• Dom. Jun 23rd, 2024

A proibição do uso do lenço de cabeça na França nos Jogos Olímpicos de Verão de 2024 reflete uma visão estreita da identidade nacional

Byadmin

Mai 31, 2024

(A conversa) — Os Jogos Olímpicos de Verão de 2024 em Paris geraram uma discussão sobre se as atletas muçulmanas que usam lenço na cabeça deveria ter permissão para competir.

Em setembro de 2023, o Comitê Olímpico Internacional, defendendo a liberdade de expressão religiosa e cultural para todos os atletas, anunciou que os atletas participantes dos Jogos de Paris de 2024 pode usar um hijab sem qualquer restrição.

Os atletas franceses, no entanto, estão sujeitos à estrita separação entre religião e Estado, chamada laïcité. A ministra dos Esportes francesa, Amelie Oudea-Castera, disse que os atletas franceses seriam proibidos de usar hijab durante os jogos de Paris para respeite esse compromisso ao princípio da laicidade.

As organizações de direitos humanos argumentaram que tal proibição viola as liberdades religiosas dos atletas muçulmanos, perpetuando a discriminação e a marginalização. O Escritório de direitos humanos das Nações Unidas declarou que “ninguém deve impor a uma mulher o que ela precisa vestir ou não vestir”.

Este debate destaca o conflito entre a laicidade e o direito de expressar as próprias crenças religiosas. Como um estudioso de estudos europeus, conheço o impacto da laicidade no desporto, na política e na sociedade em geral. Na minha opinião, a laicidade, que historicamente defendeu os direitos e liberdades individuais, nega cada vez mais os direitos das minorias hoje, como se viu na proibição de atletas franceses usarem hijabs nos Jogos Olímpicos de Paris em 2024.

Laïcité ontem e hoje

Antes da revolução de 1789, a França era uma monarquia absoluta, onde a religião e o Estado estavam profundamente interligados.

O estreita relação entre a monarquia francesa e a Igreja Católica começou quando o rei Carlos Magno foi coroado pelo papa em 800 DC. Ao longo dos séculos, a igreja tornou-se muito poderosa, possuindo terras e controlando a educação e os cuidados de saúde. Formou fortes alianças políticas, com muitos nobres ocupando posições de destaque dentro da igreja.

Depois do sucesso da Revolução Francesa e da abolição da monarquia, os revolucionários ainda se ressentiam da religião pela sua longa relação com a coroa. Eles viam a igreja como uma fonte de injustiça na sociedade e queriam reduzir a influência da religião na vida pública e promover as suas ideias de liberdade, justiça e unidade.

Eles propriedades da igreja nacionalizadas e introduziu o secularismo criar uma separação entre assuntos religiosos e governamentais. Desde então, a França manteve a laicidade como um dos valores fundamentais da república.

A evolução da laicidade em França coincide com mudanças demográficas significativas na segunda metade do século XX. À medida que a França se transformava numa nação diversificada, com várias religiões e etnias, incluindo uma população muçulmana significativa, a interpretação e aplicação da laicidade enfrentava novos desafios. Com milhões migrando das antigas colónias francesas no norte e oeste de África em busca de oportunidades económicas, a França acolhe agora a maior comunidade muçulmana da Europa, compreendendo cerca de 10% de sua população. Esta mudança demográfica suscitou debates sobre o papel da religião na vida pública e até que ponto a laicidade deve acomodar a diversidade religiosa.

Embora a laicidade tenha sido originalmente introduzida juntamente com princípios como a liberdade e a igualdade, à medida que os tempos mudaram, o mesmo aconteceu com o seu significado. Inicialmente, a laicidade significava manter a religião separada do Estado. Ultimamente, porém, é frequentemente interpretado como significando que os cidadãos devem abster-se de mostrando suas identidades religiosas em público.

Esta mudança levou à proibição de símbolos religiosos em escolas e espaços públicos, afectando desproporcionalmente as mulheres muçulmanas que usam véu.

Um debate sobre as Olimpíadas – e além

Ativistas e estudiosos argumentaram que a laicidade de hoje representa uma ameaça aos direitos humanos e à liberdade religiosa. Na sua opinião, promove uma visão estreita dos valores republicanos e da identidade nacional, rejeitando a diversidade e visando injustamente as mulheres muçulmanas que usam véu.

A laicidade pode ser vista como discriminatória porque muitas vezes trata os costumes cristãos como apenas parte da cultura quotidiana, ao mesmo tempo que trata sinais visíveis de outras religiões, como o hijab usado por algumas mulheres muçulmanas, são inaceitáveis. Isto significa que os símbolos e tradições cristãs são mais facilmente aceites, mas os não-cristãos muitas vezes não são permitidos.

Também é importante notar que as tradições cristãs se concentram principalmente nas crenças, que são privadas, enquanto as tradições islâmicas e judaicas enfatizam as práticas, como usar lenços na cabeça, que são visíveis. Isto significa que a laicidade afecta as pessoas de forma diferente, muitas vezes visando de forma mais estrita sinais visíveis de religião não-cristã.

A Pesquisa de 2023 mostrou que quase 80% dos muçulmanos franceses acreditavam que as leis seculares do seu país são discriminatórias. A pesquisa mostra que a laicidade afeta desproporcionalmente meninas muçulmanas de comunidades marginalizadas, perpetuando desigualdades sociais. Por exemplo, a proibição do uso de lenços de cabeça nas escolas obriga as raparigas muçulmanas a escolher entre a sua educação e as suas crenças religiosas, levando a sentimentos de exclusão e isolamento. Esta política também pode prejudicar o seu desempenho académico e o seu desenvolvimento pessoal, limitando as suas oportunidades futuras.

Banindo o hijab para jogadores

Os atletas muçulmanos franceses enfrentam desafios em campo há muito tempo. Por exemplo, em 2023, a Federação Francesa de Futebol decidiu não ajustar os horários das refeições e dos treinos durante o Ramadãembora tenha ocorrido durante um intervalo em que não havia competição.

Esta decisão impediu efetivamente o jejum de jogadores muçulmanos e levou a saídas notáveis, como a saída do meio-campista do Lyon, Mahamadou Diawara, da seleção sub-19 da França. Outros jogadores franceses também deixaram os esportes profissionais franceses. O jogador de basquete Diaba Konate também optou por seguir sua carreira nos Estados Unidos por causa da proibição francesa de usar o hijab.

Em 2004, França proibiu símbolos religiosos nas escolas públicas, incluindo o hijab, quipás judeus, turbantes sikhs e grandes cruzes cristãs.

A organização sem fins lucrativos Human Rights Watch criticou-a como uma restrição injustificada à prática religiosa. Em 2010, a França alargou a proibição aos capacetes que cobrem o rosto em locais públicos, incluindo a burca e o niqab, que são peças de vestuário usadas por algumas mulheres muçulmanas que cobrem o rosto e o corpo. Ano passado, França proibiu a abaya nas escolas.

Uma proibição do pluralismo cultural?

O debate sobre o hijab estende-se para além do domínio dos desportos, abordando questões mais amplas de identidade e pertença em sociedades multiculturais. Para muitas mulheres muçulmanas, o hijab não é apenas roupa – é uma expressão de identidade religiosa e empoderamento.

Bani-lo das Olimpíadas poderia ser visto como limitando sua liberdade de expressão e negar o seu direito de participar plenamente na sociedade, mantendo-se fiéis às suas origens religiosas e culturais.

A proibição de símbolos religiosos em actividades desportivas oficiais em França realça a luta para equilibrar a liberdade religiosa com os valores nacionais. Isto torna-se especialmente complicado nas Olimpíadas, onde as expressões individuais dos atletas entram em conflito com os seus papéis como representantes dos seus países.

(Armin Langer, Professor Assistente de Estudos Europeus, Universidade da Flórida. As opiniões expressas neste comentário não refletem necessariamente as do Religion News Service.)

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *