• Sex. Jun 21st, 2024

A queda do partido PRI do México, uma força política outrora dominante

Byadmin

Jun 1, 2024

Cidade do México, México – Uma tal reviravolta política teria sido quase impensável há uma década.

Desde 2009, Alejandra del Moral era sinónimo do conservador Partido Revolucionário Institucional ou PRI, a fera política então dominante no México.

Ela era a prefeita mais jovem do país na época e a primeira mulher a liderar Cuautitlán Izcalli, um subúrbio proeminente da Cidade do México. Posteriormente, ela representou o partido no Congresso nacional.

Mas em 27 de maio, poucos dias antes de uma eleição crucial, um inesperado foto apareceu nas redes sociais: del Moral, sorrindo de braços dados com Claudia Sheinbaum, líder do Movimento de Regeneração Nacional ou Morena, de tendência esquerdista.

Del Moral renunciou ao PRI. Em vez disso, ela deu seu apoio a Morena.

“O PRI que conheci, que orgulhosamente representei e defendi, não é mais o mesmo”, escreveu del Moral em um comunicado. declaração publicado naquele mesmo dia.

Sheinbaum, o candidato esperado para a corrida presidencial de 2 de junho, aplaudiu a medida.

“Agradeço a ela pela decisão de se juntar à nossa equipe em benefício do povo mexicano”, escreveu Sheinbaum nas redes sociais.

Foi um sinal da mudança da maré na política mexicana. Durante grande parte do século XX, o PRI manteve um controlo férreo sobre a política mexicana, administrando um regime de partido único com uma base enorme que, ao mesmo tempo, foi acusado de fraudar eleições e de usar a violência generalizada para manter o controlo.

Mas em 2000, o partido perdeu o controlo da presidência pela primeira vez em 70 anos. Em 2012, encenou um regresso, retomando o palácio presidencial durante os seis anos seguintes, mas com o espectro da corrupção a pairar sobre os seus candidatos, o partido rapidamente caiu para números de sondagens de um dígito.

Em 2018, o seu candidato ficou num distante terceiro lugar na corrida presidencial. E em 2023, del Moral perdeu a sua candidatura ao governo do estado do México, marcando a primeira vez que o PRI perdeu o controlo de um dos seus estados-fortaleza em 94 anos.

Agora, a poucos dias da corrida presidencial de 2 de Junho, o PRI está mais uma vez atrás nas sondagens.

Teve de aliar-se aos seus inimigos mortais – o conservador Partido da Acção Nacional (PAN) e o Partido da Revolução Democrática (PRD), de centro-esquerda – para angariar votos. Mas o candidato da coligação, Xóchitl Gálvez, não conseguiu desafiar Sheinbaum nas sondagens pré-eleitorais, ficando atrás por 20 pontos ou mais.

O que aconteceu a esta potência política e como caiu tão dramaticamente? Especialistas dizem que tudo se resume a um histórico de violência e corrupção.

A ex-firme do PRI Alejandra del Moral anunciou sua renúncia do partido pouco antes das eleições de 2 de junho [Henry Romero/Reuters]

Construindo uma máquina ‘bem oleada’

Luis Herrán, professor de história latino-americana na Universidade do Novo México, explicou que, durante grande parte da sua existência, o PRI manteve as perdas sob controle ao gerir uma “máquina bem lubrificada” de poder político. Esse controle estendeu-se da presidência ao nível local.

“O PRI construiu esta capacidade para reunir todos os tipos de poder regional”, disse Herrán à Al Jazeera.

“E a nível nacional”, acrescentou, o PRI obteve apoio “dos militares, da indústria e das elites fundiárias, mas também de sectores populares” como sindicatos e grupos camponeses.

As origens do partido remontam a 1929, quando generais que enriqueceram com a Revolução Mexicana fundaram o Partido Nacional Revolucionário numa tentativa de estabilizar o país – e calcificar o seu poder.

Esse objetivo foi amplamente bem-sucedido. Durante décadas depois, o PRI deteve não apenas a presidência, mas também a maioria em ambas as câmaras do Congresso, além de todos os governos do país. Foi somente em 1989 que o partido sofreu sua primeira derrota na disputa para governador.

No seu apelo aos eleitores, o PRI cultivou uma mitologia de nacionalismo revolucionário: até mudou brevemente o seu nome para Partido da Revolução Mexicana, antes de se decidir pelo PRI em 1946.

Embora tenha sido ostensivamente de centro-esquerda nas suas origens, o PRI foi antes de tudo pragmático, um camaleão político.

Ao longo das décadas, os especialistas dizem que consolidou um amplo sistema de milhares de agentes de poder locais e cargos políticos, permitindo-lhe responder às exigências dos eleitores e, ao mesmo tempo, manter o poder político.

Homero Campa Butrón, jornalista e académico que edita a revista Proceso, disse à Al Jazeera que um sistema amplo e difundido criou um canal direto entre a presidência e os eleitores.

“Através do PRI, os benefícios sociais chegaram à população. Através do PRI, as demandas da população chegavam ao presidente”, explicou Campa Butrón.

Mas esse sistema era também “um instrumento político”, acrescentou, “à disposição do presidente”.

Alejandro Moreno fala ao microfone em um pódio.  Atrás dele está o logotipo do partido PRI.
O líder do PRI, Alejandro Moreno, enfrentou críticas internas do partido por sua gestão [Henry Romero/Reuters]

Um declínio acentuado

No entanto, no final da década de 1960 e início da década de 1970, o PRI supervisionava uma “guerra suja” contra dissidentes que matou milhares de combatentes de esquerda, camponeses e activistas estudantis.

Um dos episódios mais contundentes desse período ocorreu em 1968, quando estudantes se reuniram em uma praça no bairro de Tlatelolco, na Cidade do México, poucos dias antes de a cidade sediar os Jogos Olímpicos.

O protesto foi pacífico, com discursos denunciando a violência governamental e a liderança do PRI.

Mas o governo respondeu posicionando pelo menos 360 atiradores no topo de edifícios com vista para a praça e disparando contra os manifestantes, matando pelo menos 44. Algumas estimativas não confirmadas colocam o número de mortos em 300.

O incidente, conhecido como massacre de Tlatelolco, continua a ecoar até os dias atuais.

Sheinbaum, por exemplo, referiu-se a si mesma como “filha de 1968” durante a campanha, dizendo que os “herdeiros” do movimento de protesto “construirão um país mais justo”.

Além dos incidentes de repressão violenta, o PRI enfrentou acusações crescentes de fraude eleitoral à medida que o seu tempo no poder se prolongava.

Em 1988, por exemplo, o partido era suspeito de roubar as eleições de Cuauhtémoc Cárdenas, um popular candidato presidencial do partido rival PRD.

Representantes de partidos rivais alegaram “irregularidades” nas assembleias de voto e, nessa noite, quando as primeiras contagens começaram a mostrar Cárdenas na liderança, o sistema de apuramento dos votos alegadamente falhou, provocando protestos generalizados.

Dias depois, a comissão eleitoral declararia vencedor o candidato do PRI. A frase “o sistema caiu” – “se cayó el sistema” – tornou-se desde então sinónimo de fraude eleitoral.

Durante a década seguinte, centenas de candidatos e activistas do PRD seriam assassinados, em grande parte na violência relacionada com as eleições, enquanto o poder do PRI diminuía.

Ao mesmo tempo, o PRI implementou reformas neoliberais radicais, que atingiram o seu ápice com o Acordo de Comércio Livre da América do Norte (NAFTA) de 1994. Esse acordo foi acusado de minar os agricultores rurais e de expandir a indústria manufatureira – ou maquiladora – de baixos salários do México.

“Ironicamente, o neoliberalismo varreu sob os pés do partido o sistema social que era a espinha dorsal eleitoral do partido no século XX”, disse Edwin Ackerman, professor de história latino-americana na Universidade de Syracuse, à Al Jazeera.

O partido, disse ele, “nunca foi capaz de estancar essa hemorragia, de substituí-la por um novo tipo de eleitorado”.

Andrés Manuel López Obrador entrega um bastão – decorado com a escultura de um pássaro e fitas azuis, vermelhas e amarelas – à sua sucessora, Claudia Sheinbaum.
O partido Morena, liderado por Andrés Manuel López Obrador, à esquerda, e Claudia Sheinbaum, à direita, tornou-se a principal força política no México [Henry Romero/Reuters]

Um novo partido dominante

A eleição do presidente Enrique Peña Nieto em 2012 marcou um breve retorno do PRI.

Os especialistas atribuem à frustração do público com o aumento da violência o facto de ter levado o PRI de volta ao palácio presidencial – e Peña Nieto era visto como uma cara nova e jovem do partido.

Mas a sua administração foi atormentada por repetidos escândalos de corrupção e violência contínua no país.

Os presidentes no México estão limitados a um único mandato e, quando chegou a corrida de 2018, os índices de aprovação de Peña Nieto eram péssimos.

O aparente fracasso da sua administração abriu caminho para que outra força dominante assumisse a política mexicana: o Partido Morena, liderado pelo popular presidente de esquerda Andrés Manuel López Obrador, conhecido pelas suas iniciais AMLO.

Espera-se que Morena vença as eleições de 2 de junho, vencendo disputas eleitorais. Prevê-se também que o sucessor de López Obrador, Sheinbaum, tenha um caminho claro para a vitória.

Entretanto, a coligação do PRI, “Força e Coração para o México”, tem enfrentado dificuldades nas urnas.

“Ninguém se orgulha de formar uma coligação com o PRI”, disse Ackerman à Al Jazeera. “Há muitas associações negativas com isso. E isso acentuou os conflitos internos do partido”.

Alguns especialistas, como Herrán, apontam que a liderança do diretor do PRI, Alejandro “Alito” Moreno, causou novas fraturas no partido.

Moreno foi acusado de alienar facções de seu próprio partido com suposto tráfico de influência e má gestão, levando figuras de destaque como del Moral a “abandonar o navio” em favor de Morena.

“Depois das eleições”, disse Campa Butrón, “haverá um florescimento de dissidência interna e provavelmente mais voos para Morena”.

Campa Butrón acredita que Morena continuará a tradição mexicana de liderança de partido único – embora sob uma bandeira diferente.

“As elites do poder local que antes estavam alinhadas com o PRI estão agora alinhadas com Morena”, disse ele.

“Não se importam” com “princípios ou ideologias, mas sim com o partido que garante a continuidade da sua influência”, explicou Campa Butrón.

“Na verdade – pela sua conduta, pela forma como atua, pelo projeto de poder que encarna, pela sua cultura política, pelas personalidades que o representam – para muitas pessoas, Morena é um PRI reconvertido.”

A única diferença, acrescentou Campa Butrón, é que Morena se proclama de esquerda, enquanto o PRI se deslocou para a direita.

Herrán também notou uma semelhança entre Morena e a estrutura de poder que o PRI cultivava anteriormente.

Tal como o PRI, disse ele, “o Morena tornou-se um partido muito heterogéneo, absorvendo estes grupos políticos locais e regionais e lançando-os na cena nacional através de candidaturas”.

Mas ele questionou se Morena manterá sua popularidade depois que López Obrador deixar o cargo este ano. “Resta saber o que acontecerá com Morena depois que AMLO deixar o poder.”

Entretanto, os especialistas dizem que o PRI depositou as suas esperanças em tornar-se um partido minoritário que possa reivindicar votos decisivos no Congresso.

O sistema político mexicano exige que um partido receba apenas 3% dos votos a nível nacional para obter financiamento estatal, o que significa que o PRI provavelmente resistirá, ainda que enfraquecido.

“No estado do México, Veracruz e Chiapas, eles continuarão a ser uma força política”, disse Herrán, “tentando permanecer vivos dentro do ecossistema da política dominada por Morena”.

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *