• Qui. Jun 13th, 2024

Israel ataca Gaza, insiste na ‘destruição do Hamas’ enquanto os EUA pressionam o roteiro

Byadmin

Jun 1, 2024

Os tanques e o fogo de artilharia israelitas continuaram a atingir a destruída Faixa de Gaza e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu insistiu na destruição do grupo palestiniano Hamas como parte de um plano de cessar-fogo apresentado pelo presidente dos EUA, Joe Biden, levantando questões sobre a perspectiva de um acordo.

Durante uma entrevista coletiva na Casa Branca na sexta-feira, Biden disse que Israel apresentou “uma nova proposta abrangente” para acabar com a guerra. O plano de três fases procura implementar um cessar-fogo permanente na Faixa de Gaza que envolve a retirada das forças israelitas de todas as áreas povoadas de Gaza e a libertação de todos os israelitas mantidos em cativeiro na faixa.

O Hamas indicou que está aberto à proposta, aumentando as esperanças de uma suspensão da guerra de oito meses de Israel.

Num comunicado, o grupo afirmou que “reafirma a sua disponibilidade para se envolver e cooperar positivamente com qualquer proposta baseada no fundamento de um cessar-fogo permanente, na retirada completa da Faixa de Gaza, na reconstrução, no regresso das pessoas deslocadas às suas casas e na conclusão de um acordo genuíno de troca de prisioneiros, desde que a ocupação anuncie o seu compromisso explícito com isso”.

Mas no sábado, Netanyahu foi inflexível ao declarar que, para que a guerra de Israel em Gaza termine, o Hamas deve ser destruído.

“As condições de Israel para acabar com a guerra não mudaram: a destruição das capacidades militares e de governo do Hamas, a libertação de todos os reféns e a garantia de que Gaza não representa mais uma ameaça para Israel”, afirmou o seu gabinete num comunicado.

Afirmou que essas condições devem ser cumpridas, “antes que um cessar-fogo permanente seja estabelecido”.

“A noção de que Israel concordará com um cessar-fogo permanente antes que estas condições sejam cumpridas é um fracasso”, acrescentou.

Abdullah al-Arian, professor de história na Universidade de Georgetown, no Qatar, apontou uma “grande contradição” na exigência, com Israel e o seu fiel aliado, os EUA, a afirmarem que não querem um futuro em Gaza em que o Hamas tenha qualquer tipo de influência. papel político deixado.

“Ao mesmo tempo, este é um acordo que teria de ser alcançado através de negociações com o Hamas, então, como fazer isso? Como eliminá-los como força política e ao mesmo tempo chegar a uma solução negociada que seja acordada por todas as partes”, disse ele à Al Jazeera.

Outro “grande obstáculo” para um eventual acordo seria a permanência de Israel como força de ocupação em algumas partes de Gaza, o que, segundo ele, os palestinianos rejeitaram continuamente.

Alon Liel, ex-diretor do Ministério das Relações Exteriores de Israel, disse que o anúncio de Biden foi “música para os ouvidos dos israelenses que querem acabar com a guerra.

Mas há uma “mensagem confusa vindo novamente de Washington”, disse ele à Al Jazeera. “O surpreendente foi que [the ceasefire proposal] foi descrito como uma oferta israelense. Isto contradiz muitas coisas que Netanyahu disse recentemente; parece mais uma oferta americana apresentada como israelense”, disse Liel.

O grupo armado Jihad Islâmica Palestina, por sua vez, expressou “suspeita” do plano anunciado por Biden, dizendo que a “cessação da agressão” deve envolver a “retirada completa” das forças israelenses de Gaza.

Blinken faz lobby com líderes do Oriente Médio

Mesmo quando Biden apresentou o novo plano, Israel continuou os seus ataques mortais em Gaza, com fogo de artilharia atingindo edifícios residenciais nos bairros do norte da Cidade de Gaza, matando vários palestinianos.

Outro ataque israelense matinal na Cidade de Gaza também matou um jornalista, identificado como Ola al-Dahdouh, segundo o canal de TV palestino Al-Aqsa.

As forças israelitas também atacaram Rafah, no sul de Gaza, com tanques e artilharia, enquanto testemunhas no leste e no centro de Rafah descreveram intensos bombardeamentos de artilharia.

À sombra do contínuo bombardeamento israelita, o Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, manteve discussões com os principais diplomatas da Arábia Saudita, Jordânia e Turquia, no meio de esforços para reunir apoio para o novo plano de cessar-fogo em Gaza.

O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Príncipe Faisal bin Farhan Al Saud, recebeu um telefonema de Blinken, durante o qual discutiram a última proposta, disse a agência de notícias estatal saudita.

Blinken, na sua diplomacia de transporte na região, investiu tempo no envolvimento da Arábia Saudita, esperando que a perspectiva de Israel normalizar as relações com o reino encoraje a moderação no governo de extrema-direita de Netanyahu.

Segundo o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, Blinken “enfatizou que o Hamas deveria aceitar o acordo sem demora”, naqueles telefonemas do seu avião quando regressava de uma reunião da NATO em Praga.

“[Blinken] ressaltou que a proposta é do interesse tanto de israelenses quanto de palestinos, bem como da segurança de longo prazo da região”, acrescentou Miller.

Entretanto, o presidente eleito da Indonésia, Prabowo Subianto, saudou a proposta de cessar-fogo de Biden como um passo na direcção certa. Ele disse que o seu país está disposto a enviar tropas de manutenção da paz para manter um cessar-fogo em Gaza, se necessário.

“Quando necessário e quando solicitado pela ONU, estamos preparados para contribuir com forças de manutenção da paz significativas para manter e monitorizar este potencial cessar-fogo, bem como fornecer protecção e segurança a todas as partes e a todos os lados”, disse ele numa conferência de segurança em Singapura.

Os ataques israelitas a Gaza desde o início da guerra mataram pelo menos 36.379 pessoas e feriram outras 82.407, com milhares de desaparecidos sob os escombros e presumivelmente mortos. Israel lançou o seu ataque ao território sitiado depois de um ataque liderado pelo Hamas no sul de Israel ter matado cerca de 1.140 pessoas.

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *