, ou pouco mais de mil milhões de dólares, como acordo, mostraram documentos judiciais fornecidos à AFP.

O montante representou um aumento significativo em relação a uma decisão anterior de um tribunal inferior de 66,5 mil milhões de won e tem em conta as contribuições que Roh So-young e o seu pai fizeram para o sucesso de Chey.

Palestrantes no Fórum Nikkei 'Futuro da Ásia'
Chey Tae-won, o presidente bilionário do Grupo SK da Coreia do Sul, fala durante o Fórum Nikkei Futuro da Ásia em Tóquio, Japão, em 23 de maio de 2024.

Kiyoshi Ota/Bloomberg via Getty


O SK Group administra negócios que incluem a principal operadora de telefonia móvel da Coreia do Sul e também controla a SK Hynix, a segunda maior fabricante mundial de chips de memória.

“Era razoável decidir que, como sua esposa, Roh desempenhou um papel no aumento do valor do Grupo SK e da atividade empresarial de Chey”, afirmou o tribunal num veredicto obtido pela AFP.

Chey se casou com Roh So-young em 1988, mas eles estão separados há anos. Ela recorreu do valor do acordo original concedido em 2022, vários anos depois de Chey ter pedido o divórcio no que se tornou um caso amargo.

O tribunal disse que o novo acordo também levou em consideração o sofrimento emocional que Roh So-young sofreu devido ao caso extraconjugal de Chey.

Chey tem um filho com seu novo parceiro.

O tribunal disse que Chey “não mostra quaisquer sinais de remorso pelo seu comportamento imundo durante o julgamento… nem respeito pela monogamia”, ordenando-lhe que pague o acordo em dinheiro.

A riqueza líquida de Chey foi avaliada pelo tribunal em cerca de quatro trilhões de won, o que significa que Roh So-young ficará com 35% dela no acordo.

Sua equipe jurídica disse que iria interpor recurso contra a última decisão, alegando que o tribunal “considerou a alegação unilateral de Roh como factual”.

O Tribunal Superior de Seul disse que Roh Tae-woo também ajudou os negócios de Chey a florescer durante seus cinco anos como presidente, a partir de 1988, facilitando os obstáculos regulatórios para o falecido ex-presidente do SK, Chey Jong-hyon, pai de Chey Tae-won.

“O ex-presidente Roh Tae-woo desempenhou o papel de escudo protetor para o ex-presidente Chey Jong-hyon” quando o falecido empresário tentava entrar no negócio de operadoras de telefonia móvel, disse o tribunal, dando “ajuda intangível” à família.

Os advogados de Chey discordaram, dizendo que o Grupo SK esteve sob pressão do governo Roh e “forneceu várias contribuições financeiras”.

“Vamos esclarecer as coisas através do apelo”, disseram eles.

Ex-general, Roh Tae-woo foi eleito para a presidência nas eleições de 1987, que foram as primeiras eleições livres e justas da Coreia do Sul em mais de uma década.

Ele já havia ajudado seu amigo da academia militar, Chun Doo-hwan, a encenar um golpe militar e assumir o cargo de ditador.

Roh Tae-woo é menos insultado do que Chun, em parte pelo crescimento económico que supervisionou e pela sua aproximação diplomática ao antigo bloco comunista, que viu Seul estabelecer relações com Moscovo e Pequim.

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *